BreakPoint com Charles Colson*
Comentário #011116 – 16/11/2001

A série de livros é popular com crianças do mundo todo – mas o autor britânico está sendo “queimado” pela comunidade cristã. As pessoas argumentam que, desde que os livros estão repletos de bruxaria e magia, bolas de cristal e encantamentos, eles não deveriam ser indicados para as crianças lerem.

Você pode pensar que estou falando de J. K. Rowling, a autora dos popularíssimos livros Harry Potter e do filme que estréia hoje [N.T. no circuito internacional]. Mas não estou. Estou falando de C. S. Lewis. Cinqüenta anos atrás, os cristãos acusaram Lewis de ensinar feitiçaria às crianças. Ainda hoje, muitos cristãos — inclusive eu — consideram as Crônicas de Nárnia um clássico e os livros e filmes de Nárnia são encontrados em muitas bibliotecas de igrejas.

Há cristãos que dizem que não existe diferença entre as estórias de Nárnia e as de Harry Potter. Alguns insinuam que ambas deveriam ser condenadas, outros elogiam ambos. Muitos cristãos amam Lewis enquanto têm severas reservas quanto a Harry Potter.

Eu me incluo nesta última categoria e explico o porquê.
Não nego que as aventuras de Nárnia contém bruxas e lobisomens; os espíritos das árvores, rios e estrelas; e personagens que lançam encantamentos — inclusive personagens do lado bom. Neste sentido, existe pouca diferença entre as estórias de Nárnia e as estórias de Harry Potter. E mesmo em Lewis, estes personagens não deveriam ser tratados de maneira leviana. Os pais cristãos devem usar discernimento para com seus filhos.

A grande diferença recai em três aspectos. Primeiro, Nárnia claramente não é “neste mundo”. Lewis criou um outro mundo completo onde as leis da natureza são diferentes do nosso mundo. A mágica narniana é errada e não funciona na Terra. O mundo de Harry Potter, em contraste, é este mundo. A divisão é entre os “iniciados” — isto é, magos e bruxos — e todos os outros, que são jocosamente chamados “Muggles”.
Segundo, Nárnia é governada por Aslan e por seu pai, o Imperador Além-Mar. Lewis deixou muito claro que ele estava escrevendo uma alegoria. Aslan é Cristo e o Imperador, Deus o Pai. O mundo de Harry Potter não faz qualquer referência a Deus.

Finalmente, as estórias de Nárnia são alegorias das grandes verdades da vida cristã: expiação, ressurreição, arrependimento, fé, justificação, santificação, criação e redenção, o retorno de Cristo e nosso lar eterno. O Livro Três está repleto de referências a diversas destas verdades. Harry Potter, como muitos têm argumentado — inclusive amigos meus — é uma avetura de fundo moral. Ok, é uma aventura de fundo moral. Mas só isso, nada mais.
É uma simples análise de risco/recompensa. Ambos os autores incluem material fantástico e sobrenatural. Ambas as sérias deveriam ser tratadas com cuidado — especialmente se nossas crianças demonstram um interesse não sadio pelo oculto. Os pais precisam ser sábios e cuidadosos quanto as inclinações de seus filhos.

A recompensa dos livros de Harry Potter é uma estória de fundo moral. A recompensa dos livros de Nárnia, por outro lado, é nada menos que as verdades cristãs embutidas em estórias que têm encantado e comovido os corações de crianças cristãs por gerações.Minha opinião? Use toda essa agitação em cima de Harry Potter para apresentar a seus filhos algo que realmente presta:  C. S. Lewis e as Crônicas de Nárnia.

Fonte: http://blog.cancaonova.com/sergiofernandes/2007/11/22/fantasia-ficcao-e-fe-a-questao-harry-potter-e-as-cronicas-de-narnia/

Veja debates interessantes sobre o tema no wikipédia, em“Debates religiosos sobre a série Harry Potter”

  1. Concordo! Virei colecionador de material narniano 🙂 . Meus filhos se divertem bastante e ainda estão aprendendo coisas valorosas a respeito do reino de Deus. E eles já sabem que Aslam o grande leão, é Jesus Cristo, o próprio Deus criador, que redimiu sua criação e breve voltará para buscar o seu povo para viver em um lugar onde o mal não existirá mais.

    • Ah, então quer dizer que fizeram grandes descobertas, hein? Só lembrando, que ninguém é obrigado a fazer essas conexões, que certamente têm a ver com a visão teológica do autor, que era cristão. E um autor, como ele, sempre acaba expondo as suas convicções mais profundas…

    • Oi Rodrigo,
      Que bom que estás “contagiando” seus filhos com o mundo encantado e encantador de Nárnia. Só uma recomendação: não crucifique quem não faça a mesma interpretação que a sua. Lewis permitia todas as interpretações possíveis e ele tinha um modelo-mestre para seguir isso: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça”. Esse “ouvir” vai do ouvido e do coração de cada um, né?

      Grande abraço

  2. Também sou apaixonada pelas crônicas de Nárnia. A primeira que li foi O Leâo, a Feiticeira e o guarda-roupa ainda na pré-adolescência; depois durante a faculdade, no auge da minha crise existencial/filosófica/religiosa etc, tive o previlégio de ler Cristianismo Puro e Simples . Aliás, já procurei em várias livrarias e não consegui achar esta “preciosidade”. Gostaria que algumas pessoas que eu conheço pudessem lê-lo também. Deus seja louvado pela vida e obras de C.S. Lewis! Deus abençõe vocês… e que a primavera chegue logo!

    • Querida ana paula,

      Tive uma experiência bem parecida. E depois que Lewis me livrou da crise existencial, eu nunca mais larguei dele, rsrs. De certa forma, ele tem sorte de já estar com o Pai, do contrário, eu lhe daria muito trabalho, rsrs.

      Deus te ouça sobre vinda da primavera, nobre narniana!

      Mas, se observarmos bem, podemos já ver degelo em alguns lugares do planeta, ao mesmo tempo em que vemos as desgraças. Estamos vivendo a Eucatástrofe de J.R.R. Tolkien, mas por mais catastrófica que seja, a notícia boa é:

      Aslan is on the move!!!

      Abraço leonino!

      Gabriele

  3. Realmente Narnia tem um qualidade indiscutível, especialmente no último livro da série, que é o meu predileto: “A Última Batalha”.

    Tem uma pergunta, que provavelmente já lhe fizeram, e gostaria de saber, por gentileza, sua resposta para ela: por que Lewis usou todos estes recursos (espíritos das florestas, faunos, etc) na histórias de Nárnia, se ele era cristão? Geralmente, eu respondo que ele era um acadêmico literário interessado pelo fantástico, e ele usa realmente vários mitos em sua história, mas o elemento principal é Aslan, representando a Cristo, o “mito real e verdadeiro” segundo Tolkien: indiretamente, era como se ele estivesse mostrando como a história real de Deus em Cristo é infinitamente superior a todas as histórias inventadas pelo homem.

    Respondi errado?

    Eu não me preocupo com isso, dada a aplicabilidade das histórias de Nárnia bem como o perfil do próprio autor, indiscutivelmente um servo de Deus (o que não significa dizer que eu concordava com todos os seus pontos de vista). No entanto, esta pergunta foi dirigida a mim por meus irmãos em Cristo, e como eu os amo e também tenho consciência da formação e ambiente em que vivemos (o sincretismo religioso, convivência com religiões não cristãs, etc) acho que é uma pergunta/preocupação válida da parte deles.

    Abraços.

    • Oi Cristiano Nerd,

      Sua resposta é “impecável”, rsrs. Eu apenas acrescentaria mais uma coisa que causa escândalo entre certos cristãos ditos “ortodoxos”, que fazem Deus parecer um “estraga prazeres”, o que definitivamente Ele não é, pelo contrário, Ele é a fonte primeva de todo prazer e alegria genuínos: Lewis fez essa “salada” toda com imagens e figuras de todos os tipos, para, brincando e usando de ironia, o leitor percebesse o quanto são insignificantes, incluindo a figura de Aslan, comparativamente ao Deus de verdade.

      • Olá Dra.,

        Sim, verdadeiramente, Deus não é nenhum estraga-prazeres! E foi com Lewis que eu me apercebi deste fato: sentir prazer é um dom de Deus, que nós, humanos, estragamos com nosso pecado.

        Para mim, ler um bom livro (ou HQ) é como degustar um bom vinho: é saboroso e recompensador. Fica com aquela vontade de “quero mais” e com a impressão de que nenhum tempo foi perdido ou gasto com algum de má qualidade.

        Só me pergunto às vezes se com o passar dos anos a gente vai achando que o bom eram as coisas do passado, e que hoje em dia não se faz mais nada com esta qualidade…

        Valeu pelo adendo à minha resposta.

        God bless.

        • Oi Cristiano,

          Realmente nossa tendência à nostalgia e ao caos é um mistério, principalmente para os evolucionistas e progressistas. Mas, para mim, é sinal de que nossa memória, qdo amadurece, vai para um passado de “antes da aura dos tempos”, cuja Magia a feiticeira desconhece, o que é prova de que o bem é “further up, and further in” e, a um tempo mais antigo e mais futuro. Esse conceito paradoxal é absurdo tanto para moralistas, quanto maniqueístas… Vou parar por aqui, se não, não faço mais nada, rsrs.

          God bless you, too, my friend.

  4. HA-HA-HA!

    Gente, acorda!
    Vocês pelo menos já leram o livro de HP para falar? Já tentaram ver além ? É isso, a historia se repete. No cinema, por exemplo, muitas pessoas julgam um filme ruim por nao ter a capacidade mental de realmente entender o que está escrito.

    AFF, IGNORANCIA!

    VIVA JK ROWLING, õ/

  5. Aff.. Ignorantes.. Harry Potter faz sim menção a termos religiosos, a parte em que harry esta praticamente morto e tipo qe volta para acabar com voldemort, isso faz menção a quando Jesus aceita a morte, mas volta para acabar com o mal..alguem lembra na frase na lapide dos pais de harry que diz: o Único inimigo qe há de temer e a propria morte (é alguma coisa assim)? Pensa nisso , pesquise e depois fale alguma coisa

    • Oi Gabriel,

      Bem lembrado, chará! Na verdade, não é de minha autoria o texto, mas postei com autorização, pois achei interessante. Vou postar mais algumas coisas da autora que estou mirando agora, hoje. Coisas para professores, mas que valem para todos que são educadores ou já foram alunos algum dia (ou seja…rsrs).

      Grande abraço

      Gabriele

  6. É complexo falar o que tal autor quis dizer quando escreveu um livro. Fica mais claro falar de C.S. Lewis pq ele era um estudioso da área, portanto, logo liga-se a obra( As crônicas de Nárnia) aos seus estudos. Ainda não li o livro todo, mas gostei do que li, pq é um dos tipos de livros que eu lia quando era criança e que me ajudaram e muito no meu crescimento pessoal. A Bíblia me ajudou muito tmb, mas os livrinhos que tinham uma moral foram muito importantes por terem uma linguagem simples (eu amava as fábulas e lendas XD). Harry Potter ensina sim algumas coisas, apesar de ser uma boa coisa a cada 50 páginas, mas é acho que merece méritos. Mas falar que tmb faz analogia a Jesus é complicado de dizer, pq livros de fantasia geralmente são assim:existe um escolhido, que em dado momento de sua vida se destaca e começa a ser poderoso e a ser perseguido e a lutar pelos menos favorecidos e as vezes o mal tenta fazer com que esse escolhido vá para o lado das trevas e ele passa por um momento de medo e vem a batalha final (Eragon por exemplo). Às vezes, o escolhido até morre e volta pq seu sacrifício era o que o deixaria mais forte e coisa e tal. Finalizando, só falando com o autor pra saber o que ele quis dizer. XD

    • Oi Pantera,

      Que nome sugestivo, rsrs.
      Você está coberta ou coberto de razão, tanto em relação à série Harry Potter, quanto o que vc escreve sobre a estrutura das histórias em geral. Inclusive há vários trabalhos de estudiosos como Vladimir Propp, Morfologia dos Contos de fadas. Realmente fica difícil descobrir entre as figuras de herói, qual poderia ser uma analogia a Cristo. Parece que é mais uma questão daquelas do “ovo e da galinha”. Mas, nesse caso, para os que acreditam na Bíblia, há uma relação de prioridade, sim, a única absoluta que se pode estabelecer: Deus é o Criador, e nós, a criatura. E Cristo, sendo (filho de) Deus, também é o modelo de acordo com os quais todos os outros “heróis” são moldados.

      Grande abraço

  7. “E Cristo, sendo (filho de) Deus, também é o modelo de acordo com os quais todos os outros “heróis” são moldados.” Isso faz todo sentido pra mim ^^. Até pq é a única história que eu conheço que ainda é lida e contada por milhares de pessoas há mais de dois mil anos. XD

    Vou buscar “Morfologia dos Contos de fadas”, to tentando escrever um livro (está na lista de 10 coisas pra se fazer antes de morrer, hehe) e essa obra com certeza pode me ajudar.

    Então…eu estou “COBERTA de razão”…infelizmente uso pseudônimos na net pq ainda não tenho cacife pra bancar meus ideias, mas assim que tiver mais liberdade (o que está cada vez mais perto) haverá um nome e um rosto XD. Abraços!

  8. O que eu estava fazendo que não descobri esse site antes?? o/
    Sou apaixonada por literatura fantástica, mais infelizmente desde pequena “sofro” esse preconceito dentro da minha família e da igreja. Me lembro que, na primeira vez que ” O Leão, A Feiticeira e O Guarda-Roupa” foi transmitido na tv aberta, muita gente da minha família assistiu porque a gente dizia que tinha um “fundo” cristão e fui obrigada a ouvir de uma tia escandalizada que os “bichos que queriam matar Aslam eram muito feios”(como se os nossos pecados que conduziram Jesus à cruz fossem lindos). Enfim, As Crônicas de Nárnia foi a única obra de Lewis que li até agora e pretendo me aprofundar na sua teologia, foi assim que achei esse site rsrs.
    Já a respeito de Harry Potter, que li, reli e acho que sempre vou ter vontade de ler, por que foi muito incentivador como leitora, e todo leitor sabe que alguns livros marcam épocas de nossas vidas. Mais não acredito que J.K Rowling tenha embutido verdades cristãs em seus livros e nem foi essa sua intenção, muito pelo contrário, ela mesma admitiu que enquanto escrevia tinha dúvidas da existência de Deus.
    Parabéns pelo site, os textos são incríveis e eu não consigo parar de pesquisar sobre C.S. Lewis e aprender com ele.
    Deus abençoe (:

    • Oi Noemi,

      Que bom que gostaste do meu site. E que ótimas observações as suas sobre as reações contraditórias do crentes igrejeiros de plantão às Crônicas e sobre Harry Potter. Foi uma contribuição importante para o site.
      Continue sempre assim, entusiasmada pelo cristianismo, C.S. Lewis e a literatura imaginativa e conte comigo como sua “aliada”.

      Grande e carinhoso abraço.

      Gabriele

  9. Olá, eu gostei bastante do seu site e estou iniciando meu conhecimento por Lewis agora e meu amor também.
    Li em alguns lugares sobre o ocultismo que exite em Nárnia e isso me deixou um pouco chocada por não ter reparado antes, com quando a “primeira esposa” de Adão é citada Lilith. Entre outras coisas…
    Isso me fez pensar que como Lewis tinha conhecimento sobre ambas as partes quis aproveitar e de certa forma o expor para colocar em sua obra o que ele já teve contanto pois são dois lados. Mas eu fiquei um tanto confusa quando li trechos de seus livros sobre sua grande tentação quanto ao querer mais do ocultismo algumas vezes ou sobre quase cair ou cair no paganismo, isso me deixou muito confusa quanto a ele. Continuo admirando Lewis, e gostaria de ler todos os seus livros que ainda não li para ter mais conhecimento e tirar minhas conclusões, mas temo que tenha que viver lendo seus livros com certo receio e muito cuidado e discernimento…
    Espero que entenda o que eu quis dizer e me ajude sinceramente a saber a verdade e saber mais.
    Obrigada !

    • Oi Raissa,

      Um livro que vai te ajudar muito a entender como foi esse contato de Lewis com o espiritismo – muito antes de ele ter conhecido realmente a Cristo – sugiro que vc leia O Mais Relutante dos Convertidos do meu amigo Downing (Editora Vida). Ele elucida isso muito bem e é um pesquisador muito sério e competente. Vc vai ver que a maioria de seus biógrafos são unânimes em descartar as acusações que muitos fazem infundadamente e sem conhecimento de causa, fique tranquila e curta Lewis “sem medo de ser feliz”! Abs

  10. Olá Gabriele!

    Li um artigo seu sobre o Lewis, em que você fala sobre as “cartas de um diabo” confesso que devo ter compreendido só uns 45% de toda a mente do Lewis, mas achei muito bacana. se houver algum artigo seu “explicativo” dos pensamentos dele neste livro vai ser incrível ler.

    Encomendei Além do planeta silencioso e vou comprar os outros dois da série, vou fazer boa compra, rsr?

    Tenho um outro dele, o regresso do peregrino, vou ler, o que você me adiantaria desses livros?

    Um grande abraço e Paz em Cristo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>