Especial Lausanne III – Graças à Silvia, missionária brasileira na Cidade do Cabo há quase três anos, pude me hospedar junto com mais cinco brasileiros num lugar muito especial a um preço muito em conta na véspera do Congresso.

O casal anfitrião é evangélico. Ambos são sulafricanos de origem europeia. Os avós de Jean vieram para cá como missionários. Há 25 anos eles compraram a casa que hoje serve de pousada e que se parece mais com um castelinho: dois andares e meio, muitos quartos, muitas salas, construção antiga, um grande jardim e uma pequena piscina, que parece ser coisa muito comum aqui (do avião veem-se muitas piscinas em casas de pequeno porte). Flika, a cachorra da casa, está bem acostumada aos hóspedes.

Alan e Jean se inspiraram no L’Abri para instalarem esta “pousada”. Há alguns moradores fixos (um deles está lá há mais de 15 anos) e eventualmente hospedam pessoas em trânsito.

A casa está cheia de “entulhos”. Como aprecio coisas velhas e reaproveitadas senti-me em casa. Jean tem uma grande cozinha, que é usada por todos os hóspedes. A parte superior das paredes é decorada com folhas de revistas antigas, páginas manuscritas e partituras musicais. Nas estantes há de tudo. Ela coleciona garrafas de vidros: são 5 estantes, cada uma delas reunindo vidros de todos os tamanhos e formatos agrupados por cor. Além de escritora de biografias, Jean dá cursos de formação para escritores.

O que mais tem na casa são livros: em estantes, no chão, nas mesas, nas prateleiras das paredes, no banheiro, nas salas, na escada, no hall. Alan foi distribuidor de livros até cerca de 20 anos atrás. Ama livros. Em um dos armários perto da escada há apenas livros de C.S. Lewis — acredito que sua obra completa, incluindo os livros de crítica literária. Há também muitos exemplares de um mesmo título. Vi três diferentes edições de “Carta do Diabo a Seu Aprendiz”. Um dos hóspedes disse que viu na casa até o guarda-roupa mágico dos livros de Nárnia…

Um capítulo a parte são os livros de Francis Schaeffer, sobre os quais meu colega Lissânder comentou. Formam uma pilha grande, quando se juntam os escritos por ele, por Edith Schaeffer, sua esposa, e os de autoria dos dois juntos. Depois de saber que Ultimato publicou Schaeffer no Brasil (“A Arte e a Bíblia”), Allan deu para Ultimato o tal livro com fotos do L’Abri.

No jardim gramado, com muitas flores diferentes das que temos por aqui, havia montinhos de terra feitos por toupeiras. Há muitos pássaros. No dia de nossa saída, Jean recebeu um grupo de senhoras da igreja com seus filhos para comemorar o aniversário de uma das crianças.

Hospedagem especialíssima! Vai ficar na memória junto com uma renovação de amor ao livro, pelo seu poder de ampliar o mundo de cada leitor e pelo seu potencial de mudança.

Enviado por Klênia Fassoni

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *