Michael já não é mais. Embora seu corpo frio e sem vida esteja ainda na terra dos viventes, ele já não é mais. A mídia aqui nos EUA não fala em outra coisa. Se estou sabendo da situação política em Honduras, das bombas atômicas na Coreia do Norte ou da violência dos últimos dias na China, posso assegurar-lhes que não foi por meio da TV americana.

O curioso é que falam que a morte de Michael Jackson nos pegou “de surpresa”. A mim, pelo menos, não pegou. Não consigo ver um Michael senil, enrugado e de bengalas. Michael gostava de ver o jovem no espelho – como ele mesmo colocou em “The man in the mirror” –, mas não suportaria ver-se velho. Iria tentar de todas as formas esticar seu rosto, já deformado por inúmeras plásticas. Contudo, não resistiria novamente ao fio da navalha.

Michael quis ser jovem para sempre, assim como Peter Pan. Ergueu seu castelo em Neverland, a “terra do nunca”, e lá fez seu show. Se todas as crianças crescem, Peter Pan não. Michael também não quis crescer, e quando achava aquela vida sem graça e sem holofotes, corria todos os perigos, perdia todos os sentidos. Cazuza tinha razão… “vida louca, vida breve”. Michael dispensou as metáforas e tornou-se a própria metonímia; tornou-se thriller.

Se quem morre jovem são os bons, não sei. Contudo Michael “se cansou de tanta babaquice, tanta caretice”. Sua morte não é uma surpresa. Mesmo na terra do nunca a realidade às vezes se mostra. Michael agora está na terra do sempre, do eterno… tomara que não em companhia do Capitão Gancho.