Arquivo de setembro 2010

Semana 39: Romanos 11.33-36

Como são grandes as riquezas de Deus! Como são profundos o seu conhecimento e a sua sabedoria! Quem pode explicar as suas decisões? Quem pode entender os seus planos? Como dizem as Escrituras Sagradas:

“Quem pode conhecer a mente do Senhor? Quem é capaz de lhe dar conselhos? Quem já deu alguma coisa a Deus para receber dele algum pagamento?”

Pois todas as coisas foram criadas por ele, e tudo existe por meio dele e para ele. Glória a Deus para sempre! Amém! (NTLH)

Reflexão

Meu avô, Nangy, era assim. Saudades dele. Faleceu meses antes de eu vir para o Brasil há 34 anos. Como pastor sempre de igrejas pequenas geralmente rurais, ele achava o máximo que eu vinha para cá. Achava que eu era corajoso. Mal sabia que a minha vida no Brasil seria tão gratificante, tão rica, realmente pouco altruista. Não precisava de coragem. Sempre ganhava muito mais que recebia. Quem era corajoso e sempre agradecido era meu avô. Como adolescente, quando andava com ele no carro dele, ele sempre cantava. Músicas bem quadradas para mim, jovem adolescente fã dos Beatles, dos Bee Gees, dos Beach Boys, Stevie Wonder, os Jackson Five, etc. Ele cantava hinos…aqueles bem antigos e até caipiras. E era feliz da vida. Mas feliz mesmo. Agradecido a Deus. Nunca vou esquecer disto. Igual a Paulo na passagem acima.

Paulo, teólogo ímpar, se emocionou. Como se emocionou também no final do capítulo oito quando contemplou a relação do povo redimido de Deus com a renovação da criação. No final de capítulo onze ele parece se emocionar e agradecer diante do plano de Deus para a salvação das nações e dos judeus…este é o conteúdo do capítulo. Mas se prestar a atenção de como termina a sua doxologia acima, verá que o agradecimento não era por isso! Pelo menos não era só por isso. É que o plano de Deus para a redenção da humanidade toda se enquadra dentro do contexto do plano de redimir a criação toda! Por isso termina: “Pois todas as coisas foram criadas por ele, e tudo existe por meio dele e para ele. Glória a Deus para sempre! Amém!”

Quando crescer quero ser igual ao meu avô. Quero ser como Paulo. Agradecido e cantor! Pelo plano magnífico de Deus. E fato de me incluir…

Oração

Pai, perdoe-me quando não vejo a sua glória bem na minha frente. Receba o meu agradecimento e a música do meu coração. Amém.

Semana 38: Romanos 11.11

Agora eu pergunto: quando os judeus tropeçaram, será que eles caíram para nunca mais se levantarem? É claro que não! (NTLH)

Reflexão

A afirmação acima vem no meio dum discurso sobre a rejeição geral pelos judeus do evangelho. “Geral” porque as exceições são notórias. Paulo é exemplo de judeu que não rejeitou o evangelho. Basicamente o que Paulo está dizendo, ao longo dos capítulos 9 a 11, é o mesmo que alguns outros judeus diziam naquela época, isto é, que são os judeus “autênticos” que são o verdadeiro povo de Deus. Não é questão de mera descendência. A novidade de Paulo é que ele vincula tal autenticidade à fé em Jesus, a maior evidência da graça de Deus. Este é o teor destes três capítulos.

E, como observamos, no meio disto, vem a afirmação acima, que se baseia na característica essencial da justiça de Deus. A sua justiça é misericordiosa. Até mesmo quando se rejeita Deus, isto não é suficiente para dispensar absolutamente a sua misericórdia e o seu perdão. Isto não é confortante? Afinal, você já pisou na bola com Deus? Efetivamente pelas suas ações, alguma vez negou ou rejeitou o Criador? Já caiu feio? Não? Pense mais e de modo mais humilde. Sim? Não é bom saber que Deus não quer que caiamos para nunca mais levantar?

Isto não só é bom para gente… e é muito bom… mas nos ajuda a enxergar um pouquinho melhor a tarefa divina de perdoar os outros e assim refletirmos a imagem de Cristo em nós. “E perdoa-nos as nossas transgressões assim como nós perdoamos os nossos transgressores”.

Oração

Pai, guarda-nos de cair. E quando caimos, convença nos da nossa trangressão para que tenhamos a contrição e o arrependimento. E buscamos a Tua face, levanta-nos para andarmos novamente na Tua presença. Em nome de Jesus. Amém.

Semana 37: Romanos 10.15

E como é que a mensagem será anunciada, se não forem enviados mensageiros? As Escrituras Sagradas dizem: “Como é bonito ver os mensageiros trazendo boas notícias!”. (NTLH)

Reflexão

A mensagem mencionada no versículo acima se refere à ação de Deus na morte e ressurreição de Jesus para redimir o mundo. Para Paulo, e fundamental para os primeros onze capítulos de Romanos, este “mundo” é feito de judeus e não-judeus e Paulo gasta muita tinta para dizer que Deus ama ambos os grupos e está redimindo ambos os grupos sem que este último grupo, os não-judeus, tenha que se tornar, antes, judeus (isto é, circuncidar-se). Mas o final de capítulo 8 deixa claro que, por mais importante que seja este conceito de “mundo” para Paulo e para a sua missão, a sua perspectiva é ainda mais abrangente. O “mundo” para ele inclue todo o mundo físico que Deus criou. Abrange toda a criação.

Pois bem, tudo isto é para dizer que enquanto a “mensagem” mencionada no versículo acima se refere à ação redentora de Deus para todos os povos, também abrange a criação toda no qual a humanidade vive. Se esta observação compete, há uma boa lição para nós que entendemos que parte da missão da igreja é a transformação socio-ambiental. E a lição é esta: a mensagem é essencialmente boas notícias, não notícias ruíns. Deus deu à igreja uma missão que ela é capaz de realizar com o poder do Seu Espírito. A renovação dos céus e da terra de acontecer.

Isto significa que na educação cristã socio-ambiental o tom principal da nossa fala tem que ser positiva. Tem que parecer boas notícias, porque são boas notícias. E isto é coisa bonita. Assim disse Paulo pela inspiração do Espírito Santo. E disse o que já foi dito anteriormente no Antigo Testamento.

Oração

Pai, embeleze as nossas palavras. Nos ajude a manter o enfoque na redenção já conquistada por meio da cruz. Permaneçamos firmes em Jesus, nossa Rocha. Amém.

Semana 36: Romanos 10.4

Porque a Lei encontra seu propósito final em Cristo. Ele possibilita a vida justa para todos que põem a sua fé nele. (tradução minha)

Reflexão

Ao pé da letra o versículo acima diz: “porque o fim da Lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê”. A nossa tradução interpreta o significado. A chave é a palavra telos, traduzida literalmente como “fim”. A idéia é de “fim” no sentido de “projeção”, a projeção visual (televisão), a projeção de som (telefone) e a projeção de palavras escritas (telegrafia). A expressão é o cerne do argumento de Paulo para os primeiros onze capítulos desta carta densa de reflexão teológica.

Mas nós já ouvimos tantas vezes, “Cristo é o fim da Lei”, que corremos o perigo de não ouvir mais a sua natureza tão radical. Tanto que boa parte do mundo evangélico brasileiro não ouve. Prefere uma teologia mais “fácil” de controlar e comunicar: uma teologia da lei. Tudo bem que não exigimos a circuncisão dos nossos membros. Também, depois de Paulo, como poderíamos? Por outro lado, exigimos a entrega do dízimo (no Novo Testamento ele é recomendado apenas para os fariseus…e com qualificações); tratamos o salão de culto como se fosse ainda “templo”, isto é, sagrado; pelo uso de títulos (apesar da proibição explícita por Jesus) tratamos os pastores como uma classe especial; exigimos a observação do sábado (apesar das qualificações por Jesus e a sua não observância na igreja primitiva); e tratamos o Israel como uma questão de etnia e nacionalidade apesar do ensino claro de Romanos 9, Gálatas 6 e outras passagens. Enfim, comportamo-nos muito mais como se Cristo não estivesse vindo e inaugurado a era do Espírito nos nossos corações e nas nossas igrejas.

Bem, devocional não é lugar de elaborações teológicas. Apenas quero ressaltar a mesma observação da semana passada. Jesus é a nossa rocha. Não há outra. Isto significa que toda a fé cristã caminha para ele e por meio dele. Isto se refere tanto às nossas vidas pessoais, quanto às nossas igrejas, quanto às nossas instituições cristãs. Se a condensação da teologia de Paulo, “Cristo é o fim da Lei” fosse tão óbvia, porque não vivemos dia a dia pela graça de Deus e guiados pelo seu Espírito? Onde está a graça na tua vida? Na minha vida? Na nossa igreja? Nas nossas organizações?

Oração

Pai, ajude-nos a enxergar onde ainda estamos cegos, pela manifestação maior do Teu governo aqui entre nós. Em nome de Jesus.  Amém.