A maneira predileta de Jesus ensinar era pelo uso de parábolas. Sabia que as pessoas gostavam de ouvir uma boa estória! Jesus usava parábolas para dizer tudo isso ao povo. Ele não dizia nada a eles sem ser por meio de parábolas. Isto aconteceu para se cumprir o que o profeta tinha dito:

Usarei parábolas quando falar com esse povo e explicarei coisas desconhecidas desde a criação do mundo. — Mateus 13.34-35 (NTLH)

Uma das parábolas mais contadas é aquela da ovelha perdida. Jesus a contou da seguinte forma:

Se algum de vocês tem cem ovelhas e perde uma, por acaso não vai procurá-la? Assim, deixa no campo as outras noventa e nove e vai procurar a ovelha perdida ata acha-la. Quando a encontra, fica muito contente e volta com ela nos ombros. Chegando à sua casa, chama os amigos e vizinhos e diz: “Alegrem-se comigo porque achei a minha ovelha perdida.” Pois eu lhes digo que assim também vai haver mais alegria no céu por um pecador que se arrepende dos seus pecados do que por noventa e nove pessoas boas que não precisam se arrepender. — Lucas 15.4-7 (NTLH)

A parábola é contada para nos dispor a receber de braços abertos não só as pessoas “bonitinhas” que gostamos, mas também os desprezados, cuja presença em nosso meio, que por motivo ou outro, nos causa aborrecimento e mal estar. Pense em apenas o nosso caso como igreja! É uma lição bem conhecida, entretanto, difícil de pôr em prática. E essa é apenas uma entre as 40 parábolas do Novo Testamento e algumas até mesmo do Antigo Testamento. Eis uma lista:

Do Novo Testamento:

  1. O bom samaritano — Lucas 10.30-37
  2. A ovelha perdida — Lucas 15.4-7
  3. A moeda perdida — Lucas 15.8-10
  4. O filho (perdido) pródigo — Lucas 15.11-32
  5. O administrador desonesto — Lucas 16.1-8
  6. O homem rico e Lázaro — Lucas 16.19-31
  7. Os servos — Lucas 17.7-10
  8. A viúva e o juiz — Lucas 18.2-5
  9. Os talentos — Lucas 19.12-27
  10. Os lavradores maus — Lucas 20.9-16
  11. A roupa nova — Lucas 5.36
  12. O vinho novo — Lucas 5.37-38
  13. Os dois alicerces — Lucas 6.47-49
  14. Os dois devedores — Lucas 7.41-43
  15. O semeador — Lucas 8.5-8
  16. A lamparina — Lucas 8.16-18
  17. Os empregados alertas — Lucas 12.35-40
  18. O amigo persistente — Lucas 11.5-8
  19. O rico sem juízo — Lucas 12.16-21
  20. O empregado fiel — Lucas 12.42-48
  21. A figueira sem figos — Lucas 13.6-9
  22. A figueira sem folhas — Lucas 21.29-31
  23. A semente de mostarda — Lucas 13.18-19
  24. O fermento — Lucas 13.20-21
  25. Os convidados para festa de casamento — Lucas 14.7-14
  26. A grande festa — Lucas 14.15-24
  27. A construção duma torre — Lucas 14.28-33
  28. O fariseu e o cobrador de impostos — Lucas 18.10-14
  29. O retorno do proprietário — Marcos 12.1-9
  30. A semente que cresce — Marcos 4.26-29
  31. O joio — Mateus 13.24-30
  32. O tesouro escondido — Mateus 13.44
  33. A pérola — Mateus 13.45-46
  34. A rede — Mateus 13.47-48
  35. O empregado mal — Mateus 18.23-24
  36. Os trabalhadores no vinhedo — Mateus 20.1-16
  37. Os dois filhos — Mateus 21.28-31
  38. A festa de casamento — Mateus 22.2-14
  39. As dez virgens — Mateus 25.1-13
  40. As ovelhas e as cabras — Mateus 25.31-36

Do Antigo Testamento:

  1. A ovelha — 2Samuel 12.1-4
  2. O vinhedo — Isaías 5.1-7

REFLEXÃO PARA DEVOCIONAL:
Para cada dia da semana escolha uma parábola. Para “decodificá-la” tente responde as seguintes perguntas:

  • Para quem a parábola foi contada?
  • Porque a parábola foi contada?
  • Qual é a moral da parábola?
  • Existe algum ponto culminante na parábola?
  • Alguma interpretação é dada na passagem para a parábola?