p10_26_09_16_solitude-sertao-copiaPor Maycon Barroco

A necessidade da solitude

Quando estamos nas nossas incursões adentro das estradas esburacadas dos interiores do sertão nordestino, conhecemos melhor a realidade da vida sertaneja, tanto na sua simplicidade quanto na sua “solitude ou solidão”. Às vezes uma casa fica a quilômetros da outra, entre elas apenas árvores secas, animais e cactos.

Certo dia, chegamos numa casa dessas e falamos: Dona Maria, cadê o café? Ela prontamente com um belo sorriso responde: Sente aqui dentro, que já está no fogo. Confesso que nunca vou me acostumar com tamanha hospitalidade desse povo, que lhe oferece sempre o melhor que tem na sua mesa.

Entro, enquanto espero o café, sento e sempre olho para fora da casa. Só vejo a poeira, ouço o silêncio e vem aquele sentimento que não conseguiria viver daquela maneira. Mas o sertão tornou-se para minha vida uma escola sobre fé, sobrevivência, hospitalidade e amor. Aquele cenário se parecia com alguma coisa.

E o que parecia ser solidão, na verdade era solitude.

Solidão é a dor de estar sozinho e a solitude é a glória de estar sozinho. Existe liberdade na solitude. Nesse lugar você não precisa da aprovação de ninguém e muito menos provar algo para ser inserido em grupos. Em boa parte, essa é a vida sertaneja.

“Solitude é um estado de coração e de mente” (Richard Foster)

A necessidade da observância

O estado de solitude é legal, mas o estado de solidão causa danos cruéis.

Chamo a sua atenção para uma observância sobre esse tema, que tem ceifado milhares de vidas de uma forma muito sutil.

A solidão é um sentimento vazio que leva o individuo para o isolamento, e do isolamento à depressão e da depressão para morte (em muitos casos através do suicídio). Nos interiores do sertão, todas as pessoas tem um conhecido ou parente que se enforcou e geralmente foi através da depressão, dentro do estado de solidão.

A necessidade da propagação do Evangelho

As famosas visitas continuam sendo a mais eficiente forma de evangelização, ao mesmo tempo nos dá a oportunidade de saber da real necessidade de cada pessoa da comunidade.

Precisamos ensinar as pessoas sobre Jesus e falarmos da sua promessa em Mateus 28:20b, quando diz: “Eis que estarei convosco todos os dias, até a consumação dos séculos, amém”.

Eles precisam ser encorajados, a viverem sua solitude, mas perceberem que não estão sozinhos, ainda que estejam a dezenas de quilômetros do próximo vizinho. Sempre vai existir um Amor que o acompanha todos os dias.

Permita que o Senhor te leve a cada casa onde mora a solidão.

• Maycon Barroco, casado com Vivian e pai de Estevão – todos missionários no sertão do Piauí, na cidade de Acauã. É diretor, missionário e fundador da base do IRIS Global no Piauí, também missionário da MAIS (Missão em Apoio à Igreja Sofredora) e coordenador de base social do Instituto Água Viva. Atualmente trabalha com outros missionários no processo de ensino de plantação de igrejas e com projetos de desenvolvimento comunitário (Saúde, Esporte, Educação, Cultura, etc.).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>