P10_12_08_16_trabalho-semelhante-escravo

Foto: Cícero O. C. Omena / Flickr

Desde o início do ano, cinquenta trabalhadores foram resgatados de situações degradantes de trabalho no município paraense de São Félix do Xingu, a 700 quilômetros de Belém, no Pará. O número é maior que o total de resgates realizados no ano passado, quando 36 trabalhadores foram retirados dessa situação, em todo o Estado.

Segundo o auditor do trabalho, José Marcelino, a esmagadora maioria é de homens, nordestinos e de baixa escolaridade. Entende-se como condição análoga à de escravo quando o trabalhador é submetido a jornadas exaustivas, sem direito a descanso e salário.

Em todos os resgates realizados em são Félix, este ano, os trabalhadores receberam os direitos trabalhistas na hora. Além de salários atrasados, tiveram a carteira de trabalho devolvida e assinada e receberam outros benefícios. Em todo o ano passado, no Pará, foram pagos mais de 150 mil reais em indenizações a trabalhadores resgatados.

Casos de trabalho análogo ao de escravo devem ser denunciados pelo Disque 100. A ligação pode ser efetuada de qualquer aparelho de telefone, inclusive orelhões. A identidade do denunciante é mantida em sigilo.

Fonte: EBC / Radio Nacional da Amazônia

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>