Missão JUVEP

A atual seca no Nordeste é uma das mais dramáticas de todos os tempos

Trabalho pelo sertão nordestino há 32 anos e já acompanhei várias estiagens e duas grandes secas: uma no início da década de 1980 e a destes últimos meses, que está sendo de longe, muito mais dramática.

No início de fevereiro fiz uma viagem pelo sertão da Paraíba e de Pernambuco. Contemplei muitas carcaças de animais pelas beiras das estradas, imagens que denunciam a gravidade de situação que abate milhões de sertanejos.

Esta é a seca mais severa dos últimos 30 ou 40 anos, dependendo da região. Na Paraíba, quase metade do rebanho bovino foi dizimado. Minha tia que mora em Arcoverde (sertão de Pernambuco) ouviu no noticiário sobre um pequeno agricultor que, tendo perdido toda lavoura e animais, atirou na cabeça das últimas cinco reses magérrimas que ainda resistiam à fome. Em seguida, atirou na própria cabeça.

Na zona rural a seca atinge uma dramaticidade aguda e agonizante, pois a ajuda governamental não chega a todos os povoados, pelo menos de forma suficiente. Isto acontece em todos os estados nordestinos, da Bahia ao Piauí. Só o Maranhão escapa, devido sua proximidade com a Amazônia.

Mães choram ao ver seus filhos beberem água contaminada, escura e fétida, mas não há outra água. Pequenos agricultores se desesperam ao ver anos de árduo trabalho consumidos pela cruel estiagem. Conversando com um líder de uma comunidade quilombola sertaneja de 130 famílias, ele disse, em lágrimas, que levarão dez anos para recuperar o que perderam. As fotos que ilustram este texto são, em sua maioria, desta comunidade.

Mas, em meio à dor e sofrimento, Deus está trabalhando. Um povoado paupérrimo e desprovido d’água recebeu de uma igreja um caminhão cheio de galões de água e outras doações. Após a distribuição, o líder local e outras pessoas da comunidade cercaram o pastor, agradeceram as doações e disseram, em meio a suas grandes carências: “apesar da nossa precisão, o próximo caminhão o senhor traga cheio de crentes, pois precisamos muito ouvir a Palavra de Deus!”.

Água suja é a única opção.

Água suja é a única opção

Por fim, conclamamos as igrejas locais do Brasil a se mobilizarem através de suas redes de igrejas denominacionais, instituições missionárias e sociais que labutam no sertão a doarem recursos que se destinem a soluções de abastecimento de às populações rurais que não recebem assistência governamental.

Pela graça de Deus, acabamos de receber a confirmação de doações de dois poços artesianos. Um foi doado pela 8ª Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte, MG, e o outro por casal da Igreja Batista do Povo em São Paulo, SP.

Pedimos orações pelo trabalho de abertura desses poços, que exigem toda uma preparação da comunidade receptora, com algumas reuniões, a necessária doação de um pedaço de terra para abertura do poço, para que o mesmo seja comunitário (e nunca venha tornar-se propriedade particular de alguém), e para que o poço seja realmente uma solução e uma bênção para todos da comunidade e não um fator de conflitos (que pode se tornar caso a comunidade local não seja devidamente preparada).

Nas regiões do sertão da Paraíba e adjacências nossas iniciativas são em parceria com a ACEV (Ação Evangélica). E em outras regiões, estamos nos juntando a outras organizações.

Embora o principal foco dessa iniciativa é a abertura de poços artesianos, pode ser que em alguma comunidade a melhor solução seja a construções de cisternas, poço amazonas, etc, o que será definido pelo diálogo dos líderes da comunidade local e por técnicos competentes, com nossa participação.

Filas de baldes a espera de água

Fila de baldes a espera de água

As igrejas e as populações pobres do sertão precisam da demonstração solidária do amor cristão do povo de Deus. Mãos e corações à obra, há muito para fazer, há muitos para amar!

Para doar
Conta especial para depósito de ações sociais. Pedimos que, após efetuar o depósito, você nos envie e-mail com cópia digitalizada do comprovante, se possível, informando-nos o valor e o(s) nome(s) do(s) doador(res):
Ministério Miss. Juventude Ev. Paraibana (Missão Juvep)
E-mail: sergiojuvep@gmail.com

CNPJ 12.720.397/0001-75
Caixa Econômica Federal
Agência 036
Operação 013
Conta Poupança 317988-3

Comprometemo-nos a enviar-lhes a prestação de contas com o relatório das doações e suas aplicações.

Em tempo:
No final do ano passado, a JUVEP lançou uma campanha para levantar recursos para combater a seca. Pela graça de Deus, já conseguimos arrecadar de igrejas e pessoas físicas mais de 30 mil reais, que foram e estão sendo empregados na distribuição de carros-pipa, mantimentos, sementes e na perfuração de poços. Esta comunidade quilombola foi beneficiada, e  também um pequeno povoado no município de Diamante, PB. (parágrafo incluído em 11/03/2013)

_________
Sérgio Ribeiro trabalha com plantio de igrejas no sertão nordestino desde 1983. É presidente e fundador da Missão JUVEP.

  1. É de cortar o coração, ver o relato deste missionário.
    Espero que muitos corações bondosos se despertem para a necessidade de ajudar estas pessoas, e que, sobretudo, o amor de Deus seja pregado a elas, resgatando-se assim, muitas almas para Cristo.
    A igreja haverá de se solidarizar com esta situação vivida por estas pessoas.
    Que Deus, em sua infinita misericórdia, abençoe a todos.

  2. FATO

    Por Fábio Guibu, Daniel Carvalho e Graciliano Rocha, na Folha:
    1. A seca que devasta lavouras e rebanhos no sertão nordestino avança sobre as áreas urbanas, provocando racionamento ou falta de água potável em 158 cidades, segundo levantamento da Folha nos nove Estados da região. Dezenas de reservatórios que abastecem as cidades entraram em colapso. Carros-pipa, que até então atendiam apenas a zona rural, são vistos agora no centro de pequenos e médios municípios. O Exército, que controla a distribuição de água em oito dos nove Estados nordestinos – além do norte de Minas Gerais- socorre cerca de 2,84 milhões de pessoas. Só o Maranhão, com uma cidade em situação de emergência, não consta da lista dos militares.

    2. Sem previsão de chuva para os próximos meses, 997 dos 1.794 municípios do Nordeste decretaram estado de emergência. A Secretaria Nacional de Defesa Civil já reconheceu 813 pedidos. Em situação de emergência, o prefeito de um município atingido pela seca recebe de maneira mais fácil recursos do governo federal.

    3. A Bahia enfrenta a situação mais grave. Das 417 prefeituras do Estado, 244 decretaram emergência. Em 57 cidades há racionamento de água para consumo humano nas áreas urbanas. O abastecimento em outros 22 municípios deverá ser reduzido ainda neste mês. “A distribuição de água nesse regime é a única forma de garantir a continuidade do serviço, até que volte a chover”, disse o presidente da Embasa (Empresa Baiana de Águas e Saneamento), Abelardo de Oliveira Filho.

    4. Em Pernambuco, 93 municípios (de 185) decretaram emergência; 20 dos 100 reservatórios monitorados pelo governo entraram em colapso. Outros 18 estão com menos de 30% da capacidade. Segundo a Compesa (Companhia Pernambucana de Saneamento), há racionamento ou deficit no fornecimento de água em 14 cidades. Em Lajedo (196 km de Recife), o agravamento da seca obriga a população a conviver com apenas dois dias de água nas torneiras e 20 sem.

    5. A cidade de Cedro (481 km de Recife) está sendo abastecida por cinco poços artesianos, mas a capacidade de produção deles representa apenas 60% do consumo. A barragem Barrinha, que atendia o município, entrou em colapso há dois meses.

    6. Na Paraíba, onde 77% dos 223 municípios estão em emergência, o nível dos reservatórios está, em média, entre 52% e 55% da capacidade. Segundo o governo do Estado, esse percentual deveria ser superior a 90% nesta época do ano. Na zona rural, a situação já é crítica: 101 municípios dependem hoje dos carros-pipa.

  3. FATO 2

    Semana passada a Presidente da República esteve na Paraíba entregando em João Pessoa 526 unidades do Minha Casa-Minha Vida. Começando pelos intermináveis “comprimentos” às autoridades que acabaram de chegar ao local junto com ela, à “nação potiguar” representada na cerimônia por meia dúzia de indígenas e o grupo folclórico Nova Geração, não se ouviu um pio sobre a seca na Paraíba. Apenas o puxa-saquismo do ministro Fernando Bezerra e as loas à transposição mítica do Rio São Francisco.

    FATO 3

    Sou mineiro e moro no Nordeste (Natal tem 11 anos). NÃO FALTA ÁGUA NO NORDESTE, vou repetir para deixar bem claro: NÃO FALTA ÁGUA NO NORDESTE.

    1. Existe água em abundância no Nordeste, tanto quanto existe a INDÚSTRIA DA SECA.

    2. NUNCA HOUVE (nos últimos 70 anos) UMA POLÍTICA PARA RESOLVER O PROBLEMA DA SECA.

    3. Estive em Israel por dois meses: O VOLUME DE ÁGUA EM ISRAEL É MENOS DA METADE DE TODA A ÁGUA QUE CAI NO NORDESTE BRASILEIRO, EXCETO UMAS POUCAS (MUITO POUCAS) REGIÕES. NÃO FALTA ÁGUA EM ISRAEL, MAS AQUI FALTA POR ABSOLUTA FALTA DE POLÍTICAS PÚBLICAS E PORQUE O POLÍTICO NORDESTINO TEM PAVOR DE QUE UMA POLÍTICA DE ÁGUA ACABE COM… A INDÚSTRIA DA SECA!

    4. Vou fazer um depósito de R$ 50,00 mas confesso que isso não vai minorar em nada.

    5. E por fim, saibam todos QUE A TRANSPOSIÇÃO DE ÁGUA DO SÃO FRANCISCO É PURA MIRAGEM. SE ALGUM DIA VIER A SER COMPLETADA, BENEFICIARÁ OS RICOS (corta extensas áreas do Ministro Fernando Bezerra, justamente aquele que deveria velar pelo Nordeste.

    6. O Nordeste tem solução, aqui se produz em abundância muita coisa; o Nordestino é um bravo, um herói. Mas o político Nordestino é o Quinto Cavaleiro do Apocalipse.

  4. Enquanto tantas denominações nadam em tanto dinheiro em caixa,do outro lado,há um povo nosso que professa o mesmo Deus a mesma fé sofrendo a miséria que nossos olhos distanciam.Se fossemos mais Cristãos esquecendo rotúlos denomicionais seríamos mais próspero e o Reino expandiria.A ganancia e orgulho tem nos separados e cegado os nossos olhos do AMOR.

  5. Ha que pena que dó me dá de vê tanta gente sofrida…
    Passei ontem no sertão do Pajeú-PE num povoado chamado Cacimbinha,a 39 km de Serra talhada,e vi uma atitude de fé do homem sertanejo,estava cavando,com ajuda de uma máquina,uma barragem,esperando a chuva prumode miorá e,que esta fé seja canalizada também para aquele que tudo pode mudar: O SENHOR JESUS.

  6. “Enquanto tantas denominações nadam em tanto dinheiro em caixa,do outro lado,há um povo nosso que professa o mesmo Deus a mesma fé sofrendo a miséria que nossos olhos distanciam.Se fossemos mais Cristãos esquecendo rotúlos [sic] denomicionais [sic] seríamos mais próspero [sic] e o Reino expandiria. [sic] A ganancia e orgulho tem nos separados e cegado os nossos olhos do AMOR.”

    Não, Oldemar!
    Vc atirou no que viu e abateu o que não viu!
    Não são as igrejas. Essas recolhem e administram dinheiro como em lhe aprouver. Direito assiste a elas.

    É o Estado. Este sim, tanto o Federal, Estadual e Municipal. O pedido de ajuda é para IGREJAS e INDIVÍDUOS (eu vou contribuir, faça o mesmo!).

    Leia os postados meus, e vc vai perceber claramente que trata-se não de um problema de dinheiro de igrejas, mas recolhimentos de impostos devidos que são sistematicamente desviados por quem deveria aplica-los.

  7. eu acho que a prefeitura da cidade tem que tomar providencia e mandar mais carro pipa para o sertao
    e as pessoas que estao passando pela dificuldade que eles estao

  8. Freddy A. Bertone

    Todos que pergunto me respondem que quase todas as cidades do Nordeste possui Igrejas , a minha pergunta é muito simples , por que não tem poço Artesiano nas mesmas , a quanto tempo estes templos religiosos estão lá será que não deu tempo para fazer , pois dinheiro tem pois as Igrejas se ajudam , gostária muito de ter uma resposta pois todas dizem que se preocupam com o bem estar dos mais necessitados e o Brasil já está 2013 anos ainda não deu tempo para isto me desculpem mas não estão trabalhando a sério! Que Deus perdou os que estão a frente das igrejas pois não estão cumprindo o que Deus pediu a eles!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>