Comentário do Editor: Este Documento Avançado de Cape Town 2010 foi escrito por Ron Green com o objetivo de oferecer um panorama do tema a ser discutido na sessão Multiplex intitulada “Criando uma História Bíblica Oral”.

Introdução 

Estamos vivendo um momento único na história! Podemos olhar para o progresso do Evangelho no passado e ver que o Senhor nos tem abençoado. Ao mesmo tempo, temos o peso e o desafio da enorme tarefa que a Igreja global enfrenta hoje. Somos lembrados da tarefa que ainda temos a cumprir entre milhares de Grupos de Povos Não Alcançados, em cujas línguas não há tradução das Escrituras. Quase metade do mundo vive na fé Hindu, Budista ou Muçulmana. E, em todos os lugares há uma necessidade de discipulado mais profundo. O reconhecimento destas necessidades críticas nos compele a concentrar nossa oração e ministério como nunca. A Grande Comissão pode parecer estar além de nossas forças.  Mas a Igreja está começando a trabalhar em conjunto, e estratégias novas e criativas estão promovendo algumas das maiores oportunidades da história.

O objetivo deste documento é atrair nossa atenção a uma necessidade bastante mensurável. Em toda a história, o alfabetismo sempre foi um privilégio reservado somente para a elite, geralmente os líderes do governo, do comércio, das forças armadas e da religião. Por vários milênios, os líderes contaram com este privilégio para controlar as massas que governavam. Nós valorizamos nossa educação e nossa capacidade de ler, e devemos mesmo fazê-lo, após tanto esforço investido. Entretanto, somos lembrados de que a maioria dos povos não alcançados do nosso mundo constitui-se principalmente de aprendizes orais, que aprendem de maneira bem diferente das pessoas alfabetizadas. Este é um momento crucial de revisarmos todos os nossos métodos e estratégias de ministério para que estejamos preparados para enfrentar este desafio com a criatividade e o coração compassivo de Deus pelos perdidos.

A Tarefa Pendente

Há dois mil anos, Jesus deu a Seus seguidores uma incumbência especial, uma ordem para que levassem o Evangelho até os confins da terra. Somos lembrados repetidamente em toda a Bíblia a respeito do coração de Deus para que toda a língua, tribo e grupo de povos ouçam as Boas Novas. Recebemos a ordem de ir e contar o Evangelho a todos e discipular aqueles que escolhem seguir a Cristo.

Há muita discussão a respeito da profundidade de nossa forma de apresentar o Evangelho e de nossas atividades de discipulado. Mas esta medida parece claramente mensurável: todos os grupos de povos, toda tribo e língua devem receber a mensagem do Evangelho. No entanto, no século 21 ainda há muitos grupos onde o Evangelho ainda não chegou. As pesquisas revelam que ainda há milhares de grupos de povos não alcançados e, aproximadamente, metade deles não está incluída no evangelismo e nos esforços no plantio de igrejas.

Hoje, aproximadamente um terço das línguas do mundo ainda aguarda o primeiro versículo das Escrituras em sua própria língua. Centenas de línguas têm apenas alguns capítulos disponíveis. Sem a Bíblia traduzida, é pouco provável que qualquer mensagem do Evangelho seja apresentada. Geralmente, não há fiéis entre as pessoas nativas ou igrejas que os multipliquem; por que, como é possível evangelizar e discipular sem a Palavra de Deus? Parece que deveria haver um nível mínimo de esforço em toda língua, tribo e grupo de povos. Dar a eles acesso a Palavra de Deus em sua própria língua e em seu próprio estilo de aprendizagem talvez seja o primeiro passo para levar o Evangelho a cada grupo de povos.

Um Desafio para a Igreja Global

Frequentemente, surge uma pergunta sobre os primeiros passos no trabalho entre os grupos de povo não alcançados. O primeiro estágio do envolvimento dos grupos de povos não alcançados se inicia com o primeiro texto da Bíblia na língua deste povo. Muitas de nossas organizações trabalham em conjunto com as agências de tradução da Bíblia. Aqueles envolvidos em tais parcerias provavelmente concordem que linguistas e tradutores da Bíblia são especialmente chamados e abençoados com a capacidade de compreender e estruturar línguas. Todos nós que possuímos uma Bíblia temos uma grande dívida com os tradutores que se sacrificaram muito para nos proporcionar acesso à Palavra de Deus. Graças à sua visão e sacrifício, a tradução da Bíblia se acelerou a um ritmo sem precedentes nas últimas décadas. Apesar de tal rapidez, somos lembrados que a maioria das línguas restantes não são documentadas e representam desafios incríveis e contínuos.

Em um mundo de especialização, é fácil olharmos para os que têm o chamado para serem tradutores como os responsáveis por esta tarefa em todo o mundo. Entretanto, se acreditarmos que o acesso à Bíblia pode ser um passo importante na evangelização do mundo, poderia ser esta uma carga que todos os fiéis deveriam levar juntos? Nosso desejo seria encorajar, honrar, orar, oferecer recursos e unir as mãos com estes servos talentosos que já estão envolvidos da tradução da Bíblia. As pesquisas nos mostram que há 2.252 grupos de línguas com população de 350 milhões de pessoas que não possuem a Bíblia em sua língua materna. Há centenas de outras línguas com acesso a apenas alguns capítulos das Escrituras. Há milhões que não têm acesso às passagens do Antigo Testamento, que podem ser essenciais para criar pontes de compreensão sobre Jesus, especialmente entre os hindus, os budistas e os muçulmanos.

O Sonho para TODA…

Se entre nós houvesse mais pessoas que “se apropriassem” da tarefa de oferecer acesso à Bíblia, e se trabalhássemos juntos em direção a algo inovador, o que poderia acontecer? Seria esta a primeira geração da história a garantir que pelo menos parte da Palavra de Deus estivesse disponível a todos os grupos de povos do planeta? Como a Grande Comissão pode ser cumprida se temos falhado em simplesmente começar o trabalho em milhares de línguas e grupos de povos? Podemos renovar nosso compromisso de iniciar em todos os grupos o esforço para a grande Comissão? Com este sonho e visão, vários ministérios iniciaram um trabalho conjunto para ver o que poderia acontecer em nossa geração. Começamos com alguns conceitos principais:

A. Todos os grupos de povos precisam ter acesso ao Evangelho

Um valor importante que permeia todos os outros valores é o que se refere a alcançar todos os povos. Isto significa que a proclamação da Palavra de Deus não será limitada pelo tamanho de um grupo, o nível de alfabetismo, nem pelo contexto político ou geográfico.

B. A Palavra de Deus na língua materna é sempre a melhor maneira de tocar o coração

A primeira língua que ouvimos nos braços de nossas mães costuma ser nossa língua materna (ou língua do coração). Tornar a Bíblia disponível nas línguas maternas dos grupos de povos não alcançados facilita o crescimento de igrejas viáveis, frutíferas, lideradas por pessoas nativas. Desejamos que a mensagem do Evangelho flua livremente no coração de cada indivíduo, e que todos tenham a oportunidade de receber, entender, responder e reproduzir o Evangelho em sua própria cultura.

C. O estilo de aprendizagem da cultura deveria ser respeitado (incluindo histórias, música, drama e arte)

Tentamos respeitar o estilo de comunicação, as preferências de aprendizado e as tradições orais de cada grupo de povos. Com milhares de línguas ainda não documentadas, é fundamental que aprendamos como essas culturas preservaram e transmitiram seus costumes, sua língua, história, música, poesia e valores por milhares de anos.  Estes “temas do coração” estão sempre embalados em um estilo de aprendizagem do coração (geralmente oral e altamente cultural). A Palavra de Deus está repleta de histórias que nos revelam o Seu caráter, o Seu plano de redenção e o Seu relacionamento de amor com o homem. A Bíblia preserva estas histórias num registro escrito, mas muitas delas foram originalmente comunicadas oralmente – durante milênios este foi o principal meio de comunicá-las.

D. A parceria estratégica é essencial com uma tarefa deste porte

Um modelo de parceria intercultural eficaz irá testemunhar a graça de Deus ao mundo e glorificará a Deus. Temos o compromisso de formar parcerias com as igrejas locais, de encorajar e facilitar seu sucesso na missão de Deus e de trabalharmos juntos para cumprir a Grande Comissão. Também acreditamos em parcerias com equipes, igrejas e agências locais para construirmos modelos sustentáveis. Às vezes, o modelo mais frutífero é uma parceria com grupos humanitários para produzir um ministério de impacto mais holístico.

E. Movimentos nacionais de relatos de histórias devem ser almejados

O resultado deste movimento é plantar e edificar igrejas locais saudáveis que respondam à singular cultura, dada por Deus, de cada grupo de povos e ainda permaneçam solidamente firmadas na Palavra de Deus. Plantar igrejas torna-se um movimento espiritual quando membros de cada igreja local plantam novas igrejas em seus próprios grupos e além deles. Como a Palavra de Deus flui livremente, cremos que vidas transformadas resultarão disso, e as histórias de Deus se multiplicarão em outros grupos de povos próximos, resultando em um movimento local de relato de histórias.

FA Bíblia Falada é um impacto inicial, e não o objetivo final

Ao oferecermos histórias bíblicas faladas, também precisamos observar que trabalhamos em parceria com os tradutores da Bíblia para proteger a integridade das Escrituras em todos os estágios de cada projeto. Consideramos as histórias concluídas e gravadas como pedras fundamentais para oferecer recursos bíblicos adicionais em cada grupo.

Sempre que possível, nosso objetivo é ver tanto a Bíblia falada como a impressa disponíveis a todos os grupos. A base disto é o texto de Deuteronômio 31 e 32, no qual Deus diz a Moisés, no final de sua vida, que ele deveria escrever as promessas e as leis de Deus e colocá-las na Arca da Aliança, para que fossem lidas a cada sete anos. Então, Deus disse a Moisés que ensinasse a Palavra de Deus ao povo através da música, para que Sua Palavra estivesse nos lábios e ouvidos de todas as pessoas. Deus chegou a dar a Moisés e a Josué a música para que ensinassem ao Seu povo.

Uma estratégia Inovadora

Em parceria com tradutores da Bíblia e plantadores de igreja, procuramos uma maneira de oferecer a Bíblia falada de uma maneira culturalmente apropriada para grupos de povos não alcançados e não incluídos, onde não houvesse a mensagem do Evangelho. Esta nova estratégia busca equipes pioneiras de duas ou três pessoas (equipes do país ou de culturas próximas) para se concentrarem em um grupo não alcançado. No período de dois ou três anos, eles têm condições de desenvolver uma série de histórias Bíblicas que cobrem as Escrituras da Criação à vida de Cristo e, depois, ao nascimento das primeiras igrejas em residências de Atos.

Geralmente, o treinamento é feito em um período de dois anos, para que estas “equipes de resposta rápida” possam ser treinadas e orientadas durante todo o projeto ministerial. No espaço de dois anos, as equipes são reunidas a cada quatro ou seis meses para várias semanas de treinamento. Os treinadores oferecem um processo passo a passo para que:

• Encontrem uma “pessoa de paz”;

• Aprofundem-se na cultura;

• Estudem o sistema de crença local (visão de mundo);

• Localizem um colaborador da língua e um contador de histórias;

• Reúnam grupos de ouvintes (grupos de histórias) para ouvir as histórias e interagir uns com os outros.

Conforme as equipes se aprofundam, elas começam a contar histórias do Antigo Testamento: a Criação, a queda do homem, Abraão, Davi, Elias e Isaías. Logo, as equipes aprendem a tecer o tema da redenção da Criação até Jesus. O treinamento ajuda as equipes na escolha das palavras e nos problemas básicos de tradução. Com o tempo, eles são treinados para desenvolver uma série de vinte ou mais histórias que cobre desde a Criação até Cristo, e o nascimento das primeiras igrejas nos lares de Atos.

Assim que um grupo de histórias é desenvolvido, algumas histórias são gravadas para que um analista possa checar sua compreensão e precisão bíblica. Após serem feitas as mudanças necessárias, toda a história é gravada como um “texto oral” das Escrituras. Estas gravações protegem a história até que o texto Bíblico escrito seja providenciado. As gravações também envolvem drama, música e outras metodologias culturais. Elas podem ser amplamente distribuídas, de acordo com a estratégia de plantio de igrejas.

O Processo

Os novos recrutas são ensinados a trabalhar as histórias bíblicas para que sejam contadas oralmente com facilidade. Um contador de histórias local é recrutado para ajudar a fazer a conexão com o grupo da língua alvo. Grupos pequenos são formados. As gravações são checadas por um consultor externo que testa a precisão e a compreensão, para que sirvam como “texto oral.” Após serem aprovadas, as gravações são compartilhadas em casas e pequenos grupos, e até transmitidas por equipamento digital para semear à distância (rádio em alguns locais).

As séries de histórias contém 20 ou mais histórias bíblicas da criação à volta de Cristo (Antigo Testamento, os Evangelhos e Atos).

Resultados Desejados

• Uma primeira geração de contadores de histórias compartilhando as histórias na língua local;

•Formação de pequenos grupos de histórias;

• Gravações das histórias aprovadas pelos analistas como “Texto Oral”;

• Equipamento digital para semear à distância (rádio em alguns locais);

• Séries de histórias bíblicas da Criação à volta de Cristo (Antigo Testamento, os Evangelhos e Atos);

• Novos convertidos;

• Igrejas nos lares e multiplicação.

Testemunhos de Campo

“Quando os missionários ocidentais trouxeram o evangelho a nosso país há 100 anos, eles provavelmente o compartilharam como o aprenderam. Se tivessem parado para perguntar ao nosso povo como compartilhar a mensagem mais importante de todos os tempos, teriam aprendido que todas as nossas informações mais valiosas (história, cultura, valores, crenças e até a lei) estão contidas em histórias e canções. Geralmente, era a propaganda do governo que estava impressa, portanto, infelizmente, a Bíblia foi vista como propaganda estrangeira.

“Participando deste treinamento, eu pensei: ‘Finalmente esta é a maneira pela qual o evangelho deveria ter sido compartilhado em meu país. ’ Esta é a Palavra de Deus em sua forma mais pura, falada ou cantada naturalmente na língua local. Por que não compartilhar a mais preciosa história de todos os tempos de uma maneira que se multiplique tão rapidamente!! Aqui as pessoas levam sete ou oito anos e utilizam diversos métodos para levar alguém a Cristo. Mas com as histórias bíblicas, estamos vendo decisões e discipulado num período de dois anos! Tão simples, mas tão eficaz…”

Líder nacional em um país fechado do Oriente Médio

 “Depois de uma semana no treinamento, nesta manhã, acordei cedo com um sonho perturbador que tocou meu coração. No sonho, eu estava rodeado de árvores frutíferas cheias de frutos maduros; tão maduros, que caíam das árvores diretamente em nossos cestos. Estávamos muito animados com a colheita, até que olhei para meu cesto e vi todos os frutos atravessando o cesto e caindo apodrecidos no chão. Deus falou ao meu coração dizendo que nossos cestos estavam partidos, e que Ele havia me revelado naquela semana como consertá-los.

“Durante anos, diante do nosso fraco discipulado com as pessoas, culpamos o fato de que elas não se importavam o suficiente para seguir a Jesus. E se estivéssemos errados? E se não estivéssemos comunicando ao coração delas de uma maneira que pudessem aprender e reproduzir? Não podemos perder a colheita de Deus! Por favor, voltem e nos ajudem a consertar nossos cestos, dando àquelas pessoas a Palavra de Deus da forma como os africanos aprendem melhor: através de histórias!”

George – Líder Missionário da África Ocidental

“Meu marido e eu somos líderes da nossa organização aqui na Ásia Oriental. Além disso, também estamos envolvidos diretamente no trabalho entre os grupos de povos não alcançados. Durante os últimos dois anos, tentamos todas as estratégias que conhecíamos para alcançar este grupo, mas a tarefa é praticamente impossível sem a Bíblia, sem o filme ‘Jesus’, e sem fiéis que falem esta língua. Participamos do treinamento com pouca confiança de que funcionaria, mas estávamos desesperados por uma mudança. Após o treinamento inicial, voltamos ao nosso grupo não alcançado e começamos a usar esta estratégia de histórias bíblicas. Formamos um pequeno grupo e começamos a desenvolver as primeiras histórias com eles. Você não pode imaginar minha surpresa quando vimos 15 pessoas receberem a Cristo. Estes foram nossos primeiros convertidos. Isto aconteceu durante os primeiros meses de uso desta estratégia. Hoje, estamos vendo o poder da Palavra de Deus compartilhada de forma cultural na língua local, e o resultado é incrível.”

Yun – Ásia Oriental

Reflexões Finais

Apenas nos últimos seis anos, ministérios parceiros têm trabalhado juntos e visto mais de 200 grupos não alcançados em mais de 40 países ouvirem a Palavra de Deus em sua própria língua e estilo de aprendizagem. Centenas de pequenos grupos de ouvintes e milhares de novos convertidos estão seguindo a Cristo porque agora têm acesso à Sua Palavra (em sua própria língua e no estilo de aprendizagem de sua cultura)!

Sonhamos com o dia em que toda a língua, tribo e grupos de povos terão acesso ao Evangelho, e sonhamos que aconteça em nossa geração! Podemos sonhar, e planejar, e orar, e trabalhar juntos para que isto aconteça ainda nesta década? Até lá, eles ainda estão esperando… 350 milhões de pessoas esperando que comecemos a Grande Comissão onde eles vivem. Achamos que eles já esperaram demais!

Author: Ron Green

Date: 20.08.2010
Category: Orality

© The Lausanne Movement 2010

Português Translation by: LGC_Translation