O poder do “não poder”

O poder do “não poder”

SÉRIE REVISTA ULTIMATO
Artigo: A arte do não poder, por Rubem Amorese

Texto básico: Marcos 4. 35-41

Textos de apoio
– Deuteronômio 8. 10-18
– Salmo 91
– Isaías 12. 1-2
– Mateus 14. 22-33
– João 15. 4-5
– 2 Coríntios 11.30 – 12.10

Introdução

As situações que nos colocam diante da experiência do “não controle” são desconfortáveis. Não gostamos delas. Queremos evitá-las. Mas elas são inevitáveis! Elas fazem….

Para ler o estudo bíblico na íntegra, acesse a edição 362 da revista Ultimato.

Print Friendly, PDF & Email

2 Comentários para “O poder do “não poder””

  1. Divar Heckert Barbosa Jùnior 10 de novembro de 2016 at 18:39 #

    Sobre as frases do texto: “De modo que a obediência da criança ou a honra ao pai e à mãe estão tratando de questão de poder”. E mais abaixo: “Parece mais fácil ser Deus do que amar a Deus; mais fácil controlar as pessoas do que amar as pessoas; mais fácil possuir a vida do que amar a vida.
    Meu comentário: Nas relações de poder entre pais e filhos, o poder pode ser exercido com ou sem amor; com ou sem violência; com ou sem justiça; com ou sem explicação do porque o poder está sendo aplicado para disciplina.
    Considerando que a imagem que temos de Deus é formada, principalmente a partir da figura paterna, não admira que tenhamos medo de Deus; que tenhamos dificuldade em amar a Deus. Essa aplicação arbitrária do poder é confirmada pelo ensino da igreja que dá mais ênfase a nosso pecado e às punições decorridas dele do que à graça e o amor de Deus.
    Com isso espero ter respondido a todas as perguntas do final do texto que gostei, mas considerei incompleto pelas razões acima..

    • Wandeirleis Santana 31 de outubro de 2018 at 12:40 #

      E verdade !!! Eu creio que Cristo veio a mim depois de um encontro com um irmão da igreja onde eu vim compreender a gravidade da vida ou precisadamente melhor falando no nosso mundo atual mas infelizmente existe um ponto cego bem notório que somos nós mesmos que temos uma viga no nosso olhos ? Alias não compreendemos a gravidade .

Deixe um comentário