Elias, um homem poderoso na oração

Elias, um homem poderoso na oração

 

Texto básico: 1 Reis 18.41-46

Texto devocional: Tiago 5.12-20

Versículo-chave:
“Ó Senhor, Deus de Abraão, de Isaque e de Israel, fique, hoje, sabido que tu és Deus em Israel, e que eu sou teu servo e que, segundo a tua palavra, fiz todas estas coisas” (1 Reis 18.36).

Alvo da lição:
Mostrar que a oração é tão importante para os nossos dias como fora para os dias dos profetas e que é por meio dela que chegamos à presença do Pai.

Leitura diária:
seg 2Cr 7.1-22
ter Ne 1.1-11
qua At 4.23-31
qui Dn 9.1-19
sex Mt 7.7-12
sáb Ef 3.14-21
dom Tg 5.12-20

 

Introdução

Quais são os motivos que têm levado o nosso povo para os cultos de oração em nossas igrejas? Com a devida permissão, gostaria de relacionar alguns pedidos de oração que têm chegado até mim, para interceder por eles.

— Peço oração pelo (…) que está necessitando de uma cirurgia e também por mim, para que eu tenha uma vida cada vez mais consagrada ao Senhor. E, ainda, pelo crescimento espiritual de toda minha família.

— Peço oração especial por minha vida e por minha filha (…), para que estejamos mais firmes na fé e para que tenhamos forças espirituais. Para que Deus me dê sabedoria nos atos e palavras, humildade e paciência, para que eu possa educá-la da melhor maneira possível.

— Peço oração para que o Senhor abençoe a (…), para que ela encontre paz no seu lar e entre a sua família e para que ela possa encontrar uma nova casa para mudar até outubro. Quero agradecer a Deus pela bolsa de estudo que o Senhor concedeu a (…), impedindo-a de trancar a matrícula na faculdade.

Para compreendermos a amplitude e relevância do tema oração, se faz necessário responder a algumas questões preliminares.

1. O que é orar?

É falar com Deus. “É declarar lealdade a uma realidade espiritual que está acima e além do terreno humano, do auto esforço e do controle”.

2. Já aprendemos a orar como convém?

A Bíblia diz que o Espírito Santo intercede por nós (ora por nós), porque ainda não sabemos orar como convém (Rm 8.26). Nossa primeira oração precisa simplesmente dizer a Deus. “Oh, Deus, ajuda-me a orar, porque não sei orar por mim mesmo”.

3. Toda oração é sincera?

A oração pode ser idólatra, como a adoração de falsos deuses. Por exemplo, os profetas de Baal. Portanto, quando falamos em oração, precisamos qualificar o que queremos dizer, ligando-a ao caráter do próprio Deus (1Cr 9.17).

A título de melhor compreensão da vida e ministério de oração do profeta Elias, destaco quatro aspectos interessantes.

I. Elias manda o rei Acabe comer (1Rs 18.41)

• O convite feito a Acabe tinha como motivo celebrar com comida e bebida o fim daquele período de três anos e meio de seca e fome.

• A chuva já vinha à distância, rugindo com grande força. A palavra hebraica usada aqui é a que expressa pesadas chuvas sazonais (Ed 10.9).

• A chuva que estava para cair foi a prova final de que o Senhor era o Deus de Israel. Ele tinha respondido à petição de Seu profeta (1Rs 17.24).

II. Elias se retira para orar (1Rs 18.42)

Dois detalhes nos chamam a atenção na oração do profeta do Senhor.

• Um lugar estranho
Enquanto o rei Acabe comeu e expressou a sua alegria, Elias subiu para o topo do monte Carmelo (1 Rs 18.42). Faz-nos lembrar como Moisés tinha o hábito de falar com Deus no topo do monte Sinai (Êx 31.18 e 32.1) e como Jesus gostava de subir ao monte das Oliveiras para Seus momentos a sós com Deus ( Jo 8.1 e Mc 1.35).

Aplicação — Qual é o seu lugar preferido para oração? A igreja, sua casa ou um lugar deserto onde você possa abrir o seu coração e derramar a sua alma perante o Senhor?

• Uma postura estranha
Encurvado para a terra, meteu o rosto entre os joelhos. “Ele se ajoelhou e então se inclinou com a cabeça em terra, de tal modo que, enquanto seu rosto estava entre os joelhos, sua testa tocava o solo” (Adam Clark). Tal postura provava a intensidade de seu espírito de oração e devoção a Deus (Js 7.6-11; Tg 5.17-18).

III. Elias enviou seu servo a espiar (1Rs 18.43)

Depois de orar fervorosamente, Elias esperava ansiosamente pela resposta de sua oração (uma espécie de indicação de que seria respondida).

Por isso, ele pediu ao seu servo que fosse e olhasse na direção do mar Mediterrâneo, em busca de algum sinal de chuva. O rapaz foi e nada viu. Elias o enviou por sete vezes, mas mesmo na sexta vez ele nada viu. “Quão humana é essa cena. Continuamos buscando e esperando sinais e indicações que nos digam se as nossas orações foram ouvidas e respondidas” (George Croly).

A oração de Elias continuava sem resposta. Contudo, ele não desistiu. Ele se mostrou persistente em sua oração, aceitando plenamente as condições demonstradas em Tiago 5.16, que diz: “Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo” e Tiagou 5.17: “E orou, com instância”. As respostas às nossas orações são dadas no tempo de Deus e não no nosso. A nós, só nos cabe esperar.

IV. Elias experimenta as bênçãos da chuva (1Rs 18.44-46)

A oração repetida e o sétimo exame revelaram a existência de uma pequena nuvem. E a pequena nuvem produziu uma poderosa chuva. Era a graça interventora de Deus (1Rs 18.44). Deus pode transformar pequenas coisas em grandes bênçãos.

Um milagre constante. Tão cheio de poder estava Elias, da parte de Deus, tão aumentadas tinham sido as suas forças físicas, que ele pôde ultrapassar Acabe até Jezreel. Elias, o homem de Deus, foi capaz de correr mais do que os cavalos, naquela maratona de 32 quilômetros. Que surpresa para Acabe, Elias chegou na frente (1Rs 18.46).

Qual o motivo da corrida de Elias para aquela cidade?

1. Elias estava transbordante de alegria. Ele obteve uma grande resposta à sua oração. Quando obtemos uma grande resposta às nossas orações, sentimos que podemos saltar até muralhas (Êx 15.1-2).

2. Ele foi até Jezreel para anunciar como o Senhor tinha feito grandes coisas (Sl 126.1-3). Ele era um mensageiro da alegria.

Conclusão

Uma grande lição que fica para todos nós que amamos ao Senhor e gostamos de falar com Ele por meio da oração é que “há uma força divinamente concedida e um suprimento para aqueles que oram. Grandes vitórias nos são outorgadas, ocasionalmente. E esses são dias gloriosos”.

Elias nos ensina que a oração se tornou um exercício diário para manter uma vida de transparência diante de Deus, o contrário do que se vê em nossos dias. Vivemos numa época em que a oração se tornou um exercício obrigatório de cerimônias vazias e de palavras sem sentido (1Rs 17.21-22 e 24).

Aplicação — “Ter verdadeira comunicação com Deus envolve mais do que proferir palavras, mesmo quando são as belas palavras do Livro de Oração. Isso é assim, porque a verdadeira comunicação envolve dar e receber de ambas as partes, para que elas se sintonizem uma à outra”.

Autor da lição: Pr. Vanderli Alves Neto
>> Estudo publicado originalmente pela Editora Cristã Evangélica, na revista “Elias e Eliseu, homens de ação”, da série Adultos. Usado com permissão.

Print Friendly, PDF & Email

18 Comentários para “Elias, um homem poderoso na oração”

    Error thrown

    Call to undefined function ereg()