O líder e o planejamento

O LÍDER E O PLANEJAMENTO

 

Texto básico: Neemias 2.1-18

Texto devocional: Salmo 37.3-7

Versículo-chave
“De noite saí pela Porta do Vale, para a banda da Fonte do Dragão, e para a Porta do Monturo e contemplei os muros de Jerusalém, que estavam assolados, cujas portas tinham sido consumidas pelo fogo” (Ne 2.13).

Alvo da lição
Mostrar que um bom planejamento favorece o trabalho na igreja.

Para sua meditação diária
Segunda: Pv 16.1-9
Terça: Pv 16.10-24
Quarta: Pv 16.25-33
Quinta: Tg 3.13-18
Sexta: Tg 4.13-17
Sábado: Mt 10.5-15
Domingo: Mt 25.14-30

 

Introdução

Conta-se a história de um crente que lendo sobre o poder de Deus decidiu provar esse poder saltando sem paraquedas de um avião, na “certeza” de que Deus, por amá-lo, o salvaria antes que atingisse o chão.

Reuniu toda a igreja para a ocasião, tomou o avião e quando alcançou grande altitude… saltou! En­quanto caía em queda livre, os irmãos em baixo acentuavam seu clamor a Deus, percebendo que o “confiante saltador” aproximava-se rapidamente do chão. Alguns instantes depois, o irmão atingiu o objetivo errado! Não planejou bem o seu salto, e Deus não o livrou! Quebrou-se todo e morreu!

Todo líder precisa ser um sonhador! Às vezes deve ficar parado, imaginando o término de uma reforma no templo, ou os desafios da abertura de novos trabalhos, ou o resultado de uma programa­ção evangelística… Enfim, na impossibilidade, ter a certeza que Deus pode tudo!

Fazer a obra do Senhor exige riscos! Deus não nos chama a saltar de avião sem paraquedas, mas quan­do nos vocaciona para a obra requer que corramos riscos! “É arriscado servir ao Senhor!” O que pre­cisamos é ter certeza da aprovação de Deus no que planejarmos, mas não como na história.

Nota ao professor:

Para o desenvolvimento desta lição, a classe pode escolher um projeto no qual a igreja esteja envolvida, e seguir completando os passos. Vamos planejar juntos! O professor pode entregar papel e lápis para os alunos.

 

I – PLANEJAR ENVOLVE ENFRENTAR O IMPOSSÍVEL

Desde o primeiro versículo do primeiro capítulo até o primeiro versículo do se­gundo capítulo do livro de Neemias já haviam se passado quatro meses (“mês de quisleu” = novembro/dezembro e “mês de nisã” = março/abril) e Neemias continuava à espera da resposta às suas orações (1.11).

Mesmo cumprindo suas obrigações perante o rei, Neemias ainda trazia no semblante as marcas de alguém envolvi­do com a causa de Deus. Daí “Disse-me o rei: Que me pedes agora? Então orei ao Deus dos céus.”

E agora? Como agir? Que falar ou fazer? O que Neemias queria (1.11) aconte­ceu! A sua oração rápida (v.4) somente teve validade porque ele já estava total­mente envolvido na obra, e seu pedido ao rei o comprometia ainda mais.

O rei, que antes havia impedido a re­construção (Ed 4.21), era o obstáculo a ser solucionado. “Que me pedes ago­ra?” era a oportunidade de enfrentar o impossível, mas porque Deus já havia preparado o momento.

>> Observando o objetivo que você escolheu, quais os “impossíveis” que precisam ser enfrentados? Como deve ser seu envolvimento nesse desafio?

 

II – PLANEJAR ENVOLVE PREVER AS NECESSIDADES (v.7-10)

Antecipando-se às necessidades Nee­mias precisava de:

1. cartas para os govenadores (v.7) – permissão para transitar.
2. carta para Asafe, guarda das matas (v.8) – material para o trabalho.
3. oficiais do exército (v.9) – seguran­ça e credenciamento.

Kidner diz: “Se ficamos impressio­nados com o realismo e a coragem destes pedidos, o rei também ficou. Qualquer atitude vaga a esta altura teria demonstrado que o projeto era um mero sonho ou impulso repenti­no; Neemias, porém, orara por tempo suficiente (v.1), e tivera fé suficiente, para visualizar a operação com bas­tante detalhe, até mesmo a técnica de construção que empregaria no muro (Ed 5.8). Mas o fator decisivo, conforme reconhecia, não era sua fé, mas, sim, o objetivo dela: O Deus que era seu Deus, cuja boa mão estava sobre ele.”

>> Ainda dentro de nosso trabalho, alis­te as necessidades para se alcançar o objetivo pretendido. Escreva ao lado o que está sendo feito para suprir estas necessidades.

 

III – PLANEJAR ENVOLVE FAZER UM LEVANTAMENTO CAUTELOSO DA SITUAÇÃO (v.11-16)

Sempre que fizermos a obra do Se­nhor, precisamos ter em mente que não a estamos fazendo para nossa glória (Cl 3.23). O nosso mandato vem do Senhor! A obra é Dele! A glória é para Ele! De acordo com Sua vontade!

Embora o coração de Neemias espe­rasse tanto por aquela oportunidade de estar em Jerusalém, devemos destacar seu procedimento cauteloso.

1. Não se precipitou para a ação nem para a conversa (v.11-12).
2. Buscou mais informações sobre a situação local (v.13-15).
3. Aguardou o momento certo para agir (v.15).
4. Não expôs ideias semiformadas, aos pedaços (v.16).
5. Impediu que os inimigos soubes­sem dos planos e preservou o des­pertamento dos líderes locais (v.16).

>> Tem sido esse seu procedimento diante do projeto da igreja que está sendo analisado? Como deve ser sua atitude a partir de agora?

 

IV – PLANEJAR ENVOLVE MOTIVAR O POVO (v.17-18)

Quando queremos agradar ao Senhor com nossas atitudes e projetos, muitas vezes precisamos passar primeiro por uma avaliação de nossa atual situação.

A afirmação “deixemos de ser opróbrio” era um reconhecimento duro de se fazer, mas a realidade saltava aos olhos: “Estais vendo a miséria em que estamos, Jerusalém assolada, e as suas portas quei­madas a fogo” (v.17).

Mas essas palavras não eram o “golpe de misericórdia” no povo. “Vinde, pois, reedifiquemos os muros de Jerusalém” é que era o desafio! Neemias estava convicto de que Deus agia em favor da obra: primeiro declara “como a boa mão do meu Deus estivera comigo”, e somente depois vêm “as palavras que o rei me falara”.

“Disponhamo-nos, e edifiquemos. E forta­leceram as mãos para a boa obra.” (v.18)

O povo estava motivado! “Mas na realidade uma resposta tão completa de semelhante grupo era tão milagrosa como a de Artaxerxes.”

>> E então? Você já está motivado para colocar o plano em ação? Compartilhe seus sentimentos com os irmãos.

 

Reflexão

Todo alvo na igreja, e até mesmo em nossa vida particular, primeiro pas­sa pela aprovação do Senhor, para, depois, termos sucesso em nosso planejamento.

Para refletir.

1. A liderança da igreja tem se envol­vido em grandes desafios aprovados por Deus?
2. Tenho ouvido esses desafios e res­pondido como o povo: “Disponhamo-nos e edifiquemos?”

Autor da lição: Pr. Geraldo Henrique de Andrade Santos
>> Estudo publicado originalmente pela Editora Cristã Evangélica, na revista “Esdras e Neemias – uma perspectiva de liderança”. Usado com permissão.

 

Print Friendly, PDF & Email

15 Comentários para “O líder e o planejamento”

    Error thrown

    Call to undefined function ereg()