O sopro do Espírito

segunda-feira
segunda-feira

Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, estes são filhos de Deus. (Rm 8.14)

Cerca de 600 anos antes de Cristo, o profeta Habacuque, muito provavelmente contemporâneo de Jeremias, fez esta famosa oração: “Aviva a tua obra, ó Senhor, no decorrer dos anos, e, no decurso dos anos, faze-a conhecida” (Hc 3.2).

Avivamento é isto, o sopro soberano de Deus para remover a poeira que se acumula no decurso dos anos, no período de tempo compreendido entre o último avivamento e o momento atual. Não importa a quantidade e a qualidade da poeira. É uma obra de Deus, periódica e poderosa. O avivamento recoloca a igreja em seu primeiro amor, produz convicção de pecado, santifica e movimenta a igreja. Desperta o gosto e a disciplina das práticas devocionais, tais como a leitura proveitosa da Bíblia e a oração. O avivamento leva a igreja a redescobrir a pessoa e a obra do Espírito Santo, para dele se servir outra vez, como nos dias dos apóstolos.

Mesmo tendo um teor místico muito acentuado, avivamento é muito mais que misticismo. É o motor de coisas novas, de realizações extraordinárias e de certa duração, na área de educação religiosa, na área de evangelização e missões, na área de socorro ao sofrimento humano. Forçosamente o avivamento sempre gera preocupação com os não alcançados pela pregação do evangelho, com os não salvos pela graça de Deus e com os moralmente marginalizados (os publicanos e meretrizes de ontem e de hoje). A história dos avivamentos mostra que este sopro especial do Espírito induz os crentes a fazer obras de caridade e a levantar a sua voz contra a injustiça social, seja ela qual for e custe o preço que custar. 

 

>> Retirado de Cuide das Raízes, Espere pelos Frutos, [Elben César]. Editora Ultimato.

Ouça as nossas devocionais pelo Spotify!

 

Print Friendly, PDF & Email

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário