Uma busca contínua

quarta-feira

Pois sustentamos que o homem é justificado pela fé, independente da obediência à Lei. (Romanos 3.28)

As pessoas não são justificadas nem recebem vida e salvação em função de algo que fizeram. Pelo contrário, a única razão para elas receberem vida e salvação é a graça de Deus por intermédio de Cristo. Não há outro caminho.

Muitos cristãos estão cansados de sempre ouvirem esse ensinamento. Eles acreditam tê-lo aprendido há muito tempo. Contudo, mal entendem quão importante ele realmente é. Se ele continuar a ser ensinado como verdade, a igreja cristã permanecerá unida e pura – livre de decadência. Somente essa verdade faz e sustenta o cristianismo. Você pode ouvir cristãos imaturos se vangloriarem de quão bem sabem que somos justificados por meio da graça de Deus, e não por meio de qualquer coisa que façamos para obtê-la. Mas, se eles continuarem e disserem que esta verdade é fácil de colocar em prática, então não tenha dúvida de que eles não sabem o que estão falando e, provavelmente, nunca saberão. Nunca seremos capazes de aprender essa verdade por completo nem podemos nos vangloriar de que a compreendemos totalmente. Aprender essa verdade é uma arte. Sempre continuaremos sendo aprendizes, e ela sempre será a nossa mestra.

As pessoas que realmente entendem que são justificadas pela fé e colocam isso em prática não se vangloriam de terem dominado essa verdade a fundo. Pelo contrário, pensam nela como um sabor ou aroma agradável que estão sempre buscando. Essas pessoas ficam perplexas por não poderem compreendê-la tanto quanto gostariam. Elas sentem fome e sede dela. Elas anseiam por ela cada vez mais. Elas nunca se cansam de ouvir sobre essa verdade. De forma semelhante, Paulo admite em Filipenses 3.12 que ele ainda não alcançou seu alvo. Em Mateus 5.6, Cristo diz que aqueles que têm fome e sede de justiça são abençoados.

>> Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato.

Ouça as nossas devocionais pelo Spotify!

Print Friendly, PDF & Email

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário