Blog

A Encíclica Papal Laudato Sì

A nova Encíclica Papal Laudato Sì («Louvado sejas»), comunicada na semana passada, no dia 18 de junho, é uma contribuição muito importante não só para católicos romanos e até mesmo para todos os cristãos, mas é dirijida e relevante para pessoas de qualquer religião, a comunidade científica e todas as organizações governamentais,  todos os que vivem debaixo do mesmo teto… este teto que denominamos “Planeta Terra”. Aliás, o Papa Francisco toma o devido cuidado de convidar todos a refletir e se engajar novamente em um debate, justamente por causa da importantíssima reunião das Nações Unidas em dezembro de 2015 para negociar ações concretas a nível mundial. Claro que  já aconteceram muitos debates nas últimas décadas em escolas, governos, indústrias e insitituições religiosas em todos os níveis, e assim, este é mais um entre muitos a nível mundial. E é justamente porque as ações em cooperação entre os países, especialmente os mais ricos, ainda estão muito aquém de deter a deterioração do meio ambiente, que o papa vem com um apelo tão forte.

Trata-se de 191 páginas bem elaboradas de apelo, reflexão e propostas, e por isso mesmo prefiro me abster de uma análise mais detalhada, pois a minha própria conclusão é que o documento merece primeiro sua própria leitura e estudo demorados. Apenas reparo a sequência das suas ideias… Mais >

O maior congresso!

Prezado Teófilo,

No primeiro livro que escrevi, contei tudo o que Jesus fez e ensinou, desde o começo do seu trabalho  até o dia em que ele foi levado para o céu. Antes de ir para o céu, ele deu ordens, pelo poder do Espírito Santo, aos homens que ele havia escolhido como apóstolos.  Depois da sua morte, Jesus apareceu a eles de muitas maneiras, durante quarenta dias, provando, sem deixar dúvida nenhuma, que estava vivo. Os apóstolos viram Jesus, e ele conversava com eles a respeito do Reino de Deus.


Atos 1.1-3 (NTLH)

Há cinco anos escrevo pequenas reflexões bíblicas do estilo mais devocional. Primeiro, em 2010, usei como base a Carta aos Romanos. Depois, em 2011 escrevi sobre o Livro de Jó e nos anos 2012 até 2014, o Evangelho segundo Lucas. Achei que havia encerrado, mas alguns amigos tem me encorajado a continuar. Nos últimos meses tenho pensado sobre isto e resolvi dar continuidade aos estudos no Evangelho de Lucas com uma nova série de reflexões no Livro de Atos. Por que Atos? Parte da resposta é óbvia: o Livro de Atos é a continuação do Evangelho de Lucas. Lucas escreveu o seu Evangelho para relatar a história  de Jesus e sua significância, culminando com a promessa da vinda do Espírito Santo.  Escreveu Atos para relatar como esta promessa se cumpriu na vida da igreja. Mas há pelo menos mais dois motivos… Mais >

7CBM – Terceiro Estudo de Chris Wright

No seu terceiro estudo, o tema do Wright foi “Espalhando o nome de Deus”. Citou 1 Reis 8.22-30, 41-43, 56-61…

Pôs-se Salomão diante do altar do Senhor, na presença de toda a congregação de Israel; e estendeu as mãos para os céus e disse: Ó Senhor, Deus de Israel, não há Deus como tu, em cima nos céus nem embaixo na terra, como tu que guardas a aliança e a misericórdia a teus servos que de todo o coração andam diante de ti; que cumpriste para com teu servo Davi, meu pai, o que lhe prometeste; pessoalmente o disseste e pelo teu poder o cumpriste, como hoje se vê. Agora, pois, ó Senhor, Deus de Israel, faze a teu servo Davi, meu pai, o que lhe declaraste, dizendo: Não te faltará sucessor diante de mim, que se assente no trono de Israel, contanto que teus filhos guardem o seu caminho, para andarem diante de mim como tu andaste. Agora também, ó Deus de Israel, cumpra- se a tua palavra que disseste a teu servo Davi, meu pai.

Mas, de fato, habitaria Deus na terra? Eis que os céus e até o céu dos céus não te podem conter, quanto menos esta casa que eu edifiquei. Atenta, pois, para a oração de teu servo e para a sua súplica, ó Senhor, meu Deus, para ouvires o clamor e a oração que faz, hoje, o teu servo diante de ti. Para que os teus olhos estejam abertos noite e dia sobre esta casa, sobre este lugar, do qual disseste: O meu nome estará ali; para ouvires a oração que o teu servo fizer neste lugar. Ouve, pois, a súplica do teu servo e do teu povo de Israel, quando orarem neste lugar; ouve no céu, lugar da tua habitação; ouve e perdoa. –vv. 22-30

Também ao estrangeiro, que não for do teu povo de Israel, porém vier de terras remotas, por amor do teu nome (porque ouvirão do teu grande nome, e da tua mão poderosa, e do teu braço estendido), e orar, voltado para esta casa, ouve tu nos céus, lugar da tua habitação, e faze tudo o que o estrangeiro te pedir, a fim de que todos os povos da terra conheçam o teu nome, para te temerem como o teu povo de Israel e para saberem que esta casa, que eu edifiquei, é chamada pelo teu nome. – vv. 41-43

Bendito seja o Senhor, que deu repouso ao seu povo de Israel, segundo tudo o que prometera; nem uma só palavra falhou de todas as suas boas promessas, feitas por intermédio de Moisés, seu servo. O Senhor, nosso Deus, seja conosco, assim como foi com nossos pais; não nos desampare e não nos deixe; a fim de que a si incline o nosso coração, para andarmos em todos os seus caminhos e guardarmos os seus mandamentos, e os seus estatutos, e os seus juízos, que ordenou a nossos pais. Que estas minhas palavras, com que supliquei perante o Senhor, estejam presentes, diante do Senhor, nosso Deus, de dia e de noite, para que faça ele justiça ao seu servo e ao seu povo de Israel, segundo cada dia o exigir, para que todos os povos da terra saibam que o Senhor é Deus e que não há outro. Seja perfeito o vosso coração para com o Senhor, nosso Deus, para andardes nos seus estatutos e guardardes os seus mandamentos, como hoje o fazeis. – vv. 56-61

Mais >

7CBM – Segundo Estudo de Chris Wright

O segundo estudo se intitulou “Chamando o povo de Deus” e se baseou em Êxodo 19.1-6:

No terceiro mês da saída dos filhos de Israel da terra do Egito, no primeiro dia desse mês, vieram ao deserto do Sinai. Tendo partido de Refidim, vieram ao deserto do Sinai, no qual se acamparam; ali, pois, se acampou Israel em frente do monte. Subiu Moisés a Deus, e do monte o Senhor o chamou e lhe disse: Assim falarás à casa de Jacó e anunciarás aos filhos de Israel: Tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águia e vos cheguei a mim. Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é minha; vós me sereis reino de sacerdotes e nação santa. São estas as palavras que falarás aos filhos de Israel.

Nesta passagem, conforme Chris Wright, Deus aponta em três direções: para o passado (graça), para o futuro (visão), e para o presente (obediência). Mais >

7CBM – Primeiro Estudo de Chris Wright

10479353_1005491492811107_432276755984324978_oUm dos destaques do Sétimo Congresso Brasileiro de Missões, realizado nesta semana em Águas de Lindóia, era a participação do britânico, Chris Wright, para trazer as reflexões bíblicas. Foram quatro as reflexões, com em Gênesis 18.1-21; Êxodo 19.1-6; 1 Reis 8.22-30, 41-43, 56-61; e Mateus 28.16-20, um total de cerca de quatro horas de estudo.

Aqui queremos apenas resumir cada um dos quatro estudos para aqueles que não estavam. Quem sabe aqueles que estavam presentes e queiram acrescentar algum outro destaque, podem fazê-lo por meio dos comentários a este post. Mais >

Terceiro dia do 7 CBM

Desde o início deste Sétimo Congresso Brasileiro de MIssões aqui em Águas de Lindoia, eu e a Marta temos reencontrado dezenas e dezenas de amigos engajados em ministério do mundo inteiro: ex-alunos trabalhando na Espanha, na África do Sul, na Europa, no Sul da Ásia, diversos países do mundo muçulmano e espalhados pela Ámerica do Sul e do Norte… simplesmente espantoso. Além destes e para sentirmos um pouquinho mais avançados na idade, estamos conhecendo filhos (já adultos e ou se preparando para o trabalho missionário ou já engajados) de ex-alunos do seminário e de centros de treinamento missionário… e ainda pessoas com quem nem sabíamos que tinha contato. Mais >

Segundo dia do 7 CBM

Começamos o segundo dia do Congresso ouvindo o britânico Chris Wright, teólogo e articulador da importante Declaração de Lausanne na Cidade do Cabo. Falou: “sem a coerência da vida cristã (retidão e justiça), a missão do povo de Deus é prejudicado”.

Agora está falando o Dr. Carlos Del Pino, nosso ex-aluno de mestrado e hoje coordenador do trabalho missionário da Igreja Presbiteriana na Europa… contando neste exato momento sobre os desafios missionários no berço do protestantismo.

E apenas estamos começando o dia…

Primeiro dia do 7 CBM

Eu e Marta passamos um primeiro dia no Sétimo Congresso Brasileiro de Missões encontrando muitos amigos íntimos de longa data e fazendo outros novos. Música pelo Carlinhos Veiga e família foi inspiradora, como também os testemunhos de envio missionário e a própria mensagem pelo amigo Ronaldo Lidório. Marta e toda a equipe do CIM-Cuidado Integral de Missionários promoveram um chá para os missionários e se comoveu pelos seus testemunhos.

que bom início!