Semana 66: Lucas 18.9-14

Jesus também contou esta parábola para os que achavam que eram muito bons e desprezavam os outros:  — Dois homens foram ao Templo para orar. Um era fariseu, e o outro, cobrador de impostos. O fariseu ficou de pé e orou sozinho, assim: “Ó Deus, eu te agradeço porque não sou avarento, nem desonesto, nem imoral como as outras pessoas. Agradeço-te também porque não sou como este cobrador de impostos. Jejuo duas vezes por semana e te dou a décima parte de tudo o que ganho.” — Mas o cobrador de impostos ficou de longe e nem levantava o rosto para o céu. Batia no peito e dizia: “Ó Deus, tem pena de mim, pois sou pecador!”E Jesus terminou, dizendo: — Eu afirmo a vocês que foi este homem, e não o outro, que voltou para casa em paz com Deus. Porque quem se engrandece será humilhado, e quem se humilha será engrandecido.

Uma das características mais belas da vida cristã é o desejo de se aproximar cada vez mais de Deus, refletir mais nitidamente a imagem de Cristo e andar na plenitude do Espírito. Estas três maneiras de falar a mesma coisa podem ser resumidas como uma busca por uma espiritualidade autêntica. Por meio deste relato sobre a oração do fariseu e do cobrador de impostos, Jesus trata esta questão. Ao primeiro olhar o assunto parece ser simplesmente uma instrução de como devemos orar. Mais >