Arquivo de outubro 2012

Faça isso

Semana 41: Lucas 10.25-28, 37

Um mestre da lei se levantou e, querendo encontrar alguma prova contra Jesus, perguntou: “Mestre, o que devo fazer para conseguir a vida eterna?”

Jesus respondeu: “O que é que as Escrituras Sagradas dizem a respeito disso? E como é que você entende o que elas dizem?”

O homem respondeu: “Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma, com todas as forças e com toda a mente. E ame o seu próximo como você ama a você mesmo.”

“A sua resposta está certa!” — disse Jesus. — “Faça isso e você viverá.”

…. [Jesus] “Pois vá e faça a mesma coisa.

A parábola do Bom Samaritano é tão conhecida entre nós que poucas vezes reparamos a dinâmica da conversa entre Jesus e o mestre da Lei. Logo queremos chegar no conteúdo da parábola e alguma “lição” para hoje. Realmente o conteúdo desta parábola é desafiador para qualquer grupo em todas as épocas. Mas por enquanto, quero chamar atenção para a maneira que Jesus lidava com o mestre da Lei… Mais >

Um reparo…

Houve um erro na formatação da reflexão intitulada, “Uma Nova Heresia”. Deve ter sido erro meu mesmo. Corrigi e republiquei no mesmo lugar:

http://ultimato.com.br/sites/timcarriker/2011/09/26/uma-nova-heresia/

Mensageiros de paz

Semana 40: Lucas 10.1, 23-24

Depois disso o Senhor escolheu mais setenta e dois dos seus seguidores e os enviou de dois em dois a fim de que fossem adiante dele para cada cidade e lugar aonde ele tinha de ir…

Então Jesus virou-se para os discípulos e disse só para eles: — Felizes são as pessoas que podem ver o que vocês estão vendo! Eu afirmo a vocês que muitos profetas e reis gostariam de ter visto o que vocês estão vendo, mas não puderam; e gostariam de ter ouvido o que vocês estão ouvindo, mas não ouviram.

No capítulo 9, Jesus enviou seus doze seguidores (do círculo mais íntimo) para anunciarem a chegada do governo de Deus. No capítulo 10, envia mais 72 (de acordo com os manuscritos mais antigos. Outros manuscritos, também antigos, dizem 70. No é fácil determinar quem extrapolou). A simbologia não é difícil entender, dentro da história dos judeus e dos seus costumes. Doze são as tribos de Israel e 70 ou 72 costumeiramente são entendidos como o número de nações. Jesus se viu com a missão de restaurar as doze tribos de Israel (outros movimentos judaicos de revitalização, como os essênios, também entenderam a sua tarefa como tal) e cumprir as promessas de Deus dadas para Abraão de abençoar todos os povos do mundo (Gn 12.1-3; Gl 3.6-7, 14). Do ponto de vista histórica isso pode parecer uma conclusão interesseira, religiosa e anti-histórica no extremo, mas hoje esta tese é defendida por um dos mais notórios e bem formados historiadores da igreja primitiva, N. T. Wright. Jesus, a despeito da leitura de muitos biblicistas, compreendia o seu papel messiânico e prosseguia para realizá-lo. Mais >

A missão social da igreja…

desde Romanos 13.1-7 até Constantino

 

Neste ensaio queremos refletir sobre a missão social da igreja desde a igreja primitiva até Constantino. Para realizar esta tarefa, começaremos com uma reflexão sobre Romanos 13.1-7, e depois, consideraremos como as primeiras igrejas cristãs contribuíram para a transformação do império romano até o ano 300 d.C. Em ambos os casos, sugiro uma interpretação diferente da usual. No caso da injunção de Romanos e diferente da interpretação comum de conformidade passiva, sugiro que a parênese participa duma perspectiva subjacente de transformação social, tanto pela participação nas estruturas da sociedade quanto pela subversão dos seus valores de privilégio e status. No caso do impacto do cristianismo no império romano durante seus primeiros 300 anos de vida, sugiro, contra a interpretação tradicional que não foi Constantino a razão do crescimento da igreja a custo do seu testemunho social. Pelo contrário, foi o crescimento e impacto do testemunho social da igreja que praticamente impôs o seu reconhecimento por Constantino.

Mais >