Posts tagged empresas

29ª semana de 2012

0

“Eu digo aos meus gestores: você já entende qual é o real problema do cliente? Não é o que ele diz ter, mal o real problema dele? […] Tem um outro ponto: durante esse desenvolvimento, um comportamento que eu tenho é escutar todo mundo, em todos os sentidos, e extrair o que tem de bom. Eu tenho prazer no que eu faço e gosto de contar. Eu fico energizado para contar, porque é essa paixão que faz o sucesso. O resto, é sua capacidade de direcionar o resto da equipe.”
Alysson Barros Paolinelli, 40, CEO da Aqces Logística – O Estado de S.Paulo, 15/07/2012

“A composição da força de trabalho mudou muito nos últimos anos. As equipes estão cada vez mais diversas, multidisciplinares, multiétnicas e jovens – impulsionadas pela inclusão da geração Y no mercado de trabalho. Para se manterem competitivas, empresas precisam aprender a unir culturas, línguas, origens e profissões, transformar tudo num conjunto integrado e ainda abrir espaço para a valorização do indivíduo. As organizações devem manter uma comunicação eficiente com essa força de trabalho diversa e, principalmente, promover a interação entre funcionários num ambiente colaborativo que estimula a inovação.”
Christiana C. Martins – O Estado de S.Paulo, 15/07/2012

“Ser feliz hoje é excluir o mundo em torno. Ser feliz é uma vivência pelo avesso, pelo “não”. Ser feliz é não ver, não pensar, é não se deixar impressionar pelas desgraças do País ou dos outros.”
Arnaldo Jabor – O Estado de S.Paulo, 17/07/2012

“Entre os estudantes do ensino superior, 38% não dominam habilidades básicas de leitura e escrita, segundo o Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf), divulgado pelo Instituto Paulo Montenegro (IPM) e pela ONG Ação Educativa. O indicador reflete o expressivo crescimento de universidades de baixa qualidade. […] Segundo dados do IBGE e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), cerca de 30 milhões de estudantes ingressaram nos ensinos médio e superior entre 2000 e 2009. Para a diretora do IPM, o aumento foi bom, pois possibilitou a difusão da educação em vários estratos da sociedade. No entanto, a qualidade do ensino caiu por conta do crescimento acelerado. “Algumas universidades só pegam a nata e as outras se adaptaram ao público menos qualificado por uma questão de sobrevivência”, comenta. […] Entre as pessoas de 50 a 64 anos, o índice de analfabetismo funcional é ainda maior, atingindo 52%. Levando em conta os 60 milhões de brasileiros que deixaram de completar o ensino fundamental de acordo com dados do Censo 2010, a oferta de vagas em EJA não chega a 5% da necessidade nacional.”
Luis Carrasco – O Estado de S.Paulo, 17/07/2012

“A cada 4 pessoas ao redor do mundo, 3 possuem um celular, aponta um estudo do Banco Mundial, que será divulgado hoje. O número de aparelhos, que era de 700 milhões em 2000, multiplicou-se por mais de 8 e chegou a 5,9 bilhões em 2010. O aumento foi liderado pelos países emergentes. Em dez anos, nações como China e Brasil ampliaram sua participação de 29% do total para 71% – cerca de 5 bilhões.”
Folha de S.Paulo, 17/07/2012

“Mais do que excesso de hormônios, a neurociência já identificou na imaturidade do córtex órbito-frontal dos jovens – área cérebro responsável por cálculos de custo-benefício – uma das causas do excesso de decisões equivocadas nessa faixa etária. A imaturidade leva o jovem a não pensar nas consequências de longo prazo e a sobrevalorizar os ganhos de curto prazo.”
Bruno Paes Manso – O Estado de S.Paulo, 18/07/2012

“O último Censo do IBGE mostrou que 43 mil meninas menores de 14 anos vivem relacionamentos estáveis no Brasil. Como a prática é ilegal, a maioria vive em união consensual, sem registro. É o retrato de uma cultura atrasada que ainda sobrevive nos grotões de nosso país. Na maioria dos casos, fruto do esquecimento secular por parte dos governantes. […]Nos países pobres, mais de 30% das jovens se casam antes de completar 18 anos. Muitas meninas enfrentam pressões para terem filhos o mais rapidamente possível, engravidam e morrem de hemorragia. Os maridos não são fiéis e elas, com maior vulnerabilidade por causa da idade, frequentemente também sucumbem a DSTs. É uma realidade com nuances distintas. Na África ocidental, a fome empurra jovens para o casamento precoce. Pais casam suas filhas mais cedo em busca de dotes para ajudar as famílias a sobreviver. O Níger tem o mais alto índice de casamento infantil no mundo, com uma em cada duas jovens se casando antes dos 15 anos -algumas delas com apenas sete anos. As noivas meninas têm seu futuro comprometido e seus direitos básicos de brincar e estudar violados. Se tornam meninas sem presente e mulheres sem futuro.”
Marta Suplicy – Folha de S.Paulo, 21/07/2012

42ª semana de 2011

0

“Em geral, temos pouca vontade de saber sobre o que desconhecemos. É preciso ter informações básicas e iniciais para querer seguir descobrindo. Por exemplo: eu não posso me interessar por estudar a obra de Van Gogh (1853-1890) se não sei que ele existe.”
Myriam Nemirovsky, pesquisadora argentina – Revista Nova Escola, outubro de 2011

“Se o homem é uma máquina sem alma, ele não tem liberdade de escolha, e, se ele não é livre, a própria ideia de moral perde seu sentido.”
Contardo Calligaris – Folha de S.Paulo, 20/10/2011

“O Brasil tem lideranças femininas em quase 14% das maiores empresas atualmente, segundo a Hays Executive. Há dez anos, essa participação girava em torno de 6%.
‘O Brasil caminha para um equilíbrio. Mas, em cargos de presidência ainda está longe’, diz Cynthia Rejowski, da Hays Executive no Brasil.”
Maria Cristina Frias – Folha de S.Paulo, 20/10/2011

“Na maioria das vezes, fazemos muitas coisas sem sequer refletir sobre elas. A questão é que boa parte do tempo estamos ligados a uma espécie de piloto automático. Tirar o pensamento desse modo significa assumirmos a direção. E isso requer maior esforço da nossa parte: prestar atenção no caminho, manter a concentração, segurar firme no volante. E nem sempre esse esforço parece realmente valer a pena (quando não enxergamos uma real vantagem nele). Então, nos mantemos presos aos hábitos que já estão aprendidos, e temos uma baita dificuldade de nos desprender deles. […] Temos de tomar consciência sobre o que estamos ou não fazendo, seja em direção à transformação ou até à permanência dos padrões – se essa for nossa vontade. Estar no controle é o fator mais importante para definirmos as rotas do caminho e chegarmos bem ao fim dele. Seja seguindo a ordem da lógica, seja pulando algumas páginas.”
Rafael Tonon, Revista Vida Simples – outubro de 2011

“As pessoas sentem culpa, não por terem de reprimir seus desejos e fantasias, mas, sim, por não estar à altura de seus desejos e fantasias. Há, então, uma procura cada vez mais desesperada de exigências de satisfação, que passa pelos objetos. O saldo disso, longe de ser uma espécie de quietude, é essa transformação da sociedade, na qual a depressão é o quadro clínico mais presente atualmente.”
Vladimir Safatle, Revista Psique – outubro de 2011

“No Brasil, todos conhecem e denunciam a corrupção, a injustiça social, o desleixo dos políticos, mas numa perspectiva fatalista, do ‘este país não tem jeito mesmo…’, e não numa via de engajamento em projetos transformadores.”
Maria Rita Kehl, Revista Cult – outubro de 2011

“Ser criativo para transpor os obstáculos que aparecem pelo caminho. O que distingue o profissional criativo dos outros é sua atitude em relação aos problemas. O criativo direciona sua energia para a solução. Não fica paralisado, lamentando o problema.”
Renato Grinberg, Revista Você S/A – outubro de 2011

“Antes de classificá-la como líder em ascensão é preciso buscar indícios de sua capacidade de aprender depressa com a prática, de um genuíno interesse em ampliar seu escopo e de disposição a assumir obrigações adicionais sem muito aviso prévio.”
Claudio Fernández-Aráoz, Boris Groysberg e Nitin Nohria, Harvard Business Review – outubro de 2011

“Não devemos ter atitudes bipolares diante da globalização. O ideal é encontrar um caminho entre a euforia e a negação. Nos negócios, a maneira mais eficiente de fazer isso é se debruçar sobre as diferenças em seu setor em particular, e não apenas na diplomacia mais ampla que rege os países. […] O mais importante é reconhecer que as diferenças entre os países são tão importantes quanto as semelhanças.”
Pankaj Ghemawat – prof. na Iese Business School, Época Negócios – outubro de 2011

20ª semana de 2011

1

“As psicólogas holandesas Elianne van Steenbergen e Naomi Ellermers, da Universidade de Leiden, entrevistaram mulheres que tinham grande sucesso profissional e eram engajadas em várias causas e projetos pessoais. Segundo as entrevistas, ‘as supertrabalhadoras’ se sentiam ainda mais ativas quando se dedicavam à vida afetiva, aos parceiros, filhos e amigos. Já as que se dedicavam apenas à profissão, em detrimento de relações pessoais, mostravam-se mais cansadas e insatisfeitas. O resultado indica que não há, necessariamente, contradição entre trabalho e família – o maior desafio parece ser encontrar tempo para diversificar os interesses e investimentos afetivos e, assim, ter a possibilidade de viver experiências mais satisfatórias em diversas áreas.”
Nikolas Westerhoff, Revista Mente e Cérebro, maio de 2011

“Se alguém perguntar se sua vida foi, até agora, um sucesso ou um fracasso, o que você vai responder? O que é ter tido uma vida de sucesso? Bem, depende de cada um. […] Temos todos -quase todos- excelentes razões para achar que nossa vida foi gloriosa ou um vale de lágrimas. Você, por exemplo, já deve ter passado por ótimos e por péssimos momentos; quais ficaram na sua cabeça, ou melhor, no seu coração? Os melhores ou os piores?”
Danuza Leão, Folha de S.Paulo, 15/05/2011

“Pesquisa da faculdade de saúde pública de Harvard revela que sim: tanto a tristeza como a felicidade ‘pegam’. Usando recursos da epidemiologia, os pesquisadores mediram como pessoas que demonstram alegria propagam uma atitude mais positiva entre familiares e amigos, gerando um contágio. Viram também que a tristeza passa por fenômeno semelhante, mas (felizmente) sem a mesma intensidade da felicidade. A informação é baseada no acompanhamento de 5.000 pessoas durante 20 anos.
Os cientistas da felicidade, usando equipamentos de ressonância magnética e grupos de controle, estão dando caráter científico a práticas milenares, como a meditação. Esse conhecimento já vem sendo experimentado nos hospitais para ajudar na recuperação de pacientes.
Também nos hospitais são feitos testes que revelam como pessoas alto-astrais têm menos propensão a problemas do coração, hipertensão, diabetes ou infecções respiratórias. Vemos, assim, como determinadas sensações provocam reações bioquímicas no corpo.”
Gilberto Dimenstein, Folha de S.Paulo, 15/05/2011

“Hoje, não queremos apenas ser felizes. Sentimos a obrigação esmagadora de o ser: de acumular os objetos, as experiências e as aparências de uma utopia pessoal tão devastadora como as utopias coletivas do passado. […] Quem vive para um único fim perfeito não pode tolerar uma multidão de momentos imperfeitos.”
João Pereira Coutinho, Folha de S.Paulo, 17/05/2011

“Em muitas dessas vezes, a origem da depressão não é uma perda, nem propriamente uma frustração, mas a aparição de um desejo novo que não foi reconhecido. E os novos desejos, sobretudo quando são silenciados, desvalorizam a vida que estamos vivendo.”
Contardo Calligaris, Folha de S.Paulo, 19/05/2011

“Acho que as corporações são abatedouros da alma humana. Ainda temos um longo caminho pela frente até encontrar o equilíbrio entre vida pessoal e trabalho. A natureza das empresas é fazer o profissional trabalhar o máximo possível. Elas querem fazer dinheiro”.
Nigel Marsh, 48, presidente de uma empresa do grupo Young & Rubicam, Você S/A, maio de 2011

“Há muitas oportunidades no Brasil, em todos os setores da economia – agricultura, petróleo, gás, etanol, energia elétrica, aviação. O setor privado brasileiro é um dos mais fortes do mundo.”
William Rhodes, banqueiro americano, Revista Época, 16/05/2011

20 de dezembro de 2010

0

“Ano após ano, prometemos, torcemos, desistimos antes do meio do ano após constatar nosso provável fracasso e então começamos a torcer pela chegada do fim do ano para fazer novas promessas. Ano após ano, o ciclo se repete, a história não muda. Mudam, talvez, os sonhos, mas não mudamos nossa história. Promessas não passam de pura expectativa do futuro enquanto não adotamos nenhuma ação para que elas se concretizem. Se você quer realmente realizar seus sonhos em 2011, pare de sonhar, deixe de simplesmente prometer. Assuma seus sonhos como projetos pessoais, faça as contas de quanto tempo e/ou dinheiro você precisa para concretizá-los e, simplesmente, aja. […] Se, a cada mês, você faz o pequeno esforço necessário para alcançar sua grande meta, o trabalho fica menor, e seu desgaste também. O problema por trás do insucesso de nossas promessas é que muitas pessoas passam a vida sonhando demais e esquecem de agir para concretizar seus sonhos. Peter Drucker, o maior pensador na ciência da administração, dizia que a melhor maneira de prever o futuro é construí-lo. Uma construção não é feita de sonhos, mas sim de projetos e de várias ações para completar as diversas fases deles. Descobri, ao planejar, executar e finalizar diversos projetos em minha vida e na vida de meus clientes, que um sonho bem planejado tende a acontecer antes ou melhor do que o inicialmente previsto.”

Gustavo Cerbasi, Folha de S.Paulo – 20/12/2010

 

“No Brasil, a pesquisa engatinha, o número de estudantes estrangeiros é mínimo e os cursos são gratuitos. Enquanto na Universidade Oxford (7ª do ranking), a verba para pesquisa é a maior rubrica do orçamento (39,9% do total de R$ 2,3 bilhões), na USP ela não está nem sequer especificada. ‘Não há dúvidas de que dinheiro para pesquisas é um dos fatores mais importantes para as boas universidades. É com ele que você atrai e paga os melhores profissionais do mundo para desenvolver trabalhos de ponta’, diz Phil Baty, responsável pelo ranking da THE (Times Higher Edication), o mais respeitado do mundo. […] O MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), terceiro no ranking, pesquisa é tão importante quanto aulas. ‘Praticamente todos os nossos professores estão fazendo pesquisa simultaneamente com o trabalho em aula’, diz Jennifer Hirsch, do departamento de comunicação do instituto.”

Vaguinaldo Marinheiro, Luciana Coelho e Sabine Righetti, Folha de S.Paulo – 20/12/2010

 

“Internet: é o veículo preferencial de comunicação entre jovens. As redes sociais são as que mais ‘bombam’! Amizades, ‘ficadas’ e namoros sempre rolam. Paradoxo: a moçada continua a se expor sem ter noção dos riscos. Nota: Aproveite, com cuidado!”

Jairo Bouer, psiquiatra, Folha de S.Paulo – 20/12/2010

 

“Ainda há racismo e discriminação social e de gênero em muitas médias e grandes empresas. O desrespeito ocorre mais com funcionários de menor remuneração, justamente aqueles que compõem a ‘nova classe média’, dominante no consumo brasileiro. […] Respeito precisa começar no escritório e na fábrica. Só aí vai chegar ao mercado e aos corações e mentes dos consumidores. Assim, todos entenderão que sustentabilidade é também um modo de vida que não pode prescindir de dignidade e oportunidades iguais para todos.”

Ricardo Young, Folha de S.Paulo – 20/12/2010

 

“A produtividade é medida; o bem-estar, não. O estresse no trabalho tem consequências para a saúde, debilitando a economia mesmo quando a empresa registra altos lucros.”

Rosabeth Moss Kanter, professorship da Harvard Business School, nos EUA. Harvard Businness Review – dezembro de 2010

 

“A empresa hoje opera num cenário repleto de novas ameaças a sua reputação. Equipada para o embate com grandes concorrentes, pode ser pega de surpresa por pequenos adversários munidos de um arsenal incrivelmente possante de novas mídias e redes sociais: blogs, tweets, mensagens de texto, abaixo-assinados na internet, páginas de protesto no Facebook, vídeos digitais. Certas empresas já sentiram na pele o dano que pode ser causado pelos disparos de um único crítico altamente motivado de posse de um computador.”

Leslie Gaines-Ross, diretora de estratégia de reputação da consultoria internacional de relações públicas Weber Shandwick, Harvard Businness Review – dezembro de 2010

19 de dezembro de 2010

0

“Existem outras maneiras, além do aumento salarial, de manter um funcionário. As empresas que não trabalham com a felicidade de sua mão de obra vão ter inflação do salário dos melhores profissionais.”

Fernando Montero, consultor da Human Brasil, Folha de S.Paulo – 19/12/2010

 

“O elo entre trabalho, espiritualidade e amor claramente precisa de uma reinvenção.”

Rosabeth Moss Kanter, professorship da Harvard Business School, nos EUA. Harvard Businness Review – dezembro de 2010

 

“O aumento aprovado é tão desproporcional que passaram a ganhar mais do que congressistas de todos os países relevantes. […] A obscenidade fica ainda mais revoltante porque revela características indeléveis do ser brasileiro. Não por acaso, é no Brasil que se dá a maior diferença entre o salário do congressista e a renda média da população (20 vezes praticamente, contra 4,4 vezes na Argentina, para ficar apenas na vizinhança). […] A velocidade supersônica com que aprovaram o autoaumento de cerca de R$ 10 mil contrasta brutalmente com as letárgicas discussões em torno de um reajuste de R$ 10 (e não de R$ 10 mil) para o salário mínimo.

Clóvis Rossi, Folha de S.Paulo – 19/12/2010

 

“O triste é que essas crianças que crescem conhecendo o mundo todo perdem a capacidade de desejar, de sonhar. Estou cansada de ver uma garotada sem vontade de nada, pois já tiveram tudo, desde cedo; entendem de sushi, conhecem as grifes, possuem todos os iPads e iPods do mundo e não conseguem se deslumbrar com mais nada.”

Danuza Leão, Folha de S.Paulo – 19/12/2010

18 de dezembro de 2010

0

“Pesquisa apresentada ontem na USP mostra que o abuso de álcool no Brasil custa R$ 8,56 bilhões por ano. A estimativa leva em consideração cálculos de custo social e dados do Ministério da Saúde e do IBGE de 2007. O maior custo social é com homens de 40 a 44 anos. Para Andrea Galassi, que realizou a pesquisa, o custo é maior ainda, pois a estimativa não inclui a rede privada e a subnotificação de casos. ‘Se a pessoa que sofreu um acidente estava embriagada e essa informação não entra na ficha médica, essa despesa não é incluída’, diz.”

Folha de S.Paulo – 18/12/2010

 

“Boas decisões são voltadas ao futuro, levam em conta informações disponíveis, consideram todas as opções disponíveis e não criam conflitos de interesses. […] Dizer que algo é ‘difícil’ é uma péssima desculpa para não agir”.

Dan Ariely, professor of Behavioral Economics na Duke University, nos EUA, Harvard Businness Review – dezembro de 2010

 

“Valores estão na moda. Muitas empresas buscam valores universais para unir gente distinta em torno de uma meta comum, satisfazendo o desejo das novas gerações de um trabalho com sentido, pautado por valores.”

Rosabeth Moss Kanter, professorship da Harvard Business School, nos EUA. Harvard Businness Review – dezembro de 2010

20 de outubro de 2010

0

“Quem não gosta de arte bom sujeito não é. A doença em geral é a falta de educação. O contato com as artes deveria ser obrigatório no ensino primário.”

Domingos Oliveira, cineasta, Folha de S.Paulo – 20/10/2010

 

“Muito se diz a respeito da emblemática idade dos 40 anos. Se a vida começa ou não na quarta década, é certo que termine cada vez mais longe dela. […]O mundo vem envelhecendo, e a notícia não é exatamente nova. […] Muitas empresas ainda resistem à contratação de profissionais maduros enquanto organizam simpósios e palestras para tentar compreender as crianças mimadas e inseguras que rotulam de geração Z. […]Em um mundo de trabalhadores cada vez mais velhos, que se orgulham de estar ativos até além dos 80, a conta simplesmente não fecha. Do outro lado da portaria, a situação não é exatamente confortável. Mesmo com salários e benefícios, o contingente de executivos cada vez mais novos e inexperientes, pressionados pelo excesso de competitividade, cresce a cada instante. Os médicos de empresas já não se surpreendem ao ver hipertensão, estafa e fadiga crônica em velhos de vinte e poucos.”

Luli Radfahrer, Folha de S.Paulo – 20/10/2010

 

“Quanto mais religiosa for uma sociedade, menor o terreno para a transigência.
A separação entre igreja e Estado não nasceu pronta da cabeça de algum filósofo iluminista – foi a solução que se encontrou depois de que guerras religiosas entre católicos e protestantes ameaçaram dizimar, por mais de um século, países como Inglaterra, França e Alemanha. […]

A fé que eu gostaria de contestar, a esta altura da campanha eleitoral, é a fé nos marqueteiros e nas pesquisas de opinião. O maior obscurantismo não está na condenação ou na defesa do aborto. Está no fato de dois candidatos seguirem, como ovelhinhas, o que lhes recomenda a última estatística.
Convenhamos que nem Dilma nem Serra são pessoas religiosas. Que quando um comunga e a outra se persigna, estamos diante de um ritual que não engana ninguém. Serra e Dilma apoiam a lei vigente, que permite o aborto em casos específicos. Os dois, portanto, não são sempre contra o aborto; estão a léguas de distância dos eleitores que desejam conquistar. […] As pesquisas, acho que já escrevi isso, são o ópio dos candidatos. A inteligência do país inteiro fica embotada nesse processo.”

Marcelo Coelho, Folha de S.Paulo – 20/10/2010

Página 1 de 212
Go to Top