Para Ler

A edição 335 da revista Ultimato, impressa no último fim de semana, encerra 27 anos da preciosa contribuição do bispo Robinson Cavalcanti. Aqui, o leitor pode relembrar e novamente ser edificado e desafiado pelos seus escritos. Para conhecer os livros do autor, acesse Livros.

 

Ultimato, edição 335: Profetismo — item esquecido da missão integral

Ultimato, edição 334: Conflito de símbolos e mandato cultural

Ultimato edição 333: Desafios do evangelicalismo progressista

Ultimato edição 332:  O fim do Consenso Evangélico

Ultimato edição 331:  Os evangélicos e a pororoca gay

Ultimato edição 330: Cristianismo, secularismo e cidadania

Ultimato edição 329: Estado laico e nação religiosa

Ultimato edição 328:  Lausanne: o olhar de um veterano

Ultimato edição 327: Brasil: um protestantismo neoanabatista?

Ultimato edição 326: PT – o partido que nunca foi governo

Ultimato edição 325: 50 anos de crente (1960-2010) — parte final

Ultimato edição 324:  50 anos de crente (1960–2010) — parte 2

Ultimato edição 323: 50 anos de crente (1960-2010) — parte 1

Ultimato edição 322: Os bispos protestantes

Ultimato edição 321: Uma epopeia abandonada

Ultimato edição 320: Ateucracia e heterofobia

Ultimato edição 319: Protestantismo: vanguarda e atraso

Ultimato edição 318: Igreja — o futuro está no resgate do passado

Ultimato edição 317: O mais importante é a igreja

Ultimato edição 316: O conteúdo do cristianismo

Ultimato edição 315: A participação dos evangélicos na política brasileira

Ultimato edição 314: Pseudo-pentecostais: nem evangélicos, nem protestantes

Ultimato edição 313: A mui santa participação política

Ultimato edição 312: A mui piedosa esquerda cristã

Ultimato edição 311: Mui bíblica missão integral

 

  1. #1 por Erik Batista Pereira em 4 de janeiro de 2013 - 9:25

    As leituras dos textos são um convite a viver o Evangelho em integralidade.

  2. #2 por Eurico Lemos em 10 de Maio de 2014 - 10:11

    Um dos grandes pensadores do evangelicalismo no Brasil e no mundo. Sua obra influenciou toda uma geração de crentes. Dono de uma memória, conhecimento e capacidade de síntese extraordinanarios, nunca vi uma platéia cansada ao ouví-lo. Deixou mais do que saudade. Deixou uma grande lacuna difícil de ser preenchida.

(não será publicado)