Somos uma igreja?

“A igreja deve ser igreja para os de fora, não apenas para os de dentro”. Essa frase, abraçada a textos bíblicos, sempre foi um desafio para uma igreja que se diz bíblica. A apostolicidade de qualquer igreja sempre é questionada a partir do momento de se diz: “somos uma igreja!”

Acreditamos que muitos em algum momento tenham pensado: “será que estou numa igreja verdadeiramente apostólica, ou seja, que persevera na doutrina dos apóstolos?”. “Será que não estou como Cazuza: ‘Ideologia, eu quero um pra viver’”? Entendemos que uma igreja deve ser bíblica, graciosa e relevante. Tentamos ser esta igreja diariamente com erros, acertos, esforços, alegria, choro, estresse e, acima de tudo, amor a Deus e, conseguinte, ao próximo assim como a nós mesmos.

Igreja cidadã

Em outubro realizamos no bairro da Cascalheira mais uma edição do projeto Igreja Cidadã, evento promovido pela Igreja Presbiteriana em Barreiras (BA), em parceria com outras entidades.

Mais >

Summit: está chegando!

-
-

Mais >

Populações indígenas têm piores indicadores sociais da Amazônia

(UOL) Se os indicadores sociais da Amazônia estão aquém da média nacional dos países que compartilham a floresta, as populações indígenas são ainda mais vulneráveis. O relatório “A Amazônia e os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio” avaliou indicadores de nove países – Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Peru, Venezuela, Suriname, Guiana e Guiana Francesa – e identificou resultados piores para os indígenas.

O levantamento mostra que nos nove países há 1,6 milhão de indígenas, de 375 povos. Nem todos vivem em territórios reconhecidos, o que, segundo os pesquisadores, tem impacto direto na subsistência e na qualidade de vida das comunidades. “A erradicação da pobreza e da fome está intimamente associada à garantia do usufruto de seus territórios tradicionais. A consolidação territorial é que permite que as populações indígenas possam produzir seus alimentos por meio da pesca, caça, agricultura etc”, conclui o trabalho.

Os piores resultados estão relacionados à saúde. A ausência de serviços básicos e as distâncias geográficas na região acabam excluindo as populações indígenas do atendimento de saúde. A alta incidência de malária, tuberculose e doenças sexualmente transmissíveis entre essas populações confirma a desigualdade. A taxa de incidência de tuberculose entre os indígenas do Brasil, por exemplo, é 101 para cada 100 mil pessoas. A média nacional é 37,9 casos para cada 100 mil. Na Venezuela, há tribos que registram 450 casos de tuberculose para cada 100 mil pessoas. Mais >

Conversa Paralela

Quinzenalmente, o Projeto Paralelo 10 envia seu boletim eletrônico – batizado de Conversa Paralela – para aproximadamente cinco mil endereços eletrônicos. Se você ainda não recebe as notícias via e-mail, cadastre-se!

Summit em João Pessoa, PB

Acontecerá dos dias 01 a 03/12 um encontro do Summit em João Pessoa, PB. O Global Leadership Summit é um movimento de líderes, seguidores de Cristo que são dedicados, sérios e comprometidos em levar a mensagem transformadora de Cristo, que pode redimir e restaurar esse mundo caído através do poder da igreja local.

 

Se você é participante do Paralelo 10 e tem interesse em participar deste encontro, entre em contato pelo e-mail paralelo10@ultimato.com.br.

Mais informações sobre o evento aqui

Indígenas em missão

A missionária indígena (da etnia Tukano) Leonízia Jutzi e seu esposo, Markus, estão envolvidos em vários ministérios, inclusive na coordenação do Curso de Tradutores Indígenas da Bíblia, um projeto inovador de inclusão dos cristãos indígenas em um trabalho por décadas feito por não-indígenas. Outro ministério de Leonízia, que foi bolsista do Paralelo 10 no curso de mestrado em missiologia do Centro Evangélico de Missões (CEM), são as oficinas sobre alcoolismo para indígenas. Leia abaixo a carta de outubro com notícias do casal.

 

Em julho, Markus e eu estivemos no Amazonas, onde participamos da Conferência Regional do CONPLEI (Conselho Nacional de Pastores e Líderes Indígenas). Foi um tempo abençoado que Deus nos deu, onde compartilhamos sobre o Curso de Tradutores e oferecemos oficinas sobre o alcoolismo entre indígenas. Oferecemos esta mesma oficina numa Aldeia Tukano. Pude rever também a minha família e amigos queridos. Após este tempo em São Gabriel da Cachoeira (AM), fomos para uma outra cidade. Visitamos uma aldeia, para onde temos possibilidade de ir no ano que vem a fim de nos juntarmos à equipe do Projeto Amanajé que lá trabalha. Mais >