Bolinho de charque

É fácil encontrar charque aí na sua cidade? Pois bem, a charque está bem presente na culinária do Norte e Nordeste, mas as vezes é difícil de encontrar em outras regiões. Há quem diga que trata-se da carne seca ou da carne de sol, mas alguns dizem que o modo de preparo de cada uma é diferente. Gostaríamos de receber comentários dos mais entendidos do assunto…
A receita enviada pela nossa mestre-cuca manauara é pra inspirar o Brasil inteiro, é cultura regional que pode se espalhar de Norte a Sul. Aproveite!

Por um Natal sem Papai Noel

Nada contra a figura fictícia do Papai Noel, mas também nada a favor. Nada a favor de uma celebração natalina superficial e secularista – apesar de pomposa – que o “bom velhinho” representa e que tira o foco de Jesus Cristo.
Ultimato quer resgatar o Natal simples, sem apelos comerciais, que reconhece a pessoa e a verdade que deram origem a um dia tão comemorado ainda hoje. Uma celebração sem pujança comercial, penduricalhos e personagens que desviam nossa atenção do essencial da data.
Para isso, Ultimato lança a campanha Um Natal sem Papai Noel. Reunimos materiais que relembram e reforçam a mensagem genuína do Natal e queremos oferecê-los a todos. O principal é o livreto Era uma vez um Natal sem Papai Noel, escrito pelo pastor Elben César, que você pode baixar gratuitamente aqui e ainda compartilhar com quem quiser. São devocionais diárias curtas para todos os dias de dezembro.
Olha só o que a campanha está oferecendo! Mais >

Fortaleza ante o sofrimento


“Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações”.


Este versículo nos traz uma imensa tranquilidade ante o sofrimento que muitas vezes atravessamos. Saber que o Criador é o nosso refúgio, o lugar de segurança, de amparo e conforto, nos permite encontrar a paz que tanto ansiamos para estes momentos.

Não há como sermos blindados do sofrimento. Não há como nos livrarmos das aflições, porque estes momentos já foram previstos por Jesus que haveríamos de passar. Entretanto, ao lado do Senhor, temos a possibilidade de passar por eles com muito mais segurança, confiando que a paz e a esperança que precisamos estará sempre ao nosso alcance. Mais >

Colabore com o Natal do Projeto Aprender

Olhando para o povo Cigano

O povo cigano é literalmente um povo esquecido nos sertões do nordeste brasileiro. A chegada dos ciganos ao Brasil é datada pelos historiadores de por volta do século XVII e sua presença no sertão é conhecida desde, no mínimo, o Brasil Imperial. Vítima de bastante preconceito, essa etnia carece de assistência por parte dos governos, da sociedade e da igreja.

Os ciganos estão presentes em todos os estados nordestinos. Na Paraíba sua presença é mais intensa no município de Sousa, onde cerca de 300 famílias ciganas estão distribuídas em dois ranchos localizados na periferia da cidade. Quem visita um desses ranchos, especialmente o chamado “rancho de baixo”, ficará chocado com a péssima qualidade de vida desse povo. Falta saneamento básico, água encanada, moradias dignas, assistência social, acesso a saúde, documentos, enfim, condições básicas de sobrevivência. Muitas famílias destas localidades encontram-se em um estado de verdadeira miséria.

Entre tantas carências desta população, podemos destacar também a espiritual. O povo cigano, ao contrário do que muitos cristãos pensam, são muito abertos a palavra de Deus. Infelizmente o preconceito e o desinteresse impregnado em muitas comunidades cristãs da região impede que atividades sociais-evangelísticas sejam desenvolvidas. Mais >