album_risos

A Ultimato celebrou, na última sexta-feira, dia 08, os sete anos de existência do projeto Paralelo 10. Reunimos os funcionários e compartilhamos com eles os frutos colhidos pelo P10 ao longo destes anos e relembramos nossos objetivos.

A coordenadora do P10, Ivny Monteiro, lembrou que o projeto quer diminuir o isolamento das regiões Norte e Nordeste, fornecendo conteúdo de qualidade sobre a missão da Igreja. Ela se alegrou com histórias como a do Valdemar Alves. Ele é pedreiro e representante do P10 no sertão de Manaíra, na Paraíba e, com a ajuda de outro projeto – o Água Viva – já construiu duas igrejas na região.

Ouvimos o testemunho de Phelipe Marques, um dos beneficiários do P10. Ele é de Paritins, no Amazonas, e lá em sua cidade ajudava a divulgar os materiais sobre missão integral que a Ultimato publica. Neste ano, Phelipe, com a ajuda do P10, veio para Viçosa, estudar missões no Centro Evangélico de Missões. Phelipe – que é jornalista recém-formado – conseguiu um estágio no Núcleo Web da Ultimato.

Ao final, Emmanuel Bastos, diretor financeiro da Ultimato, orou pelo trabalho do Paralelo 10.

A celebração foi recheada com o já tradicional bolinho de mandioca (ou macaxeira, com se fala no Norte e no Nordeste).

Confira algumas fotos abaixo:

 

P10_08_05_15_Povo-sertanejoO sertão nordestino é um lugar de grandes desafios e beleza. Sua beleza se revela tanto na estiagem quanto na estação chuvosa. Nos períodos de seca, seu encanto toma uma coloração quase monocromática, dramática com suas paisagens assumindo a cor misturada de cinza-bege do barro e da poeira. Quando desce a chuva, que lava tudo, reverdece o mato, brotam as flores e renasce a lavoura, fazendo que o colorido tome conta da terra de Seu Zé e Dona Maria, de Ciço e de Damiana e a boniteza do lugar atinge o topo da exuberância.

Os desafios do sertão são muitos, mas o maior deles é ser sertanejo, nascer, viver, sobreviver, morrer, fincar descendência, enraizar e perpetuar sua história nesse pedaço de chão cheio de dramas e tramas, de lágrimas e risos, tristezas e alegrias, aventuras, venturas e desventuras.

O povo do sertão nordestino foi feito de encomenda, não tem outro igual, e só esse povo poderia fazer desse lugar um canto tão querido e tão rico de histórias e saber, com suas singularidades que o fazem único e admirável. Continue lendo →

A edição de maio-junho da revista Ultimato traz uma reportagem especial sobre os ciganos no Brasil: suas realidades, seus dificuldades e os desafios missionários. Se você ainda não é assinante da revista, aproveite estes dias e peça um exemplar gratuito.

E por falar em ciganos, é bom lembrar que, segundo o IBGE, no Nordeste os ciganos estão em 1.794 municípios e no Norte em 449 municípios. Por conta disso, eles também são um desafio missionário para as duas regiões.

Quer saber mais sobre os ciganos? Quer envolver-se no trabalho missionário? Quer envolver sua igreja? Então participe do 7º Encontro Nacional de Evangelização de Ciganos, que acontecerá de 23 a 26 de julho em Maringá (PR).

Inscrições e informações: aqui

encontro_nac_evang_ciganos

 

P10_04_05_15_Edital_GatiO Projeto Gestão Ambiental e Territorial Indígena (GATI) e o Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN) lançaram edital para receber propostas que promovam ações de conservação da biodiversidade e a melhoria da qualidade de vida dos povos indígenas. A contratação de pequenos projetos indígenas podem ser no valor de até 40 mil reais e as propostas podem ser enviadas até 11 de maio de 2015.

A chamada é destinada às associações indígenas, indigenistas/ou socioambientalistas, que tenham experiência e atuação nas áreas de referência do Projeto GATI e que estejam formalmente constituídas. As instituições não indígenas deverão comprovar sua experiência com projetos e ações com os povos indígenas. Continue lendo →

P10_29_04_15_Consulta_Povos_minoritariosAcontece no período de 15 a 18 de junho, em João Pessoa, na Paraíba, a Consulta Nacional Povos Minoritários do Brasil. O objetivo do encontro é tratar da evangelização de cinco segmentos tradicionais menos evangelizados do Brasil: ciganos, indígenas do nordeste, quilombolas, ribeirinhos e sertanejos.

Além de proporcionar um panorama dos segmentos menos evangelizados e conhecer os principais desafios missionários envolvendo esses segmentos, a consulta pretende discutir estratégias de evangelização em cada segmento, encorajar um maior envolvimento das organizações presentes com os menos evangelizados e estimular a cooperação e a mobilização missionária; Continue lendo →

P10_14_04_15 - CopiaSerá que a imagem de uma Amazônia devastada pelo desmatamento ilegal, ocupações irregulares, pecuária clandestina, trabalho escravo, conflito de terra e desperdício de riquezas naturais, pode ser mudada? A reportagem intitulada A reinvenção da Amazônia, produzida pela revista “Época”, mostra algumas experiências que podem mudar a imagem antiga da Amazônia que ainda está no imaginário de muitos.

A situação da Amazônia é fruto de um ciclo histórico que envolve três fatores principais: a ocupação desordenada, o desmatamento ilegal e a pecuária clandestina. Reinventar a região significa criar atividades econômicas ecologicamente saudáveis, socialmente corretas e economicamente inteligentes. Continue lendo →

Os ribeirinhos estão na segunda posição na lista dos segmentos menos evangelizados no Brasil. Diversas igrejas e organizações têm se empenhado para que as boas novas cheguem às mais de 10 mil comunidades pouco ou ainda não evangelizadas. Uma das organizações que encara o desafio é Missão Evangélica de Assistência aos Pescadores (Meap). Conheça um pouco mais da atuação da Meap no artigo Entre rios e mares, recém-publicado no Blog da Ultimato. A Meap é uma das parceiras que recebe gratuitamente e distribui entre seus missionários exemplares da revista Ultimato.