Programa da TV Senado apresenta uma audiência pública da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, na qual são discutidas a biodiversidade da Amazônia, sua riqueza mineral e os problemas relacionados à imigração e ao tráfico de drogas, entre outros temas.

Participou da audiência o comandante do Exército Brasileiro, Gen. Eduardo Villas Bôas, cuja experiência oferece reflexão e apresenta as preocupações nacionais e internacionais relacionadas à essa região.

O programa está dividido em 3 blocos. Assista, reflita e ore!

 

p10_empobrecimento_nordesteSeja qual for o critério adotado pelas pesquisas — PIB, renda per capita, número de famílias pobres ou indicadores sociais — o Nordeste sempre aparece como a região mais pobre do Brasil.¹

Na década de setenta, quando ainda se dividia o mundo em três regiões econômicas, o economista Celso Furtado classificou o Nordeste como pertencente ao Quarto Mundo, pela sua condição de extrema pobreza. Desde então, a situação só tem se agravado. Mesmo na década de noventa, quando o Nordeste manifestou um crescimento maior do que o Brasil considerado em sua totalidade, a pobreza da região ainda assim aumentou, resultado de um sistema de distribuição de renda perverso, baseado na exclusão.

Dez das cidades mais pobres do Brasil situam-se no Nordeste, sendo sete delas no Estado de Alagoas. São José de Tapera, no sertão das Alagoas, é considerado o município mais pobre do país; sua mortalidade infantil é de 71,94 a cada mil nascimentos e a taxa de analfabetismo de 36,28%. A título de comparação, a taxa de mortalidade infantil do Brasil é de 35 por mil nascimentos (considerada alta) e a taxa de analfabetismo é de 15%.

De acordo com dados da Unicef (1999) 150 das cidades com maior índice de desnutrição se encontram no Nordeste, sendo que 33,66% das crianças com menos de cinco anos apresentam sinais claros de desnutrição. Cerca de 30% da população de todo o país se encontra no Nordeste, e ali se concentram 62% dos pobres do país. Metade de sua população possui uma renda familiar de meio salário mínimo.

Entretanto, ao lado desses altos índices de miséria social, o Nordeste possui uma grande reserva de recursos minerais, como jazidas de granito, pedras preciosas e semipreciosas. O Estado do Rio Grande do Norte produz 95% do sal consumido no país e o Estado de Pernambuco 95% do gesso, além de produzirem gás natural e petróleo. Aliás, o Estado do Rio Grande do Norte é responsável por 11% da produção de petróleo do Brasil, sendo o segundo Estado produtor, atrás apenas do Rio de Janeiro. Continue lendo →

Pico do Jabre / John Medcraft

Antenas enfeiam o pico e mostram o descaso do governo para com a área.

Por iniciativa do pastor John Medcraft, da ACEV (Ação Evangélica), o abaixo-assinado que pressiona o Governo da Paraíba a, de fato, zelar pelo Parque Estadual do Pico do Jabre, em Matureia, na Paraíba, já ultrapassou o número de 15 mil assinaturas online.

Diz o texto da campanha #‎SalvaroPicodoJabre:

“Desde a sua criação, em 2002, o Parque Estadual do Pico do Jabre, de 851 hectares, só existe no papel. A área nunca sequer foi desapropriada. Hoje antenas gigantes e ilegais desgraçam o visual do ponto mais alto da Paraíba, a caça e o tráfico de fauna seguem de vento em popa e o desmatamento e o lixo fazem o nome Unidade de Conservação uma farsa!”

Os resultados da pressão popular já estão aparecendo. O governador Ricardo Coutinho concordou em efetivar o Parque Pico do Jabre como Unidade de Conservação e de indenizar os proprietários. Ele também delegou o SUDEMA para fiscalizar e resolver o problema das 16 antenas que enfeiam o Pico. Mas a campanha vai continuar. Enquanto o governo cumpre o que prometeu, a campanha #‎SalvaroPicodoJabre quer que o Governo da Paraíba:

– Ative o pelotão de Polícia Ambiental para combater desmatamento, caça, tráfico de fauna e pichadores. O Pelotão já foi treinado e possui farda, equipamento e veículo. O que falta é colocar estes recursos à disposição desta necessidade, o que beneficiará toda a região e não só o Pico do Jabre.

– Embargue qualquer outra construção de antena e tire todas que não têm licença ambiental da SUDEMA.

– Convide o IBAMA para juntar forças nesta luta!

 

Para assinar o abaixo-assinado, basta clicar aqui.

 

Fonte: RENAS

Foto: John Medcraft

Arte_Pito_Parintins (2)“Quanto mais eu estudo, mais eu entendo que a arte não pode vir de outra fonte que não seja Deus”.

A declaração acima é do artista plástico Glebson Oliveira da Silva, 27 anos, que vive em Parintins, cidade do interior do Amazonas. Além de trabalhar com desenho e pintura artística (aerografia), Pito, como é conhecido por muitos, é um expoente da cultura hip-hop na cidade: dança desde os dois anos de idade e também faz grafite.

Estudante do 8° período do Curso de Licenciatura em Artes Visuais da Universidade Federal do Amazonas – UFAM, Pito é fundador do grupo “Gravidade Zero”, composto atualmente por 30 pessoas, entre crianças, jovens e adultos.

A visão de que o hip-hop não é apenas dança, música e grafite surgiu em 2005, quando ele participou de um encontro mundial de hip-hop em Caracas, na Venezuela, com pessoas de 148 países. “Fiquei surpreso, pois o evento priorizava palestras e discussões sobre a realidade da periferia, discriminação racial e problemas sociais. Ali, o hip-hop estava unindo pessoas de várias partes do mundo, de diferentes religiões, etnias e culturas. Retornei a Parintins com uma nova visão sobre a cultura hip-hop. Entendendo como uma grande ferramenta de resistência e mobilização”, conta.

Confira a entrevista que Ultimato fez com o artista e algumas de suas obras: Continue lendo →

Estudantes, profissionais liberais, mães e crianças reuniram-se em ato contra a violência na manhã do último domingo (2 de agosto), em Manaus/AM. Empunhando faixas, cartazes e vestidos de branco, aproximadamente 200 manifestantes participaram do “Grito de Paz”, que teve início no anfiteatro do complexo turístico de Ponta Negra, percorreu um trecho da avenida e encerrou-se nas areias da praia, onde foram fincadas bandeiras brancas.

Organizado pelo grupo “Aliança Bíblica por Amor”, o objetivo foi reunir cidadãos inconformados com o sentimento de insegurança gerado pelo crescimento da violência em Manaus e protestar contra o alto índice de homicídios que vêm ocorrendo na cidade. Continue lendo →

amazonas-ribeirinhos (4)Imagine ter que gastar mais de mil e quinhentos reais do seu próprio bolso para viajar ao interior do Amazonas para pregar o Evangelho e levar ajuda física e social aos ribeirinhos. Apesar do valor do investimento, várias pessoas tem se voluntariado para participar de viagens como essas e são surpreendidas, pois, de acordo com o coordenador do projeto, “elas vão ao Amazonas na expectativa de mudar as vidas das pessoas e suas vidas é que são transformadas”.

Desde 2010, o pastor Felix Marinho trabalha no Sudeste como mobilizador para a causa missionária em comunidades ribeirinhas do Amazonas. Ele, que é um dos pastores auxiliares na Igreja Batista Boas Novas, em São Paulo, já organizou três viagens para o Amazonas, com a participação de diferentes igrejas do Rio de Janeiro, em parceira com a Missão Amazon Vida e a Primeira Igreja Batista de Parintins.

De acordo com Felix, o projeto tem caráter evangelístico e social e o objetivo é realizar diversas ações, tais como atendimentos médico, odontológico, exames oftalmológicos, distribuição de óculos de leitura, palestras educativas, construção de poços artesianos, distribuição de donativos, corte de cabelo, escola bíblica e evangelismo.

As próximas viagens acontecerão ainda este ano. A primeira no período de 14 a 22 de agosto e a segunda no período de 27 de agosto a 4 de setembro. As viagens têm como destino as comunidades próximas ao município de Parintins, na região do Baixo Amazonas. Continue lendo →