Testemunhos

Povos e Línguas apresenta trabalho da MEAP em Parnaíba, PI

Ultimato no Centro de Estudos Teológicos Brasileiro de Manaus, AM.

george_seminarioPor George Ribeiro Corrêa

Estive reunido com um grupo de alunos do seminário CETEO (Centro de Estudos Teológicos Brasileiro) em Manaus, um grupo diferente dos que eu já havia compartilhado a revista anteriormente. Bem antes desse primeiro encontro, tive a oportunidade de apresentar a revista Ultimato e propus um encontro para compartilharmos um artigo. Os alunos (pastores, lideres e missionários) gostaram da ideia e no dia 08 de setembro pela manhã, antes de começar a aula do seminário, compartilhei com o grupo a edição de Julho/ Agosto com o tema de capa “Os pregadores da esperança e os pregadores da descrença”.Na ocasião discutimos o artigo de Rene Padilla “Da compaixão que motiva a Missão”, p.54. Na leitura e reflexão do texto aprendemos que, apesar de Jonas relutar em obedecer ao mandato de Deus para transmitir a mensagem ao povo de Nínive, após sua oração de desespero (Jn. 2.2), resolveu obedecer a ordem dada (Jn 3.1,3) e começou a pregar uma mensagem de juízo para que o povo se arrependesse.
Comecei falando que muitas vezes somos como Jonas, queremos fugir da missão que Deus nos deu de compartilhar com o nosso próximo o evangelho, ou que muitas vezes até compartilhamos, mas na realidade não estamos sensíveis às necessidades das pessoas como ser humano e como imagem e semelhança de Deus. O profeta Jonas queria a destruição de Nínive (Jn 4.1,2), perguntei por que um profeta de Deus desejava isso ao povo? Jonas talvez não sentisse a compaixão de Deus em seu coração para com os Ninivitas. Deus não olhou somente para os pecados da cidade, mas para a decisão que eles fizeram: arrependeram-se de seus pecados. Diz a passagem bíblica queː “Jonas entrou na cidade e a percorreu durante um dia, proclamandoː “Daqui a quarenta dias Nínive será destruída”. Os ninivitas creram em Deus. Proclamaram um jejum, e todos eles, do maior ao menor, vestiram-se de pano de saco” (Jn 3. 4,5).

Mais >