Localizado no sertão piauiense, mais precisamente no município de Ribeira do Piauí, o maior parque de energia solar em operação da América do Sul produz energia suficiente para abastecer diariamente um município com 1,2 milhão de pessoas.

De acordo com a matéria do Jornal Nacional, veiculada dia 21/11, o parque está em uma área equivalente a setecentos campos de futebol, onde estão distribuídos quase um milhão de painéis solares. O que atraiu o projeto para o sertão piauiense foram as características da região: a forte radiação, a baixa umidade do ar e muitas horas de sol.

O Brasil tem pouco mais de 40% de sua energia gerada por fontes renováveis. Em relação à geração de eletricidade, as hidrelétricas são as principais forças, responsáveis por 64% da produção. Atualmente, a participação da energia solar na matriz energética do país é de apenas 0,2%, mas a meta é atingir 10% até 2030.

Energia eólica

O estado do Piauí também se destaca na geração de energia eólica desde 2008, quando foi instalado o primeiro parque. Em menos de 10 anos, já são 36 parques funcionando e mais 27 em construção, o que coloca Piauí entre os principais produtores desse tipo de energia no país, juntamente com Ceará, Rio Grande do Norte, Bahia e Rio Grande do Sul.

Os números comprovam a condição favorável do Brasil para a geração de energia eólica. No ano de 2016, por exemplo, a média da relação entre a capacidade instalada nas usinas eólicas no país e a efetiva geração de energia foi de 40,7%, enquanto a média mundial é de apenas 23,8%.

Energias renováveis

Em meio a danos ambientais cada vez mais aparentes no mundo, especialistas defendem o uso de energias renováveis para diminuir impactos como a emissão de gases de efeito estufa e o aquecimento global. Um dos meios para isso é a substituição do petróleo como elemento principal da matriz energética global por formas de maior eficiência, como solar e eólica.

O gráfico abaixo, produzido pela Gazeta do Povo, mostra a situação dos estados no que se refere à instalação de sistemas mini ou microgeração de energia, sete já aderiram à isenção de ICMS para a energia produzida em casa.

O potencial do Brasil

O Brasil tem um grande potencial para a geração de energia solar, superior até ao de outros países onde esse tipo de fonte é bastante usada para gerar energia elétrica. A Alemanha, por exemplo, tem índice de irradiação que resulta em 900 e 1.250 quilowatts-hora (kWh) por metro quadrado (m2) ao ano, na Espanha, o número varia de 1.200 a 1.850 KWh m2/ano. Enquanto isso, o Brasil produz entre 1.500 e 2.400 KWh m2/ano. Ou seja, o pior sol do Brasil, que está lá no Paraná e tem uma irradiação de 1500KWh m2/ano, é superior ao melhor sol da Alemanha.

Entre os países com maior potência de geração de energia solar instalada estão: China, Estados Unidos, Alemanha, Japão e Itália. Em 2015, a China alcançou o 1º lugar no ranking mundial de geração e os Estados Unidos ficaram em 2º, ambos superando a Alemanha, líder do ranking em 2014. Segundo o Boletim de 2015 do Ministério de Minas e Energia, o Brasil deve integrar o ranking dos 20 maiores produtores de energia solar em 2018.

Nota: Com informações de G1, EBC, Portal Brasil e Gazeta do Povo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>