Por José Carlos Brito

Dona Luzia, moradora de Betânia do Piauí, a 500 km de Teresina, capital do Piauí, é uma das pessoas prejudicadas pela grande estiagem que afeta o semiárido nordestino, há cinco anos. A falta de chuva atinge, direta e indiretamente, todos os moradores da cidade, que têm no plantio e na criação de animais a maior fonte de renda para suas famílias.

Por causa dessa situação, os moradores criam outras maneiras de conseguir o sustento e o pão de cada dia. Com dona Luzia, que é mãe de cinco filhos, não foi diferente. Como sempre teve aptidão para trabalhos manuais, ela começou a fazer diversos materiais de bordado. Após participar de cursos oferecidos pela prefeitura, conseguiu aprimorar seu talento e montou uma pequena barraquinha para vender seus bordados na feira da cidade, que acontece aos sábados.

Sempre muito bonitos e bem feitos, o trabalho de dona Luzia chamou a atenção de uma equipe de missionários vindos de São Paulo que estavam visitando o sertão. Alguns dos participantes da equipe, donos de confecções de roupa em São Paulo, conheceram os bordados da dona Luzia e propuseram uma parceria: dona Luzia confeccionaria algumas peças de decoração usando os retalhos de roupas que sobram das lojas em São Paulo. Foram realizadas algumas amostram iniciais, e todas as peças confeccionadas por dona Luzia tinham uma qualidade igual ou até superior das que vinham de São Paulo.

Dona Luzia produzindo peças de artesanato

Assim nasceu o projeto ArteSertão, no início de 2017. A primeira coleção de peças foi intitulada de “Meu Mandacaru” e foi confeccionada por dona Luzia e outras duas pessoas, que ela chamou para apoiar na produção. A partir do material enviado de São Paulo, elas produzem diversas peças artesanais, tais como chaveiros, vasos, peças para design de interior com o formato do mandacaru. As peças são comercializados em conferências, feiras, e em breve em uma loja virtual.

Por enquanto, o projeto representa uma renda extra para complementar o orçamento das mulheres. Mas a previsão é que o lucro aumente com um maior número de vendas, esperado para 2018.

A beleza do mandacaru

Quando todo o pasto seca e os animais não tem mais alimento, o mandacaru sempre é uma fonte de esperança e alivio para o sertanejo. O mandacaru está presente em quase todo o território do semiárido e serve de ração para os animais. É uma espécie que nunca para de crescer – quanto mais velho, maior fica. Mesmo cheio de espinhos, na época certa, brota no topo do mandacaru uma linda flor. Todos esses aspectos são encontrados na essência guerreira do povo sertanejo, que apesar das grandes dificuldades, sempre encontra um meio de continuar lutando, e nunca desiste de sua terra. Confeccionar artesanatos com o tema do mandacaru é mostrar esse espírito forte, destemido e cheio de esperança do sertão.

Para mais informações sobre o projeto “Meu Mandacaru”, entre em contato via e-mail: betania@novosertao.org.br ou pelo telefone (86) 994986498.

José Carlos Brito Filho vive há cinco anos em Betânia (PI), onde trabalha com plantação de igreja e com a ONG Instituto Novo Sertão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>