Por Jonathas Lira

Photo by Jeremy Bishop on Unsplash

Desde criança dizia que eu seria “missionário para ser comido pelos jacarés” (minha cabeça era muito fértil). Sempre soube que Deus tinha um plano especial para mim e que iria ser um pastor.

Enquanto isso não acontecia, liderei um clube bíblico na escola, ministérios na igreja e durante cinco fui anos líder da Juventude Batista do Amazonas.

Por orientação da minha mãe, comecei o curso de psicologia na Universidade Luterana do Brasil em Manaus, AM. Trabalhei com o meu pai, que como arquiteto sempre valorizou minhas habilidades artísticas. Mas sempre tive a convicção de que Deus utilizaria tudo isso para seu reino.

Em uma noite especial, novembro de 2005, depois de um congresso de missões, Deus me desafiou a sair de casa. Deixei meu pai, mãe e irmão. “Queimei minhas carroças e afundei meus barcos no cais” e fui para a Faculdade Teológica Batista de São Paulo, SP. A Fernanda – minha esposa, na época minha namorada – foi junto para cursar música.

Neste tempo, servimos na Igreja Batista em Perdizes e na Igreja Batista Memorial de São Paulo, SP. A partir de 2009, fomos seminaristas na Igreja Batista em Vila Dirce, onde tivemos oportunidade de aprender e auxiliar a Igreja no aconselhamento e no ensino.

Contudo, a nuvem andou! — Assim como aquela que guiava Israel no deserto. Recebi o convite para ser pastor de tempo integral. Pastoreei durante sete anos a Igreja Evangélica Batista em Ferreira, SP, como auxiliar e mais intencionalmente a juventude.

Foi um tempo incrível de muita aprendizagem! Errei e acertei, mas cresci bastante com tudo! Vivi os melhores anos da minha vida. A igreja sempre muito carinhosa. Minha ênfase era o aconselhamento, treinamento de equipes (líderes, missionários etc), além da ministração da Palavra.

Mas a nuvem andou de novo! Como diria Jesus — sabe quando você percebe os sinais de que vai chover? Durante um ano e meio comecei a discernir os sinais.

Comecei a perceber que meu tempo estava acabando ali. Tudo estava indo muito bem, mas senti Deus me direcionando. Havia um clamor e uma série de necessidades na minha cidade natal.

Quando passava minhas férias em Manaus, sentia que os jovens tinham uma grande necessidade de pastoreio. Começamos a orar — eu, minha esposa, e agora a Alice, nossa filhinha. Nos aconselhamos com amigos e mentores. Conhecemos vários jovens pastores que estavam revolucionando suas cidades com igrejas relevantes e contextualizadas.

Sentimos paz e decidimos obedecer a voz dele! Agora a nuvem está em Manaus — até a segunda ordem. Planejamos pastorear as ovelhas do Senhor Jesus aqui.

Inicialmente estamos servindo algumas igrejas, congregando na Comunidade Viva, no shopping Manauara. A Fernanda começou uma escola de música para continuar exercendo seu ministério, e eu seguirei com os aconselhamentos e discipulado.

Toda transição é difícil, pois o desconhecido gera medo. Mas nossa mente e coração estão guardados em Cristo, sabendo que aquele que começou a boa obra em nós, vai completá-la no Grande Dia.

• Jonathas Lira, pastor e psicólogo, é casado com Fernanda e pai da Alice.

  1. Toda historia de um chamado é bela. Esta q acabamos de ler não.foge a regra. Desafios. Preparo e resultados.

  2. Nhaiara Moura

    Gratidão por esse nuvem ter passado pela minha vida! “o vento sopra…. ssssshhhhhh”

  3. Manoel Júnior

    Que história de vida estimulante e edificante! E que aplicação surpreendente de um texto bíblico tão inspirador como este…!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>