Encontrar o Evangelho é como se deparar com um leão numa jaula

Certa vez, eu li em um livro que ir de encontro ao Evangelho é como se deparar com um leão solto da jaula: exige de você uma resposta imediata de tentar correr ou esperar a morte. Não há como enxergar a grande verdade da Bíblia, entendendo a nossa terrível condenação diante da grandiosa graça do nosso Deus que se entrega como o sacrifício perfeito levando a nossa culpa e nos dando a sua justiça, sem ter resposta. Quando entendi isso, minha vida foi transformada.

Tenho 20 anos e nasci em Jacundá, interior do Pará. Mas, quase em toda a minha vida fui criado na Capital, conhecida por ser a cidade das Mangueiras. Nas ruas de Belém, fui crescendo em uma família cristã, caminhando nas bases da fé cristã, de forma correta acerca das verdades do nosso Deus. Eu era frequente nos domingos, assíduo nas escolinhas e fiel nas atividades. Porém, toda a minha suposta espiritualidade era como práticas vazias, porque buscava obediência sem relacionamento com Deus.

E como um reflexo disso, dessa aparente rebeldia que é natural de um coração pecador, passei por algumas crises existenciais na busca por entender quem era Deus e como ele se relacionava comigo. Mesmo na fase de criança, essas crises eram reais pra mim. Ouvi muito, porém, na verdade, aprendi pouco. Não conhecia a Deus, de fato. Achava que a fé dos meus pais automaticamente seria a minha, e por isso, nunca me preocupei em cultivar essa vida de caminhada com Deus.

Aquilo que não é cultivado na Palavra não subsiste

Tudo isso, porém, começou a mudar alguns anos depois (especificamente em 2008) quando alguns jovens da minha igreja se reuniram em um Retiro de Jovens. Houve um grande mover de Deus naquele tempo onde muitos reconciliaram seus caminhos ao Senhor e se envolveram de uma forma muito mais intensa na caminhada com Deus: era algo diferente.

Aquilo aqueceu meu coração. Perceber que Deus não era um conceito abstrato, não era uma força ou muito menos uma ideia de alguns foi um grande choque de realidade. Ele era real! Ele é real! Ele está presente na história e se preocupa com a caminhada de cada um de nós trilhamos em tantos rumos da vida. Ele se demonstrou presente na vida daqueles jovens e eu queria aquilo para mim. Começou ali, na minha vida, uma busca por conhecer mais a Deus e a Cristo.

Porém, como algo que não é cultivado na Palavra não subsiste, minha busca por Deus desanimou e dali, passei por dois longos anos com uma fé distante de Deus. Extremamente desanimado e cada vez mais distante no relacionamento com Deus, meus pecados me afastavam de Deus e me faziam caminhar por um caminho escuro e tortuoso. Carregado por culpa, precisava ser lembrado das verdades básicas do Evangelho.

O leão apareceu para mim e eu me rendi

Aconteceu que em um aniversário comemorativo na minha Igreja fui severamente confrontado em uma pregação. Com a Igreja lotada, parecia que eu ouvia diretamente as palavras do Pregador. Meus pecados eram confrontados enquanto que a mensagem do Evangelho esmurrava meu orgulho, minha idolatria e me fazia dobrar os joelhos diante da grandeza do Eterno. Ali, eu orei e pedi que minha caminhada fosse completa até o fim da minha vida.

Naquela sublime noite de Junho de 2011, voltei para casa com os olhos inchados de choro na reflexão de que a minha vida precisava ser diferente. Porém, firmada na Palavra. Eu queria fazer aquela oração valer a pena, pedindo para que Deus me guardasse fiel. Por isso, busquei conhecer mais a Deus por meio das Escrituras.

Comecei a ler quase que todos os dias, durante praticamente o dia inteiro, a Palavra de Deus. Aproveitava minhas férias da escola para aprender tudo o que eu deveria aprender naqueles dois últimos anos. Foram tempos incríveis. Ali, eu tinha a convicção de que a certeza do Evangelho havia preenchido minha vida. O leão havia aparecido para mim e eu me rendi.

Digamos que aquele ano tenha sido decisivo, pois além de ter a minha fé firmada na Graça do Evangelho de Cruz, foi o ano das minhas principais decisões. Fui para o Acampamento Palavra da Vida em Julho naquele mesmo ano, e ali, percebi que rumo a minha vida precisaria tomar. Em um clássico culto da Fogueira, percebi que a minha vida poderia ser usada para algo muito além do que eu via na caminhada dos outros: eu poderia gastar a minha vida para que outros pudessem receber vida. Ali, decidi ir para o Seminário. Ali, percebi e decidi dedicar minha vida para o Ministério Integral.

Mais de cinco anos depois, permaneço nas mesmas convicções pela graça e misericórdia de Deus. Me formei em 2016 pelo Palavra da Vida Norte, e agora começo a trilhar os pequenos passos do ministério. Faço Faculdade de Publicidade e Propaganda, e mantenho firme o meu objetivo ministerial de desafiar e inspirar outros jovens a encontrarem seu caminho na jornada vocacional. Hoje, minhas certezas são mais maduras pela Palavra ao mesmo tempo que permaneço um jovem marcado por aquilo que Cristo fez por mim naquela cruz: redimiu alguém que era cego, mas agora pode ver.

• Amarildo Boff Júnior mora em Belém (PA) e é estudante de Publicidade e Propaganda.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>