Eu sou daqueles que pirou quando assistiu Matrix pela primeira vez no cinema em 1999. Que pena que os outros dois foram ruins e acabaram estragando a imagem do primeiro filme, que é praticamente perfeito.

Nunca me esqueço de uma cena num restaurante onde o personagem Cypher, que está traindo os da resistência, pega um pedaço de carne e fala: “Eu sei que este pedaço de carne não existe, mas a Matrix diz ao meu cérebro que ele é suculento e delicioso. Após nove anos, sabe o que percebi? A ignorância é maravilhosa…”

Essa cena descreve a pura verdade, a ignorância é prazerosa e cômoda, muitos querem continuar sendo iludidos para continuarem na zona de conforto.

Sempre tive dó desses músicos com ouvido absoluto, já pensou? Eles não curtem uma música como os outros, nem conseguem comer em restaurantes com música ao vivo, pois vão sempre estar incomodados com uma semi-tonada que alguém der. Mas eu, pelo contrário, posso “curtir” a música se estiver razoavelmente aceitável para a maioria.

Meu pai, por ser desenhista, me confidenciou certa vez que sempre que vai visitar alguém fica incomodado o tempo todo com os quadros “tortos” da parede. Mas a maioria das pessoas nem tinham, sequer, reparado nos quadros.

Foi assim que aconteceu comigo e com muitos que conheço, quando começamos a ler a bíblia e comparar com o que vivemos e temos visto.

Não dá para aceitar, é como se o quadro estivesse torto ou os instrumentos desafinados. Não conseguimos ficar calado, precisamos falar e mostrar que muita coisa que estamos vivendo não tem nada a ver com o evangelho.

Mas o que tenho reparado é que uma parte dos que estavam na ignorância decidem voltar para ela, pois o conhecimento gera uma responsabilidade que eles não querem carregar.

Karl Marx tinha uma boa parte de razão quando falou que a religião era o ópio do povo, pois assim como o ópio, certas teologias, mesmo sendo mentirosas, tiram da realidade a pessoa e criam uma neblina de ilusão prazerosa.

Acreditamos que se alguém conhece a Verdade, ela vai libertar. Não só do pecado, mas do legalismo, de uma religião opressora, de um sistema político corrupto, de uma tradição morta.

Mas para isso temos que ter coragem e responsabilidade de escolher o que não é o mais prazeroso e nem o mais cômodo, para ficar com a verdade.

Em uma sociedade hedonista, vejo cada vez mais pessoas abraçando e valorizando a ignorância, dizendo: Eu sei que é mentira essa teologia, mas como a ignorância é prazerosa…

  1. Botelho, ótima reflexão sobre esta alienação prazerosa na qual muitos cristãos vivem consciente ou inconscientemente. Não quero voltar à ignorância que tempos atrás me teve como participante. Valew pela mensagem… Muito boa…Renato Ribeirohttp://renatoroliveira.wordpress.com/http://www.ipbriopreto.org.br/ump/

  2. @veronica_stsÉ uma realidade, principalmente com os jovens,quando o evangelho da graça toma conta de nós, algo passa a estar muito certo. Vivemos na verdade e na realidade. Embora para algumas pessoas reconhecer a verdade pode parecer um fardo, então elas preferem viver na ignorância prazerosa. Mas Deus não apenas nos ama como somos, mas tbm nos CONHECE como somos. Por causa disso não precisamos aplicar maquiagem espiritual para fazer-mos aceitáveis diante dele, é necessário sim que vivamos na verdade e na realidade do amor de Cristo Jesus!!!!

  3. Eu, recém operada, arrumava os quadros tortos do corredor do hospital, enquanto aguardava meu marido sair da sala de cirurgia, sim, levamos a sério a frase "Na saude e na doença".Pra que fazer, se eu posso comprar feito?Pra que pensar, se tenho um "ungido" que pensa por mim?E não levamos a vida, deixamos ela nos levar…

  4. Oi Marcos, parabéns pelo texto.Estou tendo umas aulas de comunicação. No primeiro dia de aula, o professor disse que ia nos dar as pílulas azul e vermelha, como no Matrix. Quem escolhesse uma, iria embora como se nada tivesse acontecido, e continuaria a desfrutar dos prazeres da ignorância. Quem escolhesse a outra, iria adquirir visão crítica, e começaria a entender como o mundo realmente funciona. Advinha: das 36 pessoas que estavam lá no primeiro dia de aula, só 5 continuaram! ou seja: 31 optaram pela ignorância, optaram por continuar vivendo uma vida prazerosa, mas cheia de mentiras..Agora o professor ensina a nós 5 a não sermos enganados, a adquirirmos essa visão crítica. É engraçado ver a mudança.. as vezes simplesmente não tenho vontade de ir a uma festinha com coleguinhas.. Não acho que a felicidade está aí. Às vezes questiono o quanto a sabedoria custa caro.. Mas prefiro continuar buscando-a, do que viver nos prazeres da ignorância.Parabéns pelo texto Botelho! =)

  5. O que falta nas pessoas é autenticidade. É bem mais fácil e cômodo seguir o fluxo; o senso comum. Lendo esse texto me lembrei de Kant e sua definição de esclarecimento. Que só o alcançamos quando lutamos contra a preguiça e a covardia. É necessário servir-mos de nós mesmos sem a direção do outro. Rs, isso é um exemplo de eu sendo eu mesmo. Ótimo texto, esse assunto dá pra estender até (…)

  6. Mas o que tenho reparado é que uma parte dos que estavam na ignorância decidem voltar para ela, pois o conhecimento gera uma responsabilidade que eles não querem carregar = #FatoÓtimo texto, Marquinhos! Deus te abençoe!

  7. Como tenho sentido isso q vc falou no texto!Muitas vezes estamos na posição de Paulo, querendo resgatar o verdadeiro Evangelho, Cristo puro, sem alterações de nossas crenças e vontades, mas isso tem se tornado cada vez mais distante…mas acredito mtooo que podemos colocar a boca no trombone e mostrar que a VERDADE AINDA ESTÁ DE PÉ! Que tal fazermos uma grande CAMPANHA focada nisso!? Todos os Blogs falando sobre isso e tal…quero mt colocar essa ideia p frente!meu e-mail é : rebecacunha@gmail.com e meu blog é http://deusgrandao.blogspot.com/

  8. Luis Guilherme(gLoDs)

    Realmente caro Botelho, evangelho sem trasformação, não é o mesmo evangelho que leio em minha bíblia. É mais fácil aceitar o comôdo mesmo sabendo que não é a verdade. Pois como pode nós evangélicos mandar todo ano milhares e milhares de missíonarios para Africa e aquele continente que se diz o mais evangelizado, também é o que tem os niveis sociais mais baixos… e ai onde esta o nosso evangelho transformador ????

  9. Cleiton Ferreira Rocha

    Pazgostei muito de seu texto e tomei a liberdade de o postar em meu blog.quaso esteja em discordância,avise-me e o tirarei de imediatoDEUS ABENÇOE,SEMPRE

  10. Para começar tenho uma coisa a dizer q foi vc q ensinou:- Toma essa ignorância!!!João é claro em diser que: "Esta é a mensagem que dele ouvimos e transmitimos a vocês: Deus é luz; nele não há treva alguma." 1 Jo 1: 5E eu traduzo assim: "Esta é a mensagem que dele ouvimos e transmitimos a vocês: Deus é SABEDORIA; nele não há IGNORÂNCIA alguma."Fica claro que quem preferi a ignorância está em treves e a única solução e estar na luz, mas o que eu acho muito massa é que: "Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado." 1 Jo 1: 7A VERDADE LIBERTÁ! Quem prefere estar na luz desfrutará da comunhão dos filhos de Deus, por isso quanod vejo o "mal necessário" chamado denominações entendo o "breu" q nos rodeia e fico triste com a dificuldade q tenho para lidar q podemos ser um mas quando preferimos não dividir mas unir…Shalom heróis!!!Heróis da Fé – Deus te fez par ser um herói então seja – http://www.heroisdafe-hdf.vai.la

  11. – "Ignorante, eu que sou fariseu?"Ótimo, e quando lembro de Matrix, lembro da escolha entre o real e irreal.A duras penas descobri que Deus é real.Um abraço!

  12. É… Andando nos blogs hoje em dia, cada vez mais me surpreendo que alguns brasileiros ainda pensam fora da caixa, é otimo ver isso e não apenas vomitos literarios e desabafos. OTimo ponto de vista, gostei da forma como expos sua visão e outra, concordo plenamente com tudo, tudo mesmo. Abraços e bom blog.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>