Geração 80:
Cazuza, em uma de suas músicas, anunciou como um grito o que os jovens estavam passando na década de 80: “Meus heróis morreram de overdose, os meus inimigos estão no poder. Ideologia eu quero uma pra viver”.

Uma geração que sonhava muito com a liberdade que a ditadura abafou em seus corações. Focaram seus esforços, talentos e estudos na busca de uma ideologia que prometia uma vida mais livre!

Mas a queda da ditadura e a “liberdade” tão pregada por eles não foi um mar de rosas como se esperava . Os heróis, personalizados nos cantores e suas bandas, estavam se lixando com tudo e todos e alguns acabaram morrendo de overdose ou AIDS.Os grandes acordos políticos foram feitos e os mesmos políticos continuaram no poder transformando a liberdade democrática em mais uma bandeira publicitária focada em seus próprios interesses.

No fim da década de 80 aquele menino que ia mudar o mundo não tinha muito mais para onde ir, nem o que lutar contra, pois, teoricamente, já tinham conquistado o que procuravam. Mas a angústia ainda estava nos corações daqueles jovens, como se não tivessem encontrado o que realmente procuravam.

Geração 2010:
Sinto que nós jovens evangélicos chegamos, depois de 20 anos, na mesma situação e, parafraseando o grande poeta:

Meus heróis morreram de overEgo, os meus inimigos estão na TV. Teologia eu quero uma pra viver!

Sou de uma geração que sonhou com um evangelho mais jovem e contextualizado, com evangélicos se destacando na sociedade. Focamos nossos esforços, talentos e estudos na busca de uma teologia que prometia uma vida mais livre!

Mas hoje olho para os meus heróis morrendo de OverEgo, onde tudo gira em torno deles, líderes religiosos que se acham a voz de Deus aqui na terra e estão se lixando com tudo e todos.

Vejo eventos e congressos onde estes meus heróis, preletores, chegam, dão suas palestras e saem antes mesmo de acabar a reunião. Não os conheço, nem sei como são pessoalmente, se tornaram só boas idéias. São líderes gnósticos que não se encarnaram em nosso meio, mas que possuem um conhecimento mais profundo da bíblia. O pior é ver que a cada dia estou me tornando a imagem e semelhança deles. Estou destinado a morrer de overego.

A angústia de toda vez que me declaro evangélico ser relacionado com os pregadores da TV brasileira me irrita. Percebo que os meus inimigos estão na TV. Pois sou confundido com o que mais tenho repúdio.

E a notícia que seremos 50% da população, em breve no Brasil, deixa aquele menino que ia mudar o mundo com uma sensação de não ter mais para onde ir, nem contra o que lutar, e que agora assiste tudo em cima do muro. Mas a angústia ainda está no meu coração, como se eu não tivesse encontrado o que realmente procuro .

Um grito em minha alma ainda me perturba, repetindo a frase que ouvi da música do U2 “But I still haven’t found what I’m looking for”.


  1. Muito, mas muitíssimo bom, Marcão. Como sempre você é pontual em suas observações e reflexões.Deus lhe abençoe. Anseio por te conhecer pessoalmente e arrancar-lhe um abraço – infelizmenteo – corinthiano.rsBrincadeiras a parte, Salve, salve…ainda existem heróis que não usam essa droga de teologia da prosperidade.

  2. Marcos,Vc sabe o quanto sou crítico. E dá pra me arriscar nessa e dizer que este foi o melhor texto que eu já li de sua autoria.Não temos contra quem lutar?Acho que é a mesma luta de sempre. A luta da subversão. A luta contra tudo e todos. Só que desta vez contra uns caras que se travestiram de igreja do outro lado.Acho que a nossa luta é muito parecida com a dos profetas. Contra "reis que, ungidos, personificam a não-realização da unção".Não há o que temer. O apóstolo Paulo já entregou falsos mestres a Satanás.

  3. Mais um ótimo texto, Marquinhos!Bruno Germano e vc fizeram borbulhar idéias dentro da minha cabeça, vou acabar fazendo um texto também!Deus continue te abençoando, beijos!

  4. Esse texto foi direto ao ponto, acredito que essa é a visão de muitos, eu mesmo estive pensando nisso essa semana. Quando tu chega pra falar de Deus e do evangelho pra alguém, eles já associam a dinheiro, a bens materiais e pastores que só querem encher os bolsos de dinheiro. Ao mesmo tempo que tem gente boa, querendo pregar o evangelho genuíno, tem gente ruim querendo se beneficiar do desespero do povo, que anda sem saber aonde ir, que desconhecem a verdade e que são cegados pelas belas e suaves palavras que massageiam seus egos e que na realidade não apresentam verdade nenhuma.O grande problema é que virou moda ser evangélico, para assim vestir a capa de santinho… A população cristã está crescendo mas sem base nenhuma, muitos migrarão para a próxima modinha(o islamismo também está crescendo, quem sabe não será a próxima modinha), caso haja uma. Muitos pensam que ir a igreja e escutar a pregação lhe trará a salvação, e que basta vestir a capinha e ser feliz. Deus nos convida a viver com ele, e não fazer uma visitinha no domingo. Enquanto pessoas morrem sem conhecer a Deus, os cristãos lúcidos estão tendo de se ocupar com os que se dizem cristãos mais andam sem direção pois seu pastor está contando dinheiro.É realmente um desafio para igreja, mas temos ao nosso lado o Todo Poderoso. O único heroi desse mundo é Jesus, pois entregou sua vida em amor à todos nós, que levou nossos pecados e nos fez livres.

  5. Cara, demais o texto… Espetacular, mesmo!É muito bom pra nós, evangélicos, saber que ainda existem pessoas na liderança que se importam com isso… Saber que, quando ouvimos a palavra vinda dessas pessoas como você, estamos ouvindo de alguém que realmente se importa conosco, que quer dividir suas experiências e também aprender com as nossas.Afinal somos todos do mesmo povo e vivemos sob os mesmos cuidados de Deus, o que nos diferencia é a maneira como encaramos e reagimos às decisões d`Ele para nossas vidas…Abraço e continue nesse caminho, porque você vem fazendo muita diferença na vida de muitas pessoas!!

  6. Olá Marcos!òtimo post.Os grandes líderes que nasceram no país nos anos 70 e 80 já viveram este momento de questionamentos de um evangelho que estava se tornando muito legalista. E saímos de um legalismo farisaico para uma secularização da fé de com uma forma completamente superficial. E a própria televisão que é apenas um instrumento de mídia para transmitir algumas poucas palavras a respeito o evangelho é tratado por muitos líderes e cristãos em geral como forma central de pregar um evangelho, que alias não tem falado nada sobre a obra de Cristo. televisão é um veículo de massa e o evangelho de Jesus é relacionamento íntimo, pessoal e de discipulado.O pior é que isso vem associado com a sociedade em geral que é também superficial e preconceituosa. Vive de turbulhões de informações, mas de pouco conhecimento. Então a informação mais rapida é a que se senta e recebe na TV. Até os programas que parecem ter um olhar de crítica ou tendo um humor crítico, na verdade, só divertem e não estimulam a reflexão.Enfim, o que as pessoas conhecem são os líderes da grande mídia, e outros pastores como você, Marcos, e tantos outros (que inclusive não são poucos) que vão num sentido contrário não serão citados. E os jovens que o pessoal diz conhecer são os da gravação dos DVDs (nada contra) que parecem que querem um alívio, um evangelho de terapia e não de transformação, mas isso é uma prénoção. Tenho me surpreendido porque muitas pessoas que tem sido referência para minha vida espiritual e cristã são jovens e desconhecidos, que servem numa pequena igreja local (muitos mais novos que eu) e eu sou nova, tenho apenas 20 anos.Os grandes pastores e cantores, na maioria das vezes, não tem culpa quanto a isso, mas fazem parte desse jogo do mito. chegam com a aparência de ter a família que é perfeita, os melhores talentos, boa vida financeira, conseguem viver só do dom que Deus deu a eles (música, pregações, etc), sempre recebem os milagres pedidos, etc. Eu axo ridículo quando vêm certos líderes e põe a culpa nos pastores e cantores famosos, isso é minimizar o problema.Mas eu sou otimista, cara. Isso pode virar de jogo. E agora é a vez da nossa geração. Agente tem o privilégio de estudar os erros dos que nos antecederam, pedir perdão e mudar a história. Tendo em mente que muitas vezes fomos abençoados por estes mesmos líderes que hoje questionamos. Mas sempre foi assim na história do cristianismo…"Quem dá a harpa não dá o tom!" by: Lu.

  7. Excelente reflexão, Botelho!É curioso perceber o quanto a grande massa evangélica está cega no que diz respeito a essas barbeiragens que os tele-evangelistas vem fazendo por aí.Vão atrás do cara que tem um milhão de DVDs de pregações, que conseguem reunir mais de dez mil pessoas em cada culto-show em que vão pregar, os famosos 'pregadores de multidões'!Mas pouquíssimos estão preocupados em ouvir a verdadeira palavra, ou, como sempre insiste a Dri Degaspari, em ser 'bereanos'e verificar se tudo o que esses caras pregam está de acordo com o que a Palavra verdadeira diz.E é triste ver também que os jovens estão indo por esse mesmo caminho, incentivados pelos mais velhos da igreja.Mas fico tão feliz sempre que vejo gente jovem ou velha remando contra essa maré!Começo a achar até que há uma esperança.. hahaAguardamos os próximos textos da série! 🙂

    • Caroline, vc as vezes tem uma lucidez que parece mais velha do que é. Parabéns pela sua percepção! Continue firme nesta luta. Deus te guarde e te dê sensiblidade para repartir isto com outros.

  8. O interessante é que cada comentário virou um outro texto. hehehehe Qdo falamos algo que vem do Espírito é isso que acontece, a boa palavra tem boas ressonâcias!!!Observei que vc, de alguma forma, fez um auto alerta: "O pior é ver que a cada dia estou me tornando a imagem e semelhança deles. Estou destinado a morrer de overego." Desejo, tenho fé e oro pra que isso não aconteça contigo, que seja o contrário! Busque matar seu Ego dia-a-dia! Vc não me conhece pessoalmente…. mas te digo:Fique firme dae que estaremos segurando as cordas daqui, continue inspirando-nos com a revelação que tens da palavra, enchendo-nos através do seu compartilhar pela motivação que o Espírito do Senhor ti dá. Um sincero abraço.

  9. Eu fico imaginando o que seriam os apóstolos e Jesus nesse nosso século, acho que nem sequer deixariamos eles entrarem em nossas igrejas……. Mas enquanto existirem pessoas para lutar contra essas coisas ainda há esperança…Beto

  10. gostei dos pontos de vista, mas…¬¬Marcos… colocar como exemplo uma música secular!!! Poxa, ouço flar tanto de vc, naum esperava isso. Nós somos vasos de Deus e temos q ser cheios d'Ele, naum de músicas seculares. Seus pontos de vista são mto bons, mas, como esse é um blog evangélico, o q vc acha que pessoas do mundo vão axar dos evangélicos qndo veram um deles(o dono do blog) flando do cazuza, pior ainda, usando uma música dele para levar a palavra de Deus… como vi nesse blog, vc usa várias músicas seculares. Peço pra q vc pense no testemunho. O q vc pensaria se vc passase na frente da casa de uma pessoas cristã e ouvisse uma música assim: "Chão! Chão! Chão! Chão! Chão, chão, chão. Chão! Chão! "?Pense no assunto…

  11. Meus heróis morreram de overEgo, os meus inimigos estão na TV. Teologia eu quero uma pra viver!Parabéns pelo post e por essa frase, já vi que alguns crentões xiitas te criticaram pelo paralelo com Cazuza… não esquenta…Cazuza só destruiu a si próprio e foi digno a misericórdia e compaixão da nossa parte… diferentemente dos Lobos que destroem almas com seus falsos evangelhos… esses sim não merecem nem a nossa companhia e cumprimento como o Apóstolo Paulo já disse.Um abraço!

  12. Muito bom Marcão!Eu já era jovem no início dessa tal "geração gospel" e vi as rádios e bandas comerciais gospel surgir! Devo ter ido nos primeiros Shows que apareceram, quando todo mundo estranhava essa coisa de crentes lotar o Pacaembú pra um show de rock de crentes? O que vi depois dessa época, foram todas as novidades perdendo seu significado, e pior, o sentido! Meus amigos viraram Super Pastores, que curam e concertam qualquer problema, outros se alienaram nesse mundo-mercado-religioso-pós-gospel, alguns, já que não era mais pra ter sentido, voltaram para suas vidas de antes (e até que fizeram bem), e muitos poucos da minha turma (uns 100 jovens aqui em Sta Bárbara d'Oeste)!Quando entrei no seminário, o Ricardo Agreste nos desafiou a fazer uma oração (caso tivéssemos coragem), que foi assim "Deus, não me deixe prosseguir se for para ser apenas mais um", e eu ainda faço essa oração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>