Depois de ler um “textão” nas redes sociais, tenho a terrível mania de dar uma olhada nos comentários. É uma mistura de pesquisa social, auto-tortura e um lembrete forçado da total deturpação do ser humano. Esses comentários contêm muito lixo, bestialidade, ódio; mas também, de forma mais rara, algumas pérolas, bom senso e até voz profética.

Há alguns dias estava lendo um desses textões nonsense, no qual o autor claramente se achava o messias do mundo, destilando veneno e ódio para todo os lados. Como sempre, fui me torturar nos comentários. Percebi que lá encontrava o mesmo que nos meus “textões”: alguns aplausos, o “muito obrigado por esse texto”, o cara que xinga a mãe, a menina do “Não jugueis”, o cara que comenta sem nem ter lido e até a hashtag de algum possível candidato em 2018. Continue lendo →

Esta semana participei de um encontro para discutir a liberdade religiosa no Brasil. Estive ao lado de líderes das religiões budista, muçulmana e do candomblé.

Confesso que geralmente não aprecio esses debates, pois vejo da parte de alguns uma teologia muito “liberal”, em que os pilares da revelação são relativizados.

Mas foi tão bom ouvi-los e quebrar alguns estereótipos. Encontros desse tipo promovem o bom convívio cívico e nos fazem crescer. Quando conhecemos o outro, não damos espaço para o medo e, consequentemente, surgem a tolerância e o respeito.

Para mim é muita incoerência um discípulo de Jesus não ser a favor da liberdade religiosa. Diria que é impossível! Continue lendo →

Aqui vai meu vídeo/crítica sobre BANCADA EVANGÉLICA. Sei que a crítica é forte, mas buscamos todos o melhor para o nosso país, pois queremos encontrar representantes que portem nossos valores morais, éticos e de justiça social.

Podem concordar ou discordar da minha opinião, só peço respeito nos comentários.

Assine o nosso canal do youtube e assista dos os vídeos na hora que subimos os vídeos AQUI! 

 

Uma das parábolas mais famosas de Jesus é a chamada “O Filho Pródigo”, que aparece no capítulo 15 do livro de Lucas. Dar um nome tão inapropriado para essa parábola reflete muito da condição religiosa dos estudiosos que deram esse título, como a minha e a sua também.

Pra começar, a parábola fala de dois filhos e não só de um, e fala de um filho gastão (pródigo) e de outro pão duro (avarento). Um deles expõe sua vontade; já o outro a deixa implícita. O filho mais novo é o profano e o mais velho, o religioso.

Por que será que só lembramos do primeiro filho? Por que, na maioria das vezes, pregadores se atêm ao filho profano? Porque somos uma geração perdida na religiosidade, uma geração que fecha a porta do Reino do Céu para os outros. Mas nós mesmos não vamos conseguir entrar por ela.

O contexto literário do capítulo mostra que Jesus está sentado e ensinando aos pecadores mundanos, e que isso incomodou muito os líderes religiosos, a ponto de questionarem o ministério de Cristo. Jesus tenta explicar com três parábolas exatamente o que nos faz esquecer do irmão mais velho na terceira delas: que os religiosos estão mais perdidos dos que os pecadores mundanos!

Na parábola, os dois filhos querem um relacionamento ou de senhores (patrões) ou de servos (empregados), e essas duas formas de se relacionarem não são as formas oferecidas pelo pai. Continue lendo →

O episódio do vigia que ateou fogo nas crianças de uma creche, em uma professora e em si mesmo aconteceu algumas semanas atrás e ainda mexe comigo. Demorei a escrever pois fiquei muito abalado.

O terrorismo, que costumamos ver por notícias de outros países, tem várias formas, motivos e origens. Mas cada vez mais vemos esse terror chegando em nosso país.

A maior covardia que observo nessas barbáries é quando o terrorista se mata junto. De certo moto, toda a esperança de justiça e até de vingança se perde, pelo menos para essa vida curta que temos.

O que vou falar a seguir talvez não seja “digno” de um pastor, mas fico indignado ao refletir sobre aquelas mães, que perderam seus filhos e nem puderam ver o algoz ser preso até o final de sua miserável vida, ou até mesmo gritar na cara dele um “desgraçado sem alma!”.

No meio dessa revolta eu me lembro da cruz de Cristo, a antítese do terrorismo! Continue lendo →