quartas
Por Elsie Gilbert

Há alguns anos atrás me vi diante do seguinte dilema. Trabalhava como missionária numa organização social cristã. Meu trabalho era levar as mães das crianças atendidas a um relacionamento com Jesus Cristo, só que eu não queria fazer proselitismo no sentido de tentar mudar a religião delas para a minha. Neste contexto, eu comecei a conversar com as mulheres sobre a vida espiritual delas.

Lembrei a elas que gastavam bastante tempo se preocupando com os aspectos físicos da vida: moradia, alimentação, medicamentos, exercício físico, etc. Elas também gastavam tempo com o lado emocional e relacional de suas vidas: conversando, visitando, ajudando familiares, buscando forma de recrear, etc. Finalmente perguntei: “Que tempo vocês dedicam à sua vida espiritual?” Percebi que tinha acertado minha estratégia quando pedi a um pastor para falar com elas e ele contou para elas sobre como Jesus queria ouví-las, no quarto, em secreto. A forma como elas receberam esta mensagem foi impressionante. Era como se estivessem sendo alimentadas num nível profundo e satisfatório. Elas estavam com fome na alma!

2013_Exposição_Liturgia-14Ao final eu sempre dizia: “Vocês precisam alimentar o espírito. Em que lugar há outras pessoas buscando fazer a mesma coisa? Não é no banco da praça, nem na sala em frente da TV. Mas também não precisa ser na minha igreja. De qualquer forma vocês precisam buscar este lugar!

Talvez hoje eu seria mais enfática. Eu acredito na igreja. Imperfeita, disfuncional, problemática, a igreja continua porque ela não é projeto nosso e sim de Deus! À medida que meus filhos crescem e eu convivo com mais adolescentes e jovens, percebo a dificuldade que é para muitos acreditar na igreja e investir nela. Eles pertencem a uma geração que contabiliza tudo em termos de “retorno sobre seu investimento.” O que vou ganhar? O que ela tem para me oferecer? Continue lendo →

terçasMaristasO Instituto Marista de Assistência Social/IMAS divulga um fascículo sobre Conferências Livres dos Direitos da Criança e do Adolescente. O recurso ajuda àqueles que querem incluir a voz da criança e adolescentes nas discussões sobre seus próprios direitos. Se vamos discutir sobre as crianças e adolescentes, vamos incluí-los na conversa também! A proposta do fascículo é contribuir para que a  participação desses públicos nas nas discussões de políticas públicas seja efetiva.

 

Para baixar o PDF completo (clique aqui!)

Para baixar o guia com as orientações (clique aqui!)

segundaspor Elsie B. C. Gilbert*

“Alegrem-se sempre.” 1 Tessalonicenses 5.16

São vários os verbos no português que indicam o ato de ter prazer em algo: saboreie a comida, aproveite o sol, aproveite a vida, desfrute sua aposentadoria, aprecie esta fotografia, divirta-se na festa, curta a sua netinha. Em inglês há uma palavra que reúne todos estes significados: ENJOY. En no latim significa “fazer”, e joy vem do francês arcaico e significa “alegria”. Ficar alegre com alguém ou alguma coisa parece uma atitude um tanto passiva, que depende mais da circunstância do que de uma decisão. O que eu gosto no verbo ENJOY é que ele é ativo. Eu determino, faço a partir da minha vontade, com que eu tenha prazer em algo, alguém, alguma coisa.

Com certeza, isto é mais fácil de falar do que praticar. Até aqui, nenhuma novidade! Mas de vez em quando estas lições, já lidas e relidas em passagens bíblicas ficam mais evidentes para nós. Continue lendo →

 

quartas

Por Elsie Gilbert

Helen Keller: "Eu prefiro andar no escuro com um amigo do que na luz sozinha."Amizade é muito importante para todos nós. C.S. Lewis escreveu: “Amizade é desnecessária, como a filosofia, como a arte… Não tem valor para a sobrevivência, antes, ela é uma daquelas coisas que dá valor à sobrevivência.”  E Helen Keller, a menina que ficou cega e surda aos 18 meses de idade e que, com a ajuda de sua tutora Anne Sullivan, veio a se tornar uma grande escritora, filosofa e conferencista, disse certa vez: “Eu prefiro andar no escuro com um amigo do que sozinha na luz.”

 
Helen Keller: “Eu prefiro andar no escuro com um amigo do que na luz sozinha.”

Então, pensando numa igreja que se propõe a ser amiga da criança, o que ela deve fazer? Ora, é simples, basta seguir o exemplo de Jesus e obedecer a ele no que diz com respeito à criança. O que Jesus fez quando os discípulos tentaram controlar a situação para que as crianças não o incomodassem?

“Quando Jesus viu isso, ficou indignado e lhes disse: ‘Deixem vir a mim as crianças, não as impeçam; pois o Reino de Deus pertence aos que são semelhantes a elas. Digo-lhes a verdade: Quem não receber o Reino de Deus como uma criança, nunca entrará nele’. Em seguida, tomou as crianças nos braços, impôs-lhes as mãos e as abençoou.”

Precisamos imitar a Jesus na sua amizade para com as crianças. Toda igreja então precisa ser: Continue lendo →

terças

 

A nossa dica de hoje é o filmeO Coração Corajoso de Irena Sendler lançado em 2009 que conta a história de vida de Irena Sendler. Conhecida como “A mãe das crianças do Holocausto” ou “O Anjo do Gueto de Varsóvia”, ajudou a salvar a vida de mais de 2.500 crianças judias, que eram mantidas em campos de concentração na Segunda Guerra Mundial. Naquela época Irena usava diversos meios para esconder as crianças buscando liberta-las do Gueto, como em cestas de lixo, caixas de ferramentas, em sacos de batata e até mesmo em caixões.

IrenaA partir daí, as crianças íam para lares provisórios e lá Irena mudava os nomes das crianças para que elas não fossem descobertas. Para não esquecer as identidades das crianças e que no futuro elas pudessem reencontrar suas famílias, ela escrevia em pedaços de papel os dados de cada uma e colocava dentro de uma jarra e enterrava no quintal. Quando os nazistas descobriram que ela ajudava as crianças ela foi presa e torturada. Mesmo muito debilitada Irena não contou o destino das crianças e foi condenada à morte. No dia de sua execução, um soldado alemão ajudou Irena a fugir livrando-a da morte.

Em 2007 foi indicada ao prêmio Nobel da Paz. No ano de 2008 Irena Sendler morreu aos 98 anos, desde então a organização Life in a Jar (“A vida numa jarra”) está dando continuidade ao seu trabalho.

“A razão pela qual resgatei as crianças tem origem no meu lar, na minha infância. Fui educada na crença de que uma pessoa necessitada deve ser ajudada com o coração, sem importar a sua religião ou nacionalidade”. Irena Sendler

assista o filme!

7237-101413-gs7237Por Elsie Gilbert

Que tal abraçar apenas um dia de cada vez?

“Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.” Mateus 6:34

Continuo na minha saga de mudança. Agora estou na casa onde morarei pelos próximos seis meses. Mas tudo ainda está fora do lugar! Algumas coisas estão sem lugar, como documentos e material de escritório.

Ao mesmo tempo em que tentamos nos organizar na casa nova, temos o compromisso de manter nossos compromissos em ministério. Meu marido se prepara esta semana para sua viagem ao Amazonas na semana que vem. Não queremos deixar de cumprir os compromissos que fizemos no começo do ano. Um deles envolvia uma visita à uma comunidade ribeirinha que fica a 20 horas de balsa partindo de Manaus. Continue lendo →

sextasAluno e professor

 

 

 

 

 

Um professor de escola dominical perguntou para seus alunos: “Crianças, todos vocês fazem  suas orações à noite?”

Um menino respondeu: “Minha mãe é quem faz minhas orações.”

“Sei”, disse o professor. “E o que sua mãe fala?”

O menino respondeu: “Graças a Deus ele está na cama!”

 

Fonte: John no site The Good Clean Funnies List, traduzido por Beatriz A. de Paula.

 

 

terças7533-101413-gs7533Em setembro e outubro, a Rede Mãos Dadas lançará uma nova campanha: “Igreja Amiga da Criança”. Por isso o Instituto Lado a Lado produziu a cartilha com o propósito de ouvir as crianças que frequentam nossas igrejas e perguntar a elas algo muito simples: esta igreja é uma comunidade com a qual você pode contar em todas as situações da sua vida?

Porque esta é a melhor definição de um grande amigo: alguém com o qual eu posso contar, que não me julga mas me exorta, que não determina os meus passos mas me influencia, que não vive comigo mas está presente em vários momentos importantes da minha vida.

Para começar, resolvemos escutar você, adulto, que se interessa por duas coisas importantes para a Rede Mãos Dadas: a igreja e a criança. É muito fácil, baixe o arquivo de sua escolha, responda o questionário e veja se sua igreja foi sua amiga quando você era criança.

 

Para baixar o PDF da campanha Igreja Amiga da Criança (clique aqui!)

Para baixa o arquivo em WORD da campanha Igreja Amiga da Criança (clique aqui!)

 

 

segundas

Segunda-feira também é dia de oração…

 

Por Ariane Gomes

Senhor,

Wendy WyattA leitura daquele trecho do Evangelho segundo Mateus que diz que ouviremos falar de guerras e rumores de guerras sucedido do alerta “vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer” quase me desanimou. Confesso: meu coração se entristeceu e foi tomado durante alguns instantes pela incerteza: Continuar ou desistir? Lembrar ou esquecer? Seguir adiante ou parar?

Porém, um lampejo de tua graça e outra lembrança. Desta vez de uma promessa: “Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles. E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram” (Ap 21, 3-4). Da luz e da graça vieram a esperança e a alegria retomar o seu lugar. Sobrepondo-se ao cenário árido e cinza que representa a Síria em meu imaginário elas duas vieram me dizer: continue, lembre-se e siga adiante.

Por causa disso, insisto em lembrar, em continuar trazendo à memória um motivo tão caro e em repetir a oração:

 “Lembra-te, Senhor, das crianças da Síria, abraça-as e livra-as do mal – o mal da guerra, da violência, da separação, da fome, da doença, da incerteza e da morte. Desde a menorzinha até a maior delas, das que têm mais ou menos percepção de tudo o que está acontecendo, acolhe-as e coloca uma cerca de proteção ao redor de suas vidas. Vê as suas lágrimas e dá fim ao seu pranto, enxuga-lhes o rosto e faça-as sorrir. Dá-lhes o pão de cada dia, as roupas que precisam para ficar aquecidas, a saúde física e emocional e a presença de adultos que as respeitem, ouçam, ajudem, defendam e encorajem. Poupa-as da presença de armas e do trabalho forçado para servir a qualquer das partes responsáveis pelos conflitos. Livra-as do tráfico humano, do tráfico de órgãos e da prostituição. Devolve-lhes as reuniões familiares, as escolas e as praças onde possam ser amadas, ter sua dignidade garantida e onde possam brincar e se alegrar. Traz paz à Síria. Que este país se reconstrua sob bases justas e que o teu santo nome seja conhecido entre o povo – tornar-se-ia uma alegre notícia o louvor ao Senhor proferido por crianças e adultos que aprendam a te amar.  Continue lendo →