Nunca se sabe de onde virá o conforto presente em Cristo, aquela consolação de amor, aquela comunhão no Espírito, aquele entranhável afeto e compaixão (Fl 2.1).

Leslie Kendal Dye, jornalista do New York Times, conta como sua filhinha de apenas 5 anos lhe ensinou um pouco sobre graça e leveza, no momento em que ela perdia a paciência com sua mãe demente. Cinco vezes ela tinha sido calma. Cinco vezes respondera às mesmas perguntas. Mas ao atender o telefonema da mãe pela sexta vez, Leslie foi logo ao ponto e gritou: “Não mãe, você não foi expulsa do residencial para idosos e nós a visitamos há dois dias atrás. Você tem que acreditar em mim!”  Extravasava sua raiva na vítima consciente de que o algoz era a doença que tinha roubado de sua progenitora a própria capacidade de ser mãe e avó.

Derrotada, Leslie deitou-se no sofá, ainda tentando se recompor. Foi nesta hora que a filhinha pediu o telefone. E maravilhada, Leslie ouviu uma “cascata de bom humor” jorrando pelo telefone. A avó nem sabe o nome da neta, mas a conexão é real. A avó repete as perguntas várias vezes, a neta responde sem problema. A avó pergunta quando as duas irão visitá-las. A neta responde: “Nós vamos te levar para o parquinho este fim de semana. Vamos no carrossel. Eu vou montada no sapo, você pode ir no cavalo do meu lado.”  

Minha mãe foi diagnosticada com o Mal de Alzheimer há mais ou menos um ano.  Todos lá em casa, irmãs, cunhados, sobrinhas, e filhos, temos de responder a pergunta: como enfrentaremos o que está por vir? Nós o faremos olhando para frente sem nos esquecermos de também olhar para trás. Para frente porque sabemos que o declínio físico não é o fim desta história. Não temos noção das coisas maravilhosas que Deus já preparou para a sua filha no futuro! E o faremos, olhando para traz. Trazendo à nossa memória coisas que a memória da mamãe não consegue mais guardar. Agora é a nossa vez de lembrar. E entre uma coisa e outra, cuidaremos dela com carinho, com paciência, com alegria e leveza.

Ser mãe não é destino, é caminhada. Andando na esperança chegaremos diante do Pai, um Pai que pega cada uma de sua filhas no colo e diz: “Você é preciosa para mim!”

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>