Elsie B. C. Gilbert

Vinte e sete por cento das pessoas que frequentam as igrejas evangélicas no Brasil tem menos de 14 anos. Ou seja, um pouco mais que um em quatro evangélicos são crianças e adolescentes! Esta criança ou adolescente que está entre nós é percebida por nós? A ela é dada a oportunidade de participar na igreja de forma relevante, como Deus quer? Tratamos as crianças em nossas igrejas como Jesus as tratou? E uma última pergunta ainda mais perturbadora: a criança encontra entre nós um espaço de cura para as feridas do coração e da alma?

Em novembro do ano passado, representantes de nove organizações, todas ligadas à Rede Mãos Dadas, se encontraram em Curitiba para desenhar a 4ª CAMPANHA IGREJA AMIGA DA CRIANÇA. O objetivo da campanha é ajudar as igrejas locais a perceberem a criança como ser pertencente, atuante e importante no reino de Deus. Não pelo que ela representa para o futuro, embora isto também seja relevante, mas pelos seus dons espirituais e contribuição presentes! Deus não esperou Samuel se tornar um adulto para envolvê-lo numa tarefa difícil. Nem tampouco Miriã se tornou proativa e líder ao completar 18 anos!

Queremos também uma igreja disposta a caminhar com as crianças onde quer que elas se encontrem, mesmo que para isto seja necessário sofrer e entrar em lugares escuros, naqueles lugares onde o coração da criança clama por cura, reconciliação e esperança.

Nosso primeiro desafio é melhorar a capacidade de escuta e observação dos adultos em relação As crianças. Neste guia você encontrará alguns dados sobre a situação da criança em nossas igrejas, uma história de acolhimento, um estudo bíblico para adultos e uma dinâmica de escuta especial para que os adultos descubram o que as crianças em suas igrejas mais valorizam.

Os resultados da escuta poderão ser compartilhados com os adultos e jovens de sua congregação e também com todo o Brasil por meio do trabalho de coleta de dados realizado pela própria Rede Mãos Dadas. “Vocês não vão conseguir integrar as crianças da sua igreja se não descobrirem como elas estão, o que pensam e o que querem”. Esta foi a fala de James William, 11 anos, presente no encontro de parceiros da Rede Mãos Dadas em Curitiba. Escutar E atitude básica de quem valoriza!

Participe da Quarta Campanha Igreja Amiga da Criança, (clique aqui!)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>