Por Elsie Gilbert

Para os agressores sexuais, algumas situações são bem mais favoráveis que outras: qual é a situação dos ambientes que você frequenta? Veja abaixo a transcrição do video contendo as falas de dois agressores sexuais. Para que seus objetivos sejam alcançados, eles precisam de uma estratégia para chegar perto de uma criança. Será que encontrarão nas nossas igrejas e organizações sociais a porta aberta para saciar seus desejos desordenados?

Christopher foi frustrado:

Eu fingi ser um jornalista que escreveria um artigo sobre crianças com necessidades especiais, que vivem em abrigo. Por isso eu podia tocar nelas. Geralmente é muito fácil chegar até esse tipo de crianças, por que elas não podem falar. O problema é que esse abrigo tinha um conjunto de regras muito rígidas, então antes de eu chegar no abrigo, eles me explicaram o que eu poderia e o que eu não poderia fazer. E como eu deveria me comportar. Em nenhum momento, eles me deixaram sozinho com elas, nem por um minuto. O funcionário ficava sempre perguntando para as crianças se estava tudo bem, se eu poderia tirar fotos delas. Era como se eles tivessem um jeito especial de se comunicar com elas, mesmo com as que não podiam falar. Eles sempre se certificavam de que as crianças estavam vestidas de maneira apropriada. Eu não vou lá de novo. É uma perda de tempo. Eu vou achar outro lugar onde não tenha todas as regras.

 

Robert achou uma brecha:

Me candidatei para um trabalho como professor nessa organização, foi muito fácil. Não pedem referências, e não se preocupam em checar porque você saiu do último emprego. Não existe treinamento, ou regras sobre como se portar com as crianças. Apenas me colocaram em uma sala cheia de crianças e me pediram para ir me adaptando a isso. Eu não sei, eu procurei um emprego aqui porque conheci um cara que trabalhou aqui ano passado, que disse que era muito fácil ter acesso as crianças. Eu comecei a trabalhar aqui a pouco tempo, e já fiz amizade com uma garota que é muito tímida. Logo, vou falar para ela voltar a minha sala sozinha.

 

Este vídeo faz parte de um material chamado Um Lugar Seguro, (inteiramente gratuito aqui) que tem como objetivo nos ajudar a “fechar as portas” para os lobos que se vestem como ovelhas e buscam suas vítimas em nosso meio. O video emprega atores para ilustrar a forma como pensam os agressores sexuais. Quem disse que nossos “currais” estão imunes a ataques dos lobos que nos rondam? Quem disse que eles estão do lado de fora das nossas “cercas”? No entanto, são poucas as congregações que praticam a proteção integral na sua forma de existir e funcionar. Veja aqui os 11 parâmetros básicos de proteção para toda instituição que recebe crianças, quer seja igreja, escola ou organização social. Estes parâmetros devem ser implementados como medidas preventivas contra a violência sexual tão persistente em nossos dias.

 

“Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas,” disse Jesus a seus discípulos (Mt. 10:17 ). A prudência que muito ajudou os cristãos primitivos a navegarem num mundo hostil, está disponível hoje para nós na tarefa cada vez mais difícil de proteger e educar as crianças e adolescentes para que tenham vida plena.

 

Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes é um título enorme para um dia especial. Neste dia, somos convocados a parar e pensar no que é possível fazer, no espaço em que ocupamos, nos nossos círculos de influência, nos nossos “currais”. Descubra a prevenção e pratique-a!

  1. Bom dia!

    Atualmente não estou atuando profissionalmente, sou cristã, Assistente Social e, por isso, tenho especial interesse pelo material “um lugar seguro”. Seria possível a aquisição? Desde já agradeço o retorno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>