Por Elsie Gilbert

O que você faz logo depois que se dá conta de que cometeu um grande erro, um erro tão grande que você que se via como uma pessoa razoavelmente boa, íntegra e madura, percebe que sua autoimagem era uma ilusão?

Na Bíblia, momentos assim são descritos por uma imagem bem perturbadora: nudez. Adão experimentou isto. Pedro, o discípulo de Jesus mais impulsivo e também o que tinha mais liderança, se viu nesta situação. O que ele pensava sobre si mesmo não era de fato a realidade!

Adão desobedeceu a Deus num jardim com pouquíssimas proibições e muita abundância. Pedro negou a Jesus num momento de grande estresse, descobrindo que seu heroísmo e lealdade eram produtos de sua imaginação. Quanto a mim, os episódios em minha vida que me renderam humilhação foram muitos  e de natureza variada. Foram também momentos usados por Deus para ajustar o meu ego inflado. Da mesma forma, o seu momento de profunda decepção consigo mesmo também é seu, não vou lhe perguntar!

Adão descobriu que estava nu, sentiu vergonha, se escondeu e em seguida, quando confrontado por Deus, jogou a culpa em Eva. Pedro “saindo dali, chorou amargamente.” (Mt 26.75) Assim como Adão, Pedro continuou afastado, incapaz de fazer o caminho de volta até que o próprio Deus o procurou. Deus procurou Adão na virada do dia. Jesus Cristo procurou a Pedro na praia pela manhã, bem cedinho (Jo 21.3-14). Na maioria das vezes, o Senhor me procurou quando eu finalmente calei a boca, me acalmei e fiquei em silêncio.

Há algo muito bonito e que aquece o coração quando leio o relato do encontro de Jesus e Pedro na praia, algo que eu não encontro no diálogo entre Deus e Adão. Pedro tinha pescado a noite inteira e estava nu! (João 21.7) Apesar de ambos, Adão e Pedro, terem estado nus; apesar de ambos estarem conscientes da gravidade extrema de seus atos, a resposta ao convite de Deus é totalmente diferente. Pedro vê os peixes emergindo da água em grande quantidade, olha para o homem na praia. O déjà é imediato.  Assim que ele se dá conta de que o homem na praia é de fato o Jesus Cristo, ressurreto, Deus encarnado, ele se veste com pressa, pula na água, largando seus amigos para lidar com mais de 150 peixes! Ele nada desejando estar em terra para poder correr em direção a Jesus! E o Mestre recebe a Pedro com carinho, trata-o com muita dignidade e o reestabelece para ser o líder poderoso que foi.

A única outra imagem que consigo associar a esta atitude de Pedro, é a imagem de uma criança que percebe ter feito algo errado, e depois de ter se afastado e curtido a solidão da separação de sua mãe, ouve seu nome ser chamado insistentemente. Nesta cena, ela corre em direção aos braços da mãe, chorando aliviada porque é nesta relação de amor que ela se sente de fato segura, é nesta relação que ela se define como pessoa e descobre de fato quem ela é!

Pedro soube acolher e valorizar os movimentos de um Deus Todo-poderoso em sua direção. A diferença entre Adão e Pedro é que Pedro sentiu uma imensa saudade de Jesus! Pedro descobriu que sem Jesus ele não tinha identidade e muito menos um propósito na vida.  Vamos aproveitar os nossos escorregões para nos aproximar de Jesus e descobrir nele quem somos. Vamos aproveitar os nossos erros para encorajar as crianças com as quais trabalhamos. Vamos mostrar para as crianças como encontrar a Jesus quando estão decepcionadas consigo mesmas!

    • Querida Waninha, bom dia!
      Agradeço o seu comentário no blog de Mãos Dadas. Segue abaixo a passagem exata onde fala que Pedro estava nu.
      “Então aquele discípulo, a quem Jesus amava, disse a Pedro: É o Senhor. E, quando Simão Pedro ouviu que era o Senhor, cingiu-se com a túnica (porque estava nu) e lançou-se ao mar.”
      João 21:7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>