segundas-1024x231Por Vanderlei Schach

Pois vejam! Criarei novos céus e nova terra, e as coisas passadas não serão lembradas. Jamais virão à mente! (Is 65.17).

Atualmente há muitas pessoas que vivem pensando em seu passado. Algumas com razão devido à violência sofrida na infância ou mesmo na idade adulta e não conseguem administrar as consequências decorrentes da violência sofrida. Outras simplesmente se lamentam dizendo que se as situações passadas tivessem sido melhores, o presente também poderia ser melhor. Seja como for, parece que Deus já sabia dos dilemas humanos.

The-Chronicles-Of-Narnia-001No texto bíblico de Isaías 65.17-25 o profeta menciona que Deus fará novas todas as coisas e as antigas não serão mais lembradas. O povo deverá ter alegria pelas coisas novas que Deus criará, porque não se ouvirá mais voz de choro de tristeza. Crianças viverão muitos dias, ou seja, para sempre. Pessoas construirão casas e morarão nelas, plantarão lavouras e colherão e comerão do seu fruto. É uma indicação que o povo viverá em segurança. Uma citação importante é que as pessoas ou os pais não trabalharão mais em vão, mas terão uma retribuição digna de seu trabalho e, mais importante ainda é que não gerarão filhos para desgraça, isto é, os filhos serão protegidos de doenças, violência e a mortalidade infantil não será conhecida (veja Lv 26.16). Assim as gerações terão sucessivamente a bênção de Deus e as linhagens familiares continuarão sem interrupção e com os idosos testemunhando os feitos de Deus. O ápice dessa narrativa ocorre no verso 24: “Antes de clamarem, eu responderei; ainda não estarão falando, eu os ouvirei.” Isto significa que o relacionamento entre Deus e seu povo será restaurado assim como a relação da vítima com seu predador (65.25), que aponta para a reconciliação da humanidade e a natureza criada por Deus. O mesmo verso ainda declara que “ninguém fará mal nem destruição…” aponta para a reconciliação entre os seres humanos. A partir dessa narrativa bíblica podemos olhar com otimismo e esperança para o futuro.

A situação de violação dos direitos da criança, que podem ocorrer na forma de quem deveria proteger, agride, como acontece em algumas famílias. Este cenário vai praticamente virando cultura e emerge a impunidade que instala nas relações familiares a violação dos direitos da criança. No Brasil muitas crianças em vez de serem acolhidas pelos adultos e tê-los como referência de princípios éticos e morais são estimuladas precocemente à violência, sexualidade, intimidação entre outros.

Estas formas de violência que vão sendo construídas na criança, e às vezes até inconscientemente por causa da pressão do sistema, poderão ser repetidas com a próxima geração. A isso ainda pode ser somado o sensacionalismo de alguns profissionais de mídia que acabam por revitimar a criança que sofreu violação dos seus direitos, embora tenha um papel importante na denúncia da violência e formação da opinião pública.

O não cumprimento dos direitos preconizados na legislação vigente para proteção da criança aponta para um certo desrespeito à criança. A partir do texto bíblico, educadores, professores e pais podem alimentar uma esperança no que diz respeito à proteção da criança. Como diz o texto, ainda há esperança para construir, plantar colher e saborear os resultados desta colheita na sociedade brasileira, deixando o mal no passado, fazendo tudo novo.

 

Questões para reflexão:

1- Como fazer para que a criança deixe seus traumas no passado e tenha uma perspectiva otimista de futuro?

2- Que iniciativas podemos tomar para conscientizar os adultos para a não violação dos direitos da criança?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>