segundas

Segunda-feira também é dia de oração…

 

Por Ariane Gomes

Senhor,

Wendy WyattA leitura daquele trecho do Evangelho segundo Mateus que diz que ouviremos falar de guerras e rumores de guerras sucedido do alerta “vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer” quase me desanimou. Confesso: meu coração se entristeceu e foi tomado durante alguns instantes pela incerteza: Continuar ou desistir? Lembrar ou esquecer? Seguir adiante ou parar?

Porém, um lampejo de tua graça e outra lembrança. Desta vez de uma promessa: “Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles. E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram” (Ap 21, 3-4). Da luz e da graça vieram a esperança e a alegria retomar o seu lugar. Sobrepondo-se ao cenário árido e cinza que representa a Síria em meu imaginário elas duas vieram me dizer: continue, lembre-se e siga adiante.

Por causa disso, insisto em lembrar, em continuar trazendo à memória um motivo tão caro e em repetir a oração:

 “Lembra-te, Senhor, das crianças da Síria, abraça-as e livra-as do mal – o mal da guerra, da violência, da separação, da fome, da doença, da incerteza e da morte. Desde a menorzinha até a maior delas, das que têm mais ou menos percepção de tudo o que está acontecendo, acolhe-as e coloca uma cerca de proteção ao redor de suas vidas. Vê as suas lágrimas e dá fim ao seu pranto, enxuga-lhes o rosto e faça-as sorrir. Dá-lhes o pão de cada dia, as roupas que precisam para ficar aquecidas, a saúde física e emocional e a presença de adultos que as respeitem, ouçam, ajudem, defendam e encorajem. Poupa-as da presença de armas e do trabalho forçado para servir a qualquer das partes responsáveis pelos conflitos. Livra-as do tráfico humano, do tráfico de órgãos e da prostituição. Devolve-lhes as reuniões familiares, as escolas e as praças onde possam ser amadas, ter sua dignidade garantida e onde possam brincar e se alegrar. Traz paz à Síria. Que este país se reconstrua sob bases justas e que o teu santo nome seja conhecido entre o povo – tornar-se-ia uma alegre notícia o louvor ao Senhor proferido por crianças e adultos que aprendam a te amar. 

Perdoa a limitação da minha percepção acerca dos horrores que uma guerra traz e a curta abrangência de minha oração, afinal não fui separada de meus pais, não tive fome e nem senti frio e nunca vivi num país com conflitos tão sérios como a Síria vive nos últimos anos. Aceita a minha oração mesmo assim. E, por fim, faz-me lembrar, todos os dias, de tua misericórdia, promessas e governo absoluto sobre todo o universo ainda que coisas difíceis tenham que acontecer perto ou longe de mim, no Brasil ou na Síria e mesmo que isso, por um tempo, afete a vida e a história de muitas crianças. Amém.”

 

    • Querida Antônia, bom dia!

      A Rede Mãos Dadas agradece o seu contato. Ficamos imensamente felizes com o seu carinho pelo nosso trabalho.

      Um forte abraço e que Deus continue a abençoando a todos de sua família.

Leave a Reply to Antonia Leonora van der Meer Cancel Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>