Arquivo de junho 2013

A oração do fariseu e a confissão do publicano: uma história muito atual!

 

Quem se humilha será exaltado!

Quem se humilha será exaltado!

Quem disse que o fariseu e o publicano não estão bem presentes em nossas igrejas hoje? Ontem eu vi uma interação entre duas pessoas na escola dominical que me fez lembrar dessa história registrada em Lucas 18. Resolvi tentar reescrever a história tentando imaginar como Jesus a contaria para nós hoje. Com qual dos dois, fariseu ou publicano, eu me pareço mais?

Duas pessoas entraram numa igreja para orar num culto de quarta-feira. Uma era uma senhora, fundadora daquela congregação, muito ativa em todos os afazeres da igreja. A outra pessoa era um homem, que lutava contra o alcoolismo e que tinha recentemente atendido aos convites do pessoal da igreja para ali congregar.

A mulher, muito segura de si, se levantou para orar a pedido do pastor e disse “Senhor, graças te damos porque o Senhor tem ouvido nossas orações. Desde pequena eu não deixo de vir à tua casa. O Senhor conhece as minhas lutas e sabe o quanto me esforcei para criar meus filhos aqui, diante do teu altar. Mas tu és fiel, Senhor, e por isto, a tua benção nunca se afastou de mim e da minha família.” E no íntimo ela pensou no homem que estava ali no banco de trás: “Te dou graças também porque o meu lar não é como o desse homem que por muito abusar do álcool, deixa sua esposa e filhos passando necessidade. Meu marido e eu não somos ricos, mas somos trabalhadores! Nunca faltou nada para nossos filhos.”

Mas o homem nem ousava levantar a cabeça e no seu coração ele clamava: “Pai, pequei contra o Senhor. Fiz o que era errado não só diante do Senhor, mas também para com as pessoas que o Senhor me deu. Tem misericórdia de mim. Me ajuda a corrigir a minha vida. Eu sei que tenho de perdoar o meu pai que tanto me maltratou e também ser perdoado pelos meus filhos a quem maltrato diariamente. Me cura, Senhor e me ajuda a reconquistar a minha esposa e filhos.”

Quem saiu da reunião justificado diante de Deus? Uma coisa é certa: “Quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado.” Lucas 18.14

 

Pergunta básica: “Qual dos dois, o homem ou a mulher, serão admirados por seus filhos quando estes estiverem maduros?

 

Elsie B. C. Gilbert

 

 

 

 

Trabalhar ou não trabalhar, eis a questão!

Agora que você já celebrou o Dia dos Namorados, vamos falar sobre o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil?

Ministério do trabalho e emprego

Ministério do trabalho e emprego

Estamos atrasados por um dia. O Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil coincide com o Dia dos Namorados!

Um dos nossos maiores problemas com relação às crianças é a nossa ambivalência. Não percebemos o quanto somos contraditórios em nossas falas e ações. Por exemplo, não conseguimos imaginar para nossos filhos uma existência baseada em longas horas de trabalho como era a prática na Europa por ocasião da Revolução Industrial. Existem registros de que a jornada de trabalho das crianças podia chegar a 16 horas diárias!

Por outro lado temos dificuldade em afirmar categoricamente que precisamos erradicar o trabalho infantil no Brasil de uma vez por todas. Já avançamos nos ambientes de fábricas. Mas, mundialmente, pelos menos 10,5 milhões de crianças trabalham em serviços domésticos, muitas vezes sem remuneração e com uma longa jornada diária. Se tornam responsáveis por outras crianças e lidam com fogo, objetos cortantes entre outras tarefas perigosas. Por que será que temos dificuldade em ter certeza de que esta prática é ruim para as crianças e detestável aos olhos de Deus? Será que é porque o que vale para o meu filho, não vale para o filho do meu próximo menos afortunado? Mais >