Sta. Anna, Jamaica, novembro de 2012

 

Introdução

A “Consulta Global Lausanne sobre o Cuidado da Criação e o Evangelho” aconteceu nos dias 29 de outubro a 02 novembro de 2012, em Santa Anna, Jamaica, com o objetivo de melhor elaborar os pontos do Compromisso da Cidade do Cabo (CCC) relacionados com o cuidado com a criação.A Consulta reuniu teólogos, líderes de igrejas, cientistas e profissionais na área da Criação, sendo 57 homens e 20 mulheres, vindos de 26 países do Caribe, África, América Latina, Oceania, América do Norte e Europa. Ela foi realizada sob os auspícios do Movimento Lausanne, em colaboração com a Aliança Evangélica Mundial, e em um país e região de marcante beleza natural, onde pudemos apreciar, celebrar e refletir sobre a maravilha da boa Criação de Deus. Muitas passagens bíblicas, incluindo reflexões em Gênesis 1 – 3, Salmo 8 e Romanos 8, orientaram nossas orações, discussões e deliberações sobre os temas O mundo de Deus, A Palavra de Deus e A obra de Deus. A nossa consulta aconteceu imediatamente após a devastação do furacão Sandy no Caribe e coincidiu com a chegada da tempestade na América do Norte; a destruição e a perda de vidas foi um lembrete surpreendente quanto à urgência, oportunidade e importância desta consulta.

 

Duas grandes convicções

 

Nossas discussões, estudos e orações nos levaram a duas conclusões principais:

 

O Cuidado com a Criação é de fato uma “questão do Evangelho no contexto do Senhorio de Cristo” (CCC I.7.A). Informados e inspirados por nossos estudos das Escrituras – o propósito original, o plano e o mandamento para cuidar da Criação, as narrativas da ressurreição e a verdade profunda que, em Cristo todas as coisas foram reconciliadas com Deus – reafirmamos que o cuidado da Criação é uma questão que deve ser incluída em nossa resposta ao Evangelho, proclamando e agindo sobre as boas novas do que Deus já fez e completará para a salvação do mundo. Isto não é somente justificado biblicamente, mas parte integrante de nossa missão e uma expressão de nossa adoração a Deus pelo seu maravilhoso plano de redenção através de Jesus Cristo. Portanto, o nosso ministério da reconciliação é uma questão de grande alegria e esperança e nós cuidaríamos da criação, mesmo que ela não estivesse em crise.

 

“Estamos diante de uma crise pressionante, urgente, e que deve ser resolvida em nossa geração.” Muitas das pessoas mais pobres do mundo, os ecossistemas e espécies da fauna e flora estão sendo devastados de diversas formas pela violência contra o meio ambiente, e a mudança climática global, o desmatamento, a perda de biodiversidade, a escassez de água e a poluição são apenas parte da crise. Nós não podemos mais tolerar a complacência e os debates intermináveis. O amor a Deus ao nosso próximo e à toda a Criação, assim como a nossa paixão pela justiça, obrigam-nos à “urgente e profética responsabilidade ecológica”. (CCC I.7.A).

 

Nossa convocação à ação

 

Baseados nestas duas convicções, nós, portanto, convocamos toda a Igreja, na dependência do Espírito Santo, para responder radical e fielmente ao cuidado da Criação de Deus, demonstrando nossa crença e esperança no poder transformador de Cristo. Apelamos aos cristãos, aos líderes evangélicos, às organizações evangélicas nacionais, a todas as igrejas locais, e ao Movimento Lausanne para responderem e agirem com urgência.

 

Especificamente, nós convocamos para:

 

1. Um novo compromisso com um estilo de vida simples. Reconhecendo que muito da nossa crise é devido aos bilhões de pessoas que vivem descuidadamente, reafirmamos o compromisso de Lausanne ao estilo de vida simples (Documentos Ocasionais de Lausanne nº 20 – Lausanne Occasional Paper # 20), e convocamos a comunidade evangélica mundial a adotar medidas, individual e coletivamente, para viverem dentro dos limites corretos da boa dádiva de Deus na criação, de se engajarem mais na sua recuperação e conservação, e de partilharem essa generosa dádiva de forma equitativa.

 

2. Novo e vigoroso trabalho teológico. Em particular, precisamos de orientação em quatro áreas: • Uma teologia integrada de cuidado com a criação que envolva seminários, escolas bíblicas e outros para equipar pastores que discipulem suas congregações. • Uma teologia que examina a identidade da humanidade como inserida na criação e, ao mesmo tempo, possuidora de um papel especial na Criação. • Uma teologia relacionada com a nossa mordomia bíblica da criação que desafie as ideologias econômicas atualmente prevalecentes • Uma teologia da esperança em Cristo e Sua Segunda Vinda que informe e inspire adequadamente o cuidado com a Criação.

 

3. Liderança da igreja nos países em desenvolvimento. Como os países em desenvolvimento representam aqueles mais afetados com a crise ecológica atual, há uma necessidade especial de que seus representantes falem, se envolvam nas questões do cuidado da Criação e ajam sobre elas. Nós, os membros da Consulta, pedimos que a igreja nos países em desenvolvimento exerça liderança entre nós, ajudando-nos a definir a agenda para o avanço do Evangelho e o cuidado da Criação.

 

4. Mobilização de toda a Igreja e engajamento de toda a sociedade. A mobilização deve ocorrer nas igrejas locais e incluir aqueles que muitas vezes são negligenciados, utilizando os dons de mulheres, crianças, jovens e povos indígenas, assim como profissionais e pessoas com outros recursos que possuam experiência e conhecimento. O envolvimento deve ser igualmente

amplo, incluindo diálogos formais, urgentes e criativos com os correspondentes líderes no governo, nas empresas, na sociedade civil e acadêmicos.

 

5. Missões ambientais entre os povos não alcançados. Nós participamos da convocação histórica de Lausanne para a evangelização do mundo, e acreditamos que as questões ambientais representam uma das maiores oportunidades para demonstrar o amor de Cristo e plantar igrejas entre grupos não alcançados e não engajados em nossa geração (CCC II.D.1.B). Nós encorajamos a igreja a promover “missões ambientais” como uma nova categoria dentro do trabalho missionário (de forma semelhante às missões médicas).

 

6. Ação radical para enfrentar a mudança climática. Afirmando a declaração do Compromisso da Cidade do Cabo (CCC) sobre o “desafio sério e urgente da mudança climática”, que “afetará desproporcionalmente aqueles que vivem em países mais pobres”, (CCC II.B.6), convocamos para a ação na redução radical das emissões de gases que causam o efeito estufa e a construção de comunidades resilientes. Entendemos essas ações como uma aplicação do mandamento para negar a nós mesmos, tomar a cruz e seguir a Cristo.

 

7. Princípios sustentáveis na produção de alimentos. Em gratidão a Deus, que providencia nosso sustento, e fluindo da nossa convicção de nos tornarmos excelentes mordomos da Criação, nós insistimos na aplicação de princípios sustentáveis a níveis ambiental e geracional na agricultura (culturas de campo, pecuária, pesca e todas as outras formas de produção de alimentos), com especial atenção para a utilização de metodologias tais como a agricultura de preservação.

 

8. Uma economia que trabalha em harmonia com a Criação de Deus. Nós convocamos para uma abordagem voltada para o bem-estar e o desenvolvimento econômico, produção de energia, gestão de recursos naturais (incluindo mineração e florestas), a gestão da água e sua utilização, transporte, saúde, design urbano e rural, e padrões de consumo pessoais e empresariais que mantenham a integridade ecológica da Criação.

 

9. Expressões locais de cuidado com a Criação, que preservam e aumentam a biodiversidade. Recomendamos à igreja de todo o mundo tais projetos, juntamente com qualquer ação que possa ser caracterizada como um “pequeno passo” ou um “ato simbólico”, como forma de testemunhar poderosamente o Senhorio de Cristo sobre toda a Criação.

 

10. Advocacia profética e reconciliação restauradora. Apelamos para os cristãos como indivíduos, e para a igreja como um todo, para profeticamente “falar a verdade aos poderosos” através da defesa e de ações legais, para que as políticas públicas e práticas privadas possam mudar para melhor promover o cuidado com a Criação, e melhorar a ajuda às comunidades devastadas. Além disso, convocamos a Igreja para “falar da paz de Cristo” em comunidades dilaceradas por disputas ambientais, mobilizando aqueles que são hábeis na resolução de conflitos e mantendo nossas próprias convicções com humildade.

 

Nossa convocação à oração

 

Cada um dos nossos chamados à ação repousa sobre uma convocação ainda mais urgente para a oração, intencional e fervorosa, sobriamente consciente de que esta é uma luta espiritual. Muitos de nós devemos começar nossa oração com lamento e arrependimento por nosso fracasso em cuidar da Criação, e por nosso fracasso de liderar a transformação nos níveis pessoal e empresarial. E então, tendo provado da graça e da misericórdia de Deus em Cristo Jesus e através do Espírito Santo, e com a esperança na plenitude de nossa redenção, oramos com confiança que o Deus Triúno pode sarar a nossa terra e todos os que nela habitam, para a glória do Seu incomparável nome.

 

Nós, os participantes da Consulta Jamaica 2012 sobre o Cuidado da Criação, convidamos todos os cristãos e as organizações cristãs em todos os lugares para tornar conhecido o seu compromisso com esta Convocação à Ação “assinando este documento individualmente ou em nome de sua igreja,organização, instituição, ou outro organismo da Igreja.” Os indivíduos podem assinar, acessando: http://www.lausanne.org/creationcare e seguindo as instruções para adicionar seus nomes. Signatários organizacionais devem enviar uma carta ou e-mail assinado por seu líder, presidente, ou representante autorizado para creationcare@lausanne.org (Perguntas sobre este procedimento podem ser enviadas para o mesmo endereço.)

 

Acordado por todos os participantes da Consulta Global Lausanne sobre o Cuidado da Criação e o Evangelho, Sta. Anna, Jamaica, 09 de novembro de 2012.

 

Convocação à Ação – Equipe de Escritores:

Lowell Bliss (EUA); Paul Cook (Reino Unido); Sara Kaweesa (Uganda); Lawrence Ko (Singapura).

Líderes Seniores da Consulta:

Sr.Ed Brown, Associação do Cuidado com a Criação; Las Newman, Diretor Delegado de Lausanne Internacional para o Caribe; Ken Gnanakan, Presidente do Conselho Internacional de Educação Superior; David Bookless, Assessor de Teologia & Igrejas, A Rocha Internacional.

 

Participantes da Consulta:

Tyler Amy (EUA); Premamitra Anandaraja (Índia); Seth Ken Appiah Kubi (Gana); Hoi Wen Au Yong (Singapura); Tom Baker (Reino Unido); Frederic Baudin (França); Colin Bell (Reino Unido); David Bennett (EUA); Samuel YuTo Chiu (Canadá); Paul Cook (Reino Unido); Beth Doerr (EUA); Stan Doerr (EUA); Lindani Dube (Zimbabue); Darceuil Duncan (Trinidad e Tobago); Christopher Elisara (EUA); Susan Emmerich (EUA); Samuel Ewell (Reino Unido); Naomi Frizzell (EUA); David Gould (Singa-pura); Peter Illyn (EUA); James Kalikwembe (Malawi); David Knight (Canadá); Andrew Leake (Argentina); Terry LeBlanc (Canadá); Jonathan Moo (EUA); Juliana Morillo (Peru); Osvaldo Munguia (Honduras); Cassien Ndikuriyo (Burundi); Claudio Oliver (Brasil); James Pender (Bangladesh); Mark Pierson (Nova Zelândia); Lalbiakhlui Rokhum (Índia); Thomas Schirrmacher (Alemanha); Sally Shaw (Austrália); Chris Shore (EUA); Mgliwe Simdinatome (Togo); Craig Sorley (Quênia); Joel Tembo Vwira (Congo); Efraim Tendero (Filipinas); Denise Thompson (Trinidad e Tobago); Stephen Tollestrup (Nova Zelândia); Ruth Valerio (Reino Unido); Peter Vander Meulen (EUA); Jean Valery Vital Herne (Haiti); Barry Wade (Jamaica); Serah Wambua (Quênia); Robert White (Reino Unido); Thomas Yaccino (EUA).