ult_jovem_21_09_16_setas

Por Daniel Theodoro

Pede-se licença a teólogos e exegetas do Novo Testamento para afirmar – sem nenhum compromisso com a hermenêutica – que Jesus sofreu a “crise dos trinta anos”, atoleiro pelo qual tenho cambaleado e que eu julgava ser apenas uma recente convenção catalogada nos pós-modernos compêndios bibliográficos da psicologia.

Contudo, para tentar dar um tom um pouco mais argumentativo ao artigo e impedir que o leitor desista de um texto infundado logo no primeiro parágrafo, lembre-se que o fato de ter vivido a plenitude da divindade aqui na Terra não afastou o filho de Maria dos conflitos aos quais homens e mulheres comuns estão suscetíveis. Séculos se passaram desde a primeira vinda de Cristo, a ciência e a tecnologia mudaram o mundo e a humanidade, mas se houve uma coisa que mudou pouco foi a complexa condição da nossa psique, mais nebulosa e confusa nas crises de transição etária: infância para adolescência, adolescência para juventude, juventude para maioridade etc. Por ter sofrido todas as dores, é bem provável que a perfeita encarnação do Deus vivo também tenha perdido o chão naquele momento em que a vida adulta chega, interrompe a festa da mocidade, e diz em tom intimidatório: “Para tudo, o vinho acabou e a festa corre o risco de acabar!”.

Se a vida de um trintenário caminhou sem grandes sustos pelas três décadas de modesta existência, o sujeito deve chegar aos trinta anos consciente de que irá receber “a notícia” uma hora ou outra. É difícil adjetivá-la. Chamo-a de “a notícia” por pura falta de criatividade. Ela se caracteriza pelo aspecto desestabilizador, tira a pessoa da zona de conforto, colocando à prova todos os valores cultivados individualmente. Pode ser doença, pode ser mudança de país, pode ser desemprego, pode ser uma promoção, pode ser chegada do bebê, pode ser depressão, pode ser a morte de uma pessoa querida muito próxima etc. O fato é que “a notícia” entra de modo invasivo, interrompe a segura rotina – para o bem ou para o mal -, e pode acabar com a alegria se o sujeito não tiver a certeza de que está nessa vida apenas para buscar e revelar às pessoas o caminho da excelência. Continue lendo →

ult_jovem_16_09_16_shockwave

Começa hoje (16) e vai até dia 18 de setembro o Shockwave, um movimento mundial de oração em favor da igreja perseguida, que acontece há 15 anos. No Brasil, o movimento é promovido pelo Underground Portas Abertas, um ministério de jovens que tem despertado a juventude cristã brasileira para aos cristãos que sofrem perseguições por causa da fé em Jesus Cristo.

Este ano, o Shockwave tem como versículo tema 1 Timóteo 5.8: “Se alguém não cuida de seus parentes, e especialmente dos de sua própria família, negou a fé e é pior que um descrente.”. Para participar, basta organizar uma reunião de oração e chamar o máximo de pessoas que puder. Desafie seus amigos da igreja, escola, faculdade ou do seu grupo pequeno para orar por seus irmãos e irmãs na fé.

Shockwave XP

Como parte do movimento de oração, dia 17 de setembro será realizado em São Paulo o Shockwave Experience, um encontro de oração e música que tem como objetivo impactar os participantes com a realidade dos cristãos perseguidos para agirem em favor deles. O evento conta com a participação do irmão Josil, do Sudeste Asiático, e dos cantores Adhemar de Campos e Paulo César Baruk. No dia 24 de setembro, será a vez do Recife (PE) receber o Shockwave Experience, que contará com a participação do cantor Cláudio Casca. A entrada em ambos os eventos é gratuita! Mais informações: shockwaveXP.org.br. Continue lendo →

(FOTO: Campanha busca discutir suicídio - CRÉDITO: Divulgação/Caps)

(FOTO: Campanha busca discutir suicídio – CRÉDITO: Divulgação/Caps)

 

Tirar a própria vida já é a segunda principal causa da morte em todo mundo para pessoas de 15 a 29 anos de idade – ainda que, estatisticamente, pessoas com mais de 70 anos sejam mais propensas a cometer suicídio. Os dados são do relatório publicado em 2014 pela Organização Mundial de Saúde. No gráfico abaixo você pode ter uma ideia do tamanho do problema entre os jovens:

 

ult_jovem_12_09_16_grafico_suicidio_jovem

 

No Brasil, o índice de suicídios na faixa dos 15 a 29 anos é de 6,9 casos para cada 100 mil habitantes, uma taxa relativamente baixa se comparada aos países que lideram o ranking – Índia, Zimbábue e Cazaquistão, por exemplo, têm mais de 30 casos. O país é o 12º na lista de países latino-americanos com mais mortes neste segmento.

O suicídio é um assunto complexo. Normalmente, não existe uma razão única que faz alguém decidir se matar. E o suicídio juvenil é ainda menos estudado e compreendido”, disse à BBC Ruth Sunderland, diretora do ramo britânico da ONG Samaritanos, que se especializa na prevenção de suicídios.

Neste mês celebra-se em todo o mundo mais uma edição do Setembro Amarelo, uma campanha que pretende quebrar o tabu em torno do assunto e levar à população informação relevante em favor da vida.

Por isso, perguntamos:

Por que há tantos suicídios entre os jovens?

Dê sua opinião.

A Organização Mundial da Saúde afirma também que em pelo menos 90% dos casos o suicídio é prevenível, porque está associado a psicopatologias diagnosticáveis e tratáveis, principalmente a depressão. Como você acha que o Cristianismo poderia ajudar as pessoas (especialmente os jovens) a desistirem do suicídio?

 

PUBLICAÇÕES DA OMS SOBRE SUICÍDIO:

Download gratuito

 

 

ult_jovem_09_09_16_busca-amorhomePor Fábio Mendes

Quanto maior é a busca por uma pessoa para amar e ser amada, maior é o vazio que existe no coração. Tratamos aqui, especificamente, sobre as versões atuais de um relacionamento conjugal (ficar, namorar, casar). Uma vida que “busca desenfreadamente” ser amado/a por alguém, ainda que seja pelo príncipe encantado ou pela mulher ideal, nunca poderá ser saciada.

O amor exigido à força, buscado à todo custo, seja por meio do investimento na estética ou na lábia, acionado pelo destino ou pela profetada, nunca será amor de fato. Essa busca é perigosíssima, pois oculta dentro da pessoa uma necessidade não suprida, esconde a covardia da solidão, e anuncia uma fome insaciável por algo que supra um interior cansado.

A relação entre amantes não deve ser regida pela lógica da busca, mas sim pela lógica do encontro. Primeiro, é preciso encontrar-se com Deus e consigo mesmo: um processo lento, maduro e desinteresseiro. Aí sim, o encontro com o/a amado/a torna-se viável, na base da tranquilidade, sem pressa e afastado do desespero interior. Continue lendo →

Daino_16/Freeimages.com

Daino_16/Freeimages.com

A arte tem seu próprio significado. Uma obra de arte pode ser posta em uma galeria e admirada. Escutamos uma música simplesmente por apreciação. Um tipo de apreciação que não é meramente hedonista; vai muito além disso, apesar de, em alguns casos, nos dar grande prazer. Entretanto, há a possibilidade de um grande número de funções, que resultam desse forte elo da arte com a realidade […].

Já que a arte não precisa de justificativa, ninguém precisa se desculpar por fazer arte. Os artistas não necessitam de justificativa, da mesma forma que os açougueiros, os jardineiros, os motoristas de táxi, os policiais ou as enfermeiras não precisam justificar com argumentos sagazes o porquê de estarem fazendo o seu trabalho. E eles certamente não o fazem como forma de conseguir uma oportunidade para pregar ou testemunhar. Encanadores que fazem grandes discursos evangelísticos, mas deixam a torneira vazando, não estão cumprindo o seu papel. São maus encanadores. Fica claro que eles não amam ao próximo.

O significado do trabalho está no amor a Deus e ao próximo.

 

• Hans Rookmaaker, em A arte não precisa de justificativa, 2010, p. 47,48], citado por Vinnicius Almeida, em seu blog.