Por Gabriel Louback

Quando me perguntam sobre minha vocação, geralmente falo de duas coisas: a primeira, que Deus quer nos usar com aquilo que Ele nos deu. O exemplo disso, para mim, é quando o Eterno convoca Moisés para libertar o povo hebreu do Egito. Seu mais novo líder não sabe como fazer isso e o Eterno pergunta a Moisés o que ele tem nas mãos. A resposta: um cajado – afinal, ele pastoreava animais, e agora iria pastorear uma nação. Deus usaria como ferramenta aquilo que Moisés já tinha em mãos, aquilo que Deus já havia dado a ele.

Por isso, a segunda coisa que respondo é que cumpro minha vocação com aquilo que Deus me deu: escrever. Há mais de 10 anos me formei em jornalismo e, nos últimos quatro, tenho buscado responder à oração “Venha a nós o Teu Reino” com meu dom e talento, em tempo integral, em missões. Entendi que poderia fazer isso ao interpretar a realidade ao meu redor e comunicá-la de forma que traga esperança e reconciliação ao mundo, de erguer minha voz em favor dos que não podem defender-se, de defender os direitos dos pobres e necessitados.

Descobri cedo, porém, que era possível conquistar minha identidade e meu lugar no mundo a um preço muito alto: o ativismo. Nos primeiros meses de dedicação exclusiva, passei a colocar o trabalho acima de tudo, como a coisa mais importante que eu tinha a fazer como cristão. Afinal, era essa minha vocação, e se eu não estava enterrando meu talento, tampouco podia administrá-lo de forma preguiçosa ou sem excelência.

Aprendi, então, que meu lugar no mundo é aos pés do Mestre. No final do capítulo 10 de Lucas, no qual Marta está preocupada em servir e dar o melhor de si para o Mestre, ela reclama com Ele e ouve que sua irmã, Maria, fez a melhor escolha – ficar aos pés Dele. Ali, comecei a entender como se dá essa dinâmica com o Mestre.

Ele tem mais interesse na nossa pessoa do que no nosso serviço. Jesus está mais preocupado comigo do que com o que estou fazendo para Ele. Nossa cultura de provar nosso valor pelo que fazemos muitas vezes contamina esse nosso relacionamento com Deus. Por outro lado, a Marta que há em mim, depois de entender que Maria tinha escolhido melhor, ainda pergunta: “Sim, entendi, legal. Mas quando é que termina a hora de ficar aos Seus pés e começa a de trabalhar?”

Consigo imaginar Jesus olhando para mim, com amor e ternura, lembrando-me de outra história de Maria, no capítulo 12 do evangelho de João. Seu irmão, Lázaro, havia ressuscitado dos mortos, depois que Jesus o chamou de volta à vida, e estava acontecendo um banquete em celebração a esse episódio. Maria, então, irrompe na cena, derramando um caro perfume nos pés de Jesus, enxugando-os com seus cabelos. Consigo imaginar Jesus olhando para mim, e dizendo: “Percebe, meu querido irmão? É só aos pés do Mestre que você entende a melhor maneira de servi-los. E se você realmente viver aos pés do Mestre, saberá a hora de levantar-se e prestar serviço a esses mesmos pés”.

Sim, creio que minha vocação está intrinsicamente ligada a Ele usar aquilo que tenho em mãos. Sim, creio pessoalmente que a capacidade que tenho de interpretar e comunicar a realidade ao meu redor é um dom que deve estar a serviço Dele.

Porém, hoje, tento buscar esse lugar na minha vida, esse meu lugar no mundo: aos pés do Mestre, e entender que qualquer coisa que eu faça, fluirá à partir disso. No fim do dia, encontrar meu lugar no mundo é encontrar-me aos pés do Mestre.

  • Gabriel Louback é formado em jornalismo, com especialização em Missiologia na escola Gå Ut Senteret (Noruega) e missionário na Itália. Gosta de ouvir histórias e de contar as que não são ouvidas.
  1. Hoje em minha devocional, me perguntei: quem é Jesus para mim, (3x). Sabendo desta resposta saberia o quando estar ao pés de Jesus me ajudaria na minha vida cristã e meu lugar no mundo. Parabéns Gabriel pelas palavras inspiradas por Deus. Me edificaram.

  2. Que coisa linda! Sou pastora, jornalista, mestre em Comunicação, e até hoje tinha essas mesmas angústias. E essa cultura dominou minha total relação com Deus. Mas hoje vejo que é possível ter outras “moedas” com ele, como a de não pagar nada para ficar em Sua presença. Incrível, Gabriel.

  3. Nossa! Como é fácil se esquecer disso tudo! Como a igreja (a institucional, não a de Cristo) rouba essa consciência da gente!
    2018 tem sido para mim um tempo de crise: minha “Marta” cobrando e acusando a minha “Maria”, mas esta não tem conseguido reagir bem diante dessa cobrança e tem paralisado e se afastado dos “Pés”.
    Quando recebi a notificação desse artigo no meu e-mail, quase não acreditei. Era estranho “ouvir” que Jesus se preocupava mais comigo do que com o que eu poderia fazer para ele.
    Enfim, Gabriel, que bom que você está aos “Pés” e sabe quando e o que fazer para servir. Deus o abençoe grandemente.

  4. Muito agradecido por tão importante iluminação em dias de tantas trevas, onde com o advento da internet, a gente se perde na angústia de achar que todos estão nos vendo e ouvindo. Sem levar em conta de que não é dessa audiência que realmente necessitamos

  5. Nenhuma vitória nossa no servir valerá com o fracasso do nosso relacionamento com Deus.
    Se Ministério/Trabalho for maior do que a própria busca, adoração, secreto, culto pelo Pai, há o fracasso iminente.

  6. Simples e profundo, obrigado por cada palavra. Recebi esse email do nada estava na minha caixa de spam e abrir para ler…. Jesus é incrivel obrigado mais uma vez Gabriel.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>