Todos os dias pela manhã pego um café e sento no meu canto para fazer as leituras do Lecionário. Para quem não sabe, é um livro de devocional que segue o calendário litúrgico, de forma que a Igreja medite sobre passagens das Escrituras ligadas à estação litúrgica em que nos encontramos.

Tendo o domingo como o centro da semana, o lecionário apresenta, para cada dia, uma leitura do antigo e uma do novo testamento, seguida por um salmo que é repetido de segunda a quarta, e outro de quinta a domingo. Estamos na estação da Trindade, que vem logo após o Pentecostes, e temos lido nos últimos três dias o Salmo 20, sobre o qual refletirei nesse texto.


Com a greve dos caminhoneiros, a última semana foi uma das mais loucas e assustadoras que já vivemos. Não tanto pela falta de combustível ou, até mesmo, pela escassez de comida nos mercados, mas pela reação das pessoas. Essa situação demonstrou que nós, brasileiros, estamos no limite, e qualquer mudança na rotina, qualquer fator de transtorno no cotidiano já provoca uma onda de insanidade e desespero.

Na segunda-feira, enquanto estávamos presos em casa, uma amiga mandou o trecho do Salmo 20 que diz “uns confiam em carros, outros em cavalos, mas nós invocaremos o nome do Senhor, nosso Deus”, e brincou: “é, realmente não está dando pra confiar em carros”. Brincadeiras à parte, o fato é que ler a realidade na última semana à Luz das meditações do Lecionário tem me feito pensar muito sobre nosso papel como cristãos nesse país.

Nós, brasileiros, ficamos sem combustível. Corremos aos postos e fizemos filas quilométricas para encher o nosso tanque e garantir o nossoCertos de nossos privilégios, não podíamos aguardar na fila como os meros mortais e furamos a filaAtropelamos o sujeito que veio tirar satisfação. Quisemos matar o infeliz que cortou a filaSaímos na mão com as pessoas nos postosCorremos ao supermercado para estocar comida, e garantir o nossoXingamos todo mundo nas redes sociaisAproveitamos a situação caótica para fazer alguns assaltos. Quase matamos o motorista do ônibus porque abriu a porta para mais três pessoas (que, caso contrário, teriam de esperar mais 2h para voltar para casa) quando o ônibus já estava cheio. Corremos para conseguir entrar no ônibus e deixamos um cadeirante sozinho no ponto. (ps.: infelizmente, esses sem link também são reais, um amigo viu isso acontecer em Campinas). Pedimos intervenção militarEspalhamos notícias falsas a rodo

Bom, se você não fez nada disso, parabéns, é uma minoria no país. A questão é que nós caímos. Caímos como nação, nos entregamos à competição, individualismo, egoísmo, ódio, falta de solidariedade, falta de paciência e de temperança… e, infelizmente, nós cristãos estamos aí no meio dessa lista. Muitos de nós entramos na histeria da nação e, na última semana, temos pecado sistematicamente.

Uns confiam em carros, outros, em cavalos, mas nós invocaremos o nome do Senhor, nosso Deus. Uns tropeçam e caem, mas nós nos erguemos e ficamos de pé. (Salmo 20: 7–8)

Sim, infelizmente vivemos em uma nação que confia demais nas estruturas falidas (e destruidoras da natureza) que foram criadas. Confiamos ao ponto de colocar nossas vidas em total dependência dessas estruturas, de forma que qualquer abalo que elas sofram seja motivo de completo desespero. Sim, tropeçamos e caímos. Mas o Salmo nos lembra que nós, os que invocamos o Senhor “nos erguemos e ficamos de pé”. Ele não diz que não caímos, mas que nos erguemos e já passou da hora disso acontecer.

Já passou da hora de deixarmos que a Palavra penetre nossa carne, nossa vida cotidiana, nossas atitudes e pensamentos. A leitura do Novo Testamento do Lecionário de hoje é Marcos 4:21–25, que diz:

Quem traz uma candeia para ser colocada debaixo de uma vasilha ou de uma cama? Acaso não a coloca num lugar apropriado? (Vs 21)

Candeia é fonte de luz. Como cristãos nesses tempos de trevas, não podemos nos juntar a elas, mas também não podemos nos esconder. O que temos orado nesses dias? A quem temos amado? Que esperança temos trazido? Em que descansamos? Volto ao Salmo 20:

“O Senhor te ouça no dia da angústia, o nome do Deus de Jacó te proteja. Do seu santuário te envie socorro e te sustente desde Sião” (Vs 1 e 2)”

[O Senhor] “Conceda-te o desejo do teu coração e realize todos os teus planos” (Vs.4)

Quando estamos cientes que Ele tem cuidado de nós, não há porque desesperar e “correr para garantir o nosso”. Estamos livres para amar e pensar primeiro no outro. Se Ele realizasse o seu desejo hoje, o que aconteceria no Brasil? Ficaria igual porque você não tá nem aí pra política? Você iria morar nos EUA e “dane-se esse povo insano”? Teria uma intervenção militar, mesmo com a história de repressão e torturas? ou haveria Justiça? Equidade? Amor?

A situação assusta porque, se com uma semana de greve chegamos a esse ponto, que dirá com uma crise mais permanente? E se faltar água? Se houver uma guerra?… Que possamos nos erguer, nos acalmar, parar de falar besteira, converter nossos desejos e cuidar, porque essa nação precisa demais de Luz.

  • Jac Meireles, 27 anos, mora em Campinas, doutoranda em Psicologia Escolar e co-fundadora da ONG Projeto Soprar. Texto originalmente publicado em Lecionário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>