Por Jeverton “Magrão” Ledo

 

Cortinas entre abertas

Na sala pouco iluminada

Estava ele, cabisbaixo

Pensativo divagando

Entre seus devaneios

A vida rotineira

 

Não existia mais a harmonia

Dos anos de outrora?

Era apenas uma das perguntas

O silêncio era ensurdecedor

Sozinho

 

Tentava ele buscar em suas lembranças

As amizades construídas

Em uma trajetória marcada pelo tempo

Perdas, ganhos, conquistas e derrotas

 

No caminhar o anonimato

Caminho que deve ser traçado pelo humilde

Reconhecedor de suas limitações e fraquezas

 

Queria ele retomar

Reagir, renascer, redescobrir

Seria tarde demais?

O ponteiro do relógio

Apontava as muitas horas passadas

O que dizer dos anos que se foram

 

Perdido em si mesmo

Gritou

Indignado com sua própria existência

Queria dar um basta

Quem sabe o isolamento total

Confinamento e prisão no seu próprio mundo

Por fim era o que lhe restava?

 

Mas que triste fim

Ecoou como um vento avassalador

Que por um instante invadiu a sala

Provocando uma sacudidela

Em sua mente

 

Lembrou-se ele

Do Criador

Suspirou

 

Lágrimas encheram-lhe os olhos

Com um fio de

Esperança

 

De repente

Pela fresta da janela

A rua em quase total escuridão

Admirou ele

Uma linda flor que parecia

Resistir

 

O fio de esperança cresceu em seu coração

Admirado com tamanha beleza

Clamou

O clamor daquele que para longe se foi

Recobrou a consciência

Prostrado

 

Suplica por reconciliação

Que lhe traria de volta

Sim

De volta à realidade

 

Contraste entre cinza e cores

Cheia de possibilidades

De novos encontros

De reencontros

Que aponta para um futuro

Que virá

Sim, proporcionando

O descansar nos braços

Do Pai amoroso

 

  • Jeverton “Magrão” Ledo é missionário e trabalha com juventude. Ele e a esposa estão na Bélgica, onde vão morar por um tempo.
  1. FRANCIELLE GALINDO SANTOS

    No fim, a gente sempre lembra daquele que nunca devíamos ter esquecido. Nem por um segundo…
    Ainda assim, essa doce lembrança muda tudo.
    Suas palavras são sempre ricas e belas, Magrão! Deus te abençoe.

  2. Isaque Viza de Souza

    Que o bom Deus nos conceda graça pra enxergar as flores da esperança em cada noite escura que atravessamos. E que a realidade da esperança futura seja presente em cada um de nossos dias!

    Grande abraço caloroso das terras geladas do Canadá pra vocês aí na Bélgica, irmão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>