Por Jeverton “Magrão” Ledo

Permita-me compartilhar algo simples e que me tem trazido alegria e desafio ao mesmo tempo: aprender um novo idioma.

Sim! Ainda tenho um longo caminho a percorrer… Estou me familiarizando com novos sons e construções… Palavras que no início pareciam fazer nenhum sentido, mas que hoje fazem parte do meu dia a dia.

As primeiras aulas de holandês causaram o medo comum diante do novo. Me senti como criança e assim me encontro em muitos momentos: fascinado!

O fascínio das primeiras experiências positivas na rua, no supermercado, com amigos locais na Igreja… sim! Consigo entendê-los, e o melhor, eles conseguem me entender.

Eu sei, você deve estar se perguntando “Estou aqui esperando um texto inspirador, desafiador, reflexivo e então, é isso?”

Quero te convidar a parar por uns minutos, desligar por vezes o piloto automático do seu corre-corre e voltar um pouco no tempo.

Fazer o exercício do “recordar é viver”, do início de uma caminhada que pode ter começado há poucas semanas, meses ou anos.

Isso mesmo, os seus primeiros passos. Quando algo novo e cheio da viva esperança trouxe transformação àquele cara quieto e tímido, ou àquela menina cheia de pré-conceitos e sonhos.

Tudo te parecia fascinante, não é mesmo?

Para alguns, um novo começo, ou recomeço… A oportunidade de ser você mesmo, passando a ter uma compreensão melhor de quem você é, de que não estamos sozinhos, à margem do acaso e à espera da morte.

A cada novo amanhecer, aos poucos as coisas passaram a fazer sentido, a vida começava a ter um sentido. O desejo de trocar, compartilhar e aprender impulsionavam você a seguir.

Seguir para onde? É aqui que surge um dos maiores desafios. Qual é o objetivo, o que devemos buscar alcançar?

Essa pergunta tem sua resposta no servir ao outro. O pano de fundo é a entrega, a alegria de enxergar o meu próximo nascendo de novo.

Sem egoísmo, desrespeito, preconceito.

E as aulas de holandês?

Em algumas semanas as férias de verão vão chegar ao fim, e um novo nível me espera. Já estou na expectativa, animado, e continuo me sentindo desafiado a seguir, sem aquele sentimento de provar que sou capaz.

O desejo real é poder mergulhar mais profundamente em novas amizades, compreender melhor tudo que me cerca, e viver na plenitude essa fase da caminhada que com certeza ainda proporcionará novos desafios.

E você? Quais são os seus?

  • Jeverton “Magrão” Ledo é missionário e trabalha com juventude. Ele e a esposa estão na Bélgica, onde vão morar por um tempo.
  1. Antonia Leonora van der Meer

    Gostei da reflexão, simples, prática, sincera e bem humana. Faz parte de nosso viver, e muito mais quando temos de ultrapassar barreiras culturais e linguisticas. É um desafio e é uma aventura. Por vezes acertamos e por vezes pagamos um mico, mas através desse processo crescemos e nos tornamos biculturais e bilíngues, ou ainda poli-culturais e poliglotas. E descobrimos e começamos a entender novos mundos, e assim podemos nos integrar e nos entregar, com a mensagem do amor de Jesus,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>