Por Joyce Hencklein

“Mas, no primeiro dia da semana, alta madrugada, foram elas ao túmulo, levando os aromas que haviam preparado. E encontraram a pedra removida do sepulcro: mas, ao entrar, não acharam o corpo do Senhor Jesus. Aconteceu que, perplexas a esse respeito, apareceram-lhes dois varões com vestes resplandecentes. Estando elas possuídas de temor, baixando os olhos para o chão, eles lhe falaram: Por que buscais entre os mortos o que vive? Ele não está aqui, mas ressuscitou. Lembrai-vos de como vos preveniu, estando ainda na Galileia, quando disse: Importa que o filho do homem seja entregue nas mãos de pecadores e seja crucificado e ressuscite no terceiro dia. Então se lembraram das suas palavras” Lucas 24:1-9

Quando criança, aprendi na igreja que a palavra “Páscoa” significa “passagem”. E essa ideia sobre passagem estava relacionada com a história dos judeus no Egito. Na verdade, relacionada com a passagem dos judeus pelo Mar Vermelho quando finalmente conseguiram sair do Egito.

Podemos dizer então que, no caso dos judeus, a Páscoa pode ser associada à passagem do estado de escravidão para a liberdade. No entanto, essa ideia inicial da Páscoa tomou outros rumos e ganhou até um novo personagem, o coelhinho, “garoto propaganda” da páscoa, que, cá entre nós, nada tem a ver com significado de passagem. A questão é: que páscoa celebramos? Qual é o seu significado?

A páscoa cristã também diz respeito à passagem, tem um homem judeu como centro de sua história e se inicia em um momento bem difícil: a morte desse homem – JESUS. Mas sabemos que essa história não termina triste, pois Jesus ressuscitou. A páscoa que celebramos é, então, sobre vida, mas devemos falar da morte para sabermos o preço do nosso pecado.

A morte de Jesus foi a solução encontrada para nos livrar do cativeiro: “Porque o salário do pecado é a morte” (Romanos 6:23a). Jesus morreu da pior forma possível, sendo humilhado e sofrendo muito na cruz, mas Ele não merecia isso. Primeiro porque ele é Deus, e segundo porque não tinha pecado algum. Porém, o amor de Jesus por nós foi tamanho que ele carregou os nossos pecados e morreu em nosso lugar. Chegado o terceiro dia, ressuscitou, afinal a morte não pôde segurá-lo. Com sua ressurreição Ele nos livrou e nos deu a vida eterna.

A nossa páscoa diz respeito à passagem da morte para a vida de Jesus, e para todo aquele que Nele crer, é claro, o bem mais precioso: a passagem da morte eterna para a vida eterna.

O fato de Jesus estar vivo faz com que saibamos que somos amados, perdoados e que vamos nos relacionar com Ele eternamente. Que Deus nos abençoe!

“Porque Ele vive, posso crer no amanhã

Porque Ele vive, temor não há

Mas eu bem sei, eu sei, que a minha vida

Está nas mãos de meu Jesus, que vivo está”

Hino Porque Ele vive – Harpa Cristã – 545

 

  • Joyce Hencklein, 23 anos. É formada em Gestão Empresarial, faz parte da Igreja Presbiteriana de Leme (SP), e é amante da leitura e escrita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>