Por Thales RiosUltJovem_13_06_16_quem-vc

Num passado distante cientistas foram desafiados a criar um complexo sistema mundial de interligação de computadores para troca de informações à distância. As possibilidades eram enormes: poderiam enviar informações militares e científicas de um continente a outro, acessar dados bancários, conversar com pessoas do outro lado do mundo, comprar e vender sem sair de casa. Décadas mais tarde, cá estou eu, me dedicando a gastar tempo nesse tal complexo sistema mundial de interligação de computadores para fazer testes em que descubro qual seria meu Pokémon na vida real.

Por mais tonto que seja, é muito divertido responder 5 perguntas e descobrir que no universo de Friends eu seria o Ross (droga, sempre quis ser o Chandler), que no Star Wars eu seria o Jar Jar Binks (o que é indiscutível, infelizmente) e que dentre as princesas da Disney eu seria a Branca de Neve (sim, eu já fiz esse teste mesmo). Os resultados são meio deprimentes, mas é viciante demais pra parar com isso.

Fora estes testes bisonhos de “quem é você na fila do pão” e “quem é sua alma gêmea” (nunca funciona, acreditem em mim), tem outros realmente interessantes por aí, alguns que dá até pra botar certa fé e parecem ter algum embasamento de psicologia por trás. Meus favoritos são aqueles em que você tem que imaginar um cenário com vários elementos e depois descobre que aquele deserto é a representação da sua vida patética e sem sentido, o cavalo rebelde é sua pessoa amada que está pisando na única flor do jardim, que representava seu último amigo. (Baseado em fatos bizarramente reais de um amigo meu esse exemplo.)

Meu primeiro contato com testes assim foi na época em que a Internet ainda era tudo mato. Quando criança, conheci uma velhinha muito simpática que parecia ter poderes sobrenaturais. Ela estava em casa conversando com minha mãe e do nada me pediu pra desenhar uma estrada, árvores e uma casa. Achei tonto da parte dela (e não disse isso porque eu era um menino muito educado), mas fiz lá o tal desenho pra velhinha. Ela pegou o papel na mão, abaixou os óculos de velha dela e começou a me descrever completamente se baseando no desenho: “Olha, menino, estas árvores inclinadas pra direita mostram que você gosta de imaginar muito as coisas antes de fazê-las; a cerca na estrada feita assim me diz que você tem muito medo de arriscar nas suas decisões; o caminho com curvas deste jeito mostra que você é muito desorganizado; e esta casa com telhado deste jeito e um cachorro na porta me indicam que você gosta muito de cachorro, porque eu nem pedi pra desenhar cachorro”. Caramba! Não lembro bem como foi que ela descreveu as coisas na verdade, mas ela parecia saber mais de mim do que eu mesmo! Em seguida pegou meu caderno da escola e descobriu pela minha letra que eu era impaciente, distraído e sentia ciúmes da menina que gostava (o que era verdade mas neguei, obviamente). Depois de desnudar meus sentimentos e personalidade ela deu um sorrisinho, fez alguma piadinha sobre poderes mágicos e me deixou anos pensando que ela era prima da Morgana ou algo do tipo.

Infelizmente, anos mais tarde eu soube que ela havia estudado algo relacionado a psicologia, o que fez a magia desaparecer um pouco, mas de qualquer maneira isso me fez ficar fanático por estes testes de personalidade.

Há um tempo atrás eu vi em um site mais um destes testes em que se tem que imaginar um cenário, um animal, uma cabana e mais um monte de coisas. Entre estas coisas, devia imaginar uma caneca ou frasco que estava no fundo da tal cabana. Como ele é? Imaginei um frasco de vidro bem fino e fraco, todo embaçado e com água suja parada. O que você faz com ele? Contrariando o que eu realmente faria na vida real, me imaginei pegando o frasco, jogando a água suja fora e depois fui em uma torneira, o lavei, sequei e levei comigo tomando todo o cuidado do mundo. No fim do teste eles explicavam que o frasco representava a minha relação com a pessoa mais importante pra mim naquele momento. Mais tarde naquele dia liguei pra tal “pessoa mais importante pra mim naquele momento”, contei que fiz mais um daqueles testes tontos, falei que limpei o frasco porque não queria nenhum Aedes Aegypti por perto, rimos, nos desejamos boa noite e fomos dormir.

Um mês depois ela me largou e voltou com o ex-namorado.

Não sei se Freud explica isso também, mas aquele teste fez sentido até demais pra mim. Era realmente um relacionamento frágil, cheio de sujeira acumulada de passados mal resolvidos. Tentei limpar com cuidado, mas na vida real acabou tudo despedaçado.

Este pode parecer um texto sobre pé na bunda e seus pais falando “Pelo menos agora você sabe como faz pra pegar alguém, né?” (e não, ainda não sei), mas não. Este texto é apenas um devaneio sobre como carregamos tanta sujeira nesse nosso frasco chamado vida. Sobre como nossas atitudes são comandadas por coisas que nem percebemos que nos dominam e ditam nossa vida.

O que somos e o que fazemos é, em sua maioria, resultado do que vivemos até então, e a nossa linha do tempo é o tempo todo agredida e entortada por pancadas que experimentamos todo santo dia. Cada pequena falha nossa ou do outro faz pingar mais uma gota no frasco, cada pecado cumpre sua função em aumentar a distância nos relacionamentos, cada trauma nos imputa medos que tornam opacas nossas decisões e, quando menos esperamos, nosso frasco está transbordando sujeira e nos encontramos envoltos em tanto lodo que já não dá mais pra ver do outro lado do vidro.

É preciso limpar o que está ali dentro.

Ignorar a sujeira que acumulamos conosco não a limpa, e nessa vida não se tem tapete suficiente pra varrer tudo pra debaixo dele. Cada trauma ignorado, cada falha arquivada, cada pecado engavetado vão cobrar sua atenção um dia. É preciso esvaziar nossos armários para que as traças não corroam o que realmente importa. É preciso tratar as velhas feridas, mesmo que seja pra aprender como tratar as que ainda estão por vir. É preciso enfrentar os velhos traumas para que eles não roubem sua liberdade de escolha na vida. É preciso enterrar seus mortos, mesmo sabendo que parte de você será enterrada junta. É preciso se livrar da sujeira que acusa e te impede de se relacionar consigo mesmo, pois só assim pode-se se tornar livre pra se relacionar com o outro outra vez.

Quantas amizades precisam ser desperdiçadas por medo de confiança? Quantos amores precisam ser evitados por medo do abandono? Quantos cachorros precisam ser negados por medo da separação? Quantos projetos precisam ser engavetados por medo do fracasso? Quantas festas, quantas comidas, quantas experiências, quantas viagens, quantas roupas, quantos sorvetes, quantos abraços, quantas danças, quantos prazeres?

Quanta vida é preciso deixar pra lá por coisas que já deveriam ter sido deixadas pra lá?

É preciso esvaziar o velho eu para poder ser preenchido de uma nova vida.

Não há frasco que não possa ser lavado. Não há passado que não possa ser deixado pra trás.

É preciso aprender perdoar – a si mesmo, inclusive.

• Thales Rios tem 27 anos, é designer gráfico, professor de EBD e tenta ser engraçado escrevendo para o blog Thales de Muleta.

  1. Parabéns Thales, este é mais um de seus textos escritos com muita sabedoria e realidade. O achei muito oportuno. Deus continue te capacitando neste maravilhoso dom . Bjs

  2. Carmen Ligia de Carvalho

    O Sr. Thales é cristão?

    A sujeira deveria ser chamada de pecado e a despeito de seu teste, não li nada a respeito de Jesus Cristo o único que pode nos limpar de nossas imundícies! O Sr.
    Thales parece interessado na maior parte de sua reflexão é que os nossos pecados nos fazem perder outros pecados do chiqueiro: festas, comidas, roupas, sorvetes,PRAZERES….Para ser uma reflexão cristã faltou o principal: JESUS CRISTO e a Cruz! Triste cristianismo desta geração!

  3. Ola Thales surpreendente parece clichê mais sim o seu texto é exatamente o que eu buscava ouvir de Deus, ele realmente nos usa para falar e transmitir suas palavras que realmente realmente…
    REFRIGERAM!

  4. Muito legal! Sou dessas que amam fazer testes inúteis (ou não) no “complexo sistema mundial de interligação de computadores”.
    Adorei seu texto, o jeito de escrever e, sobretudo, o conteúdo. Vou guardar num frasco de memória pra não esquecer mais.

  5. Oi, Carmen!
    Sou cristão sim (não dos melhores, confesso), mas não me chama de “Sr. Thales” por favor, já tô encanado de que estou ficando velho hahaha.

    A ideia deste texto era discutir como o pecado e outras coisas da vida, como dificuldades, doenças, mortes de pessoas próximas, acidentes e tudo mais afetam nosso amor próprio e, por consequência, nosso amor ao próximo, e por consequência, nosso relacionamento com Deus. E cada “sujeira” dessas acaba nos impedindo de experimentar os pequenos e grandes bons prazeres que Deus nos oferece na Terra e que nos permitem entender e contemplar um pouco mais dele. Os maus prazeres a gente pode dispensar. 😉

    Mas de qualquer maneira, agradeço MUITO sua crítica e advertências. Vou tentar melhorar nas próximas.

    E aos outros todos, fico grato a Deus por ter sido usado pra falar com vocês através deste ótimo trabalho da Ultimato. =)

  6. Deus te deu um dom maravilhoso! Você não imagina o quanto este texto falou comigo?! Realmente uma reflexão valiosa! Geralmente não comento textos (artigos), mas este mereceu minha apreciação.

    Entendo que ser cristão é mais que nomes expressos. Um cristão autêntico sente a essência de JESUS IMPLICITAMENTE nas palavras, nas imagens e até no silêncio… um cristianismo vivo, alegre, que não se perde em ritos.

    Não sei se fui clara, mas o parabenizo pelo lindo artigo e permita que Deus te use cada dia mais e mais.

    Ah! Já fui Branca de Neve tbm…kkkkk…

    Gratidão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>