Ult_jovem_20_07_15_Parar_PqC.S. Lewis disse: “Acho que, se a gente pudesse correr sem nunca se cansar, nunca mais iria querer parar. Mas às vezes existem razões muito especiais para se parar”. Em tempos de intensa correria é difícil quem para. Parar é sinônimo de desânimo, doença ou preguiça diante de uma vida agitada e corrida.

Estamos aprendendo aos poucos e incorporando a correria ao nosso estilo de vida. Até parece que dá status dizer que se está muito ocupado, muito atarefado. Dá uma sensação de importância para a pessoa, quando ela enche o peito diz: não tenho tempo.

Não temos tempo mesmo. Estamos sendo sugados por uma agenda capitalista que só quer nossa mão de obra. O dinheiro que é bom não chega aos nossos bolsos. Para nos enganar, o capitalismo nos dá alguns brinquedos tecnológicos que disfarça e mascara nossos anseios.

Na verdade, paramos sim! Mesmo na vida corrida da pós-modernidade. Mas paramos na frente da tela. Ficamos mexendo no smartphone horas e horas e só cessamos quando a bateria está acabando. Damos uma pausa para carregar e depois já estamos parados “fuçando” nas redes sociais e conversando com nossos contatos.

A tecnologia está robotizando a vida e parece que a vida digital está suprimindo a vida real. Assim não temos tempo de parar, e como as ferramentas tecnológicas são cada vez mais velozes, queremos que nosso cérebro seja tão rápido quando o nosso smartphone e/ou computador. A vida está cada vez mais acelerada.

Conforme nos afirma Lewis, se pudéssemos correr sem nunca cansar, não pararíamos e a vida estaria ainda mais louca do que já está. As pessoas estão correndo de um lado para outro, atrás de informação e interação e não percebem o cansaço chegando aos poucos. Nunca se viu tanto problemas psicológicos e psiquiátricos como em nossos dias. As pressões, o excesso de informação está gerando uma geração imediatista, ansiosa, tediosa e depressiva.  A ansiedade é um dos males do nosso tempo. Queremos tudo para ontem. Não aprendemos que, às vezes, precisamos parar. Só sabemos correr. Corremos e corremos atrás de tantos sonhos e ideais, que por vezes corremos atrás de projetos alheios que foram plantados em nós.

Salomão em sua sabedoria disse que “tudo é vaidade” (cf. Ec 1:2), e que gastamos muito tempo da vida correndo e correndo sem chegarmos a lugar algum, a não ser chegar ao ápice da vaidade. Corremos e, quando a maturidade chega, falamos como Salomão: “tudo é vaidade e correr atrás do vento” (cf. Ec 2:17). Corremos muito atrás do vento e só gastamos tempo, força, energia. Desperdiçamos a vida!

Lewis diz que é necessário parar. Na realidade Lewis enfatiza uma proposta de Jesus. Nosso Mestre viu muitas pessoas correndo atrás do vento, se preocupando com as necessidades básicas da vida e alimentando a ansiedade. Jesus parou e ensinou seus ouvintes a parar.

Por vezes, diante de tantas demandas da multidão que O seguia, Jesus parava e ia orar. Parava para orar. Que lição! Parava para acolher crianças. Parava para escrever no chão. Para atender alguém. Para ouvir o clamor de um cego a beira do caminho. Jesus parou e nos ensina a parar.

Ele parou diante de um lírio do campo e nos deu uma grande lição. Um lírio foi usado como ilustração do sermão de Jesus. A expressão do mestre é “considerai como crescem os lírios” (cf. Mt 6:28 a 30). Considerar nas palavras de Jesus é “pare e veja”, “olhe atentamente”, “observe” ou “repare”. Jesus nos chama a pararmos diante de tantas coisas e observarmos como Deus cuida da vida.

Enquanto essa correria desenfreada nos ensina a correr sem parar e essa agitação da correria provoca ansiedade, nosso Mestre, na contramão da nossa cultura, nos ensina a parar diante da criação do Pai e observar como Deus nos ama. Pare e observe o cuidado de Deus. Pare e veja Deus agindo. Pare e descanse nos cuidados do Senhor. Precisamos parar para ver e sentir o agir do Senhor sobre nós. Quem anda correndo não tem tempo nem se quer de ouvir, sentir e perceber o sopro do Espírito Santo que nos conduz. Pare!

• Jeferson Rodolfo Cristianini é pastor batista voltado para o ministério com juventude.

Imagem: freeimages.com/photo/stop-1453822

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *