Por Jeverton “Magrão”

UltJovem_26_11_14_SozinhoUm domingo de sol, barracas, o colorido das frutas, o cheiro do pastel numa típica feira e seus frequentadores.

São tantos os sons, que mais um não fará diferença. A música irrompe na atmosfera onde os artistas são os feirantes e sua criatividade para despertar o interesse dos fregueses.

A melodia e letras que tratam e retratam a vida, e o vazio que muitos sentem, parecem despertar o interesse de alguns poucos.

Sou um observador atento aos movimentos, detalhes que não podem passar desapercebidos, pois no meio da multidão transita a consciência. Entre uma música e outra são lançadas palavras que confortam, confrontam e deveriam levar as pessoas a pensarem sobre suas próprias histórias.

Percebo que poucos dão ouvidos, entre eles, um jovem adulto. Ele para sua bicicleta e, por alguns instantes, parece desligar-se de tudo ao seu redor. Será esse um dos conscientes no meio da multidão?

Ainda não o conheço, mas ele me faz olhar para mim mesmo e rever minha própria trajetória, percebendo que há anos sou um cara que se encontrou com o sentido de se estar vivo.

A música silencia e nós voltamos aos sons típicos do ambiente.

Começa a história do jovem que, num rompante, resolveu aventurar-se pelo mundo, levando na mochila o desejo de experimentar o que de melhor a vida tem para oferecer e, de quebra, gastar um bocado de grana.

O jovem adulto continua lá e agora tira o boné, os óculos e mostra o rosto cansado e os olhos que começam a marejar.

Escuta tudo atentamente e por, um momento, tenho a impressão que ele percebeu minha presença observadora. Estou ali e não me aproximo.

A saga do jovem aventureiro vai chegando ao final e o nosso ouvinte está paralisado, imerso naquela que talvez fosse sua própria história — sem o anel e as roupas novas. Estaria ele sem coragem para voltar para casa e encontrar o pai de braços abertos?

Chega a hora de deixar meu papel de observador e me fazer presente na vida do jovem que por agora vou chamar apenas de A. Dou uns poucos passos e, sim, estou frente a frente com meu igual, alguém com uma vida, dramas, decepções e, como eu e você, por vezes sem saber para onde ir, já que resolvemos trilhar nosso próprio caminho. É hora de voltar e perceber que tudo pode ter um recomeço.

Ele me abraça e encosta sua cabeça em meu peito, as lágrimas correm. Juntos, nos lançamos nos braços do Pai. Sou movido a apresentar nossas vidas em oração.

Vivencio uma vez mais a sublime beleza de sentir a singeleza do encontro, do abraço sincero e da vida que deseja seguir sonhando.

O jovem A é mais um desses anônimos – invisível para muitos. Um entre tantos que compartilham desse tempo e dessa história.

O resgate de vidas está bem ao nosso lado e o mundo precisa de pequenos gestos de amor que só exigem de cada um de nós, peregrinos, sensibilidade, compaixão e um olhar atento.

A minha história, a história do A e a sua própria história não termina aqui.

• Jeverton “Magrão” Ledo é missionário e pastor de jovens.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>