A história da igreja tem sido uma história doce e amarga, combinando atos de heroísmo com atos vergonhosos”.

Os profetas viveram em um tempo de antecipação e os discípulos, em dias de realização”.

É quando começamos ver a gravidade do pecado e a majestade de Deus que nossas perguntas mudam”.

De Gênesis 2 a Apocalipse 21, destaca-se a mesma verdade de que “o salário do pecado é a morte” (Rm 6.23), ou seja, que ele nos separa de Deus”.

A cruz não explica a calamidade do sofrimento humano, mas oferece um bom campo de visão a partir do qual é possível observá-la e suportá-la”.

  Frases retiradas do livro Por que sou cristão.

Se John Stott fosse conhecido no mundo todo apenas como teólogo, escritor e evangelista, já seria surpreendente. Porém, além disso e de ter sido indicado pela revista “Time” como uma das cem personalidades mais influentes do mundo, ele é também o presidente honorário do Movimento Lausanne e um de seus pioneiros.

Aos 88 anos e com a saúde debilitada, Stott não pôde comparecer ao congresso. Mas fez questão de enviar uma mensagem a todos os participantes, que foi publicada em oito idiomas no informativo do congresso:

“Tenho agradecido a Deus, durante todos esses anos, pelo crescimento do Movimento Lausanne desde 1974 e pela maneira como ele o tem usado para a sua glória. Agradeço ainda mais a Deus pelo crescimento da igreja mundial durante esses anos, principalmente nos grandes continentes do mundo em desenvolvimento.

Alegro-me com a realização do Congresso na África e oro para que vocês partilhem ricamente a bênção de Deus sobre a igreja nesse continente, assim como a dor e o sofrimento do seu povo.”
Apesar das limitações, John Stott mantém uma invejável lucidez e senso de humor — e realiza suas atividades com a ajuda de Frances Whitehead, sua secretária por mais de cinquenta anos.

Continue lendo →

Lembro-me muito claramente de que há vários anos, sendo um cristão ainda jovem, a questão que me causava perplexidade (e a alguns amigos meus também) era esta: Qual é o propósito de Deus para o seu povo? Uma vez que tenhamos nos convertido, uma vez que tenhamos sido salvos e recebido vida nova em Jesus Cristo, o que vem depois? É claro que conhecíamos a famosa declaração do Breve Catecismo de Westminster: “O fim principal do homem é glorificar a Deus, e gozá-lo para sempre”. Sabíamos disso e críamos nisso.

Também refletíamos sobre algumas declarações mais breves, como uma de apenas sete palavras: “Ama a Deus e ao teu próximo”. Mas de algum modo, nenhuma delas, nem outra que pudéssemos citar, parecia plenamente satisfatória. Portanto, quero compartilhar com vocês o entendimento que pacificou minha mente à medida que me aproximo do final de minha peregrinação neste mundo. Esse entendimento é: Deus quer que seu povo se torne semelhante a Cristo. A vontade de Deus para o seu povo é que sejamos conformes à imagem de Cristo.
Sendo isso verdade, quero propor o seguinte: em primeiro lugar, demonstrarmos a base bíblica do chamado para sermos conformes à imagem de Cristo; em segundo, extrairmos do Novo Testamento alguns exemplos; em terceiro, tirarmos algumas conclusões práticas a respeito. Tudo isso relacionado a nos assemelharmos a Cristo.

Então, vejamos primeiro a base bíblica do chamado para sermos semelhantes a Cristo. Essa base não se limita a uma passagem só. Seu conteúdo é substancial demais para ser encapsulado em um único texto. De fato, essa base consiste de três textos, os quais, aliás, faríamos muito bem em incorporar conjuntamente à nossa vida e visão cristã: Romanos 8:29, 2 Coríntios 3:18 e 1 João 3:2. Vamos fazer uma breve análise deles.

Continue lendo →