Foi lendo John Stott que passei a perceber o quanto nos afastamos da simplicidade do evangelho. O distanciamento dessa simplicidade implica no distanciamento da imagem de Jesus em nós, pois, já não podemos dizer que nos parecemos com Jesus se amamos ser aplaudidos, reconhecidos. Não estamos identificados com Jesus se buscamos status.

Quando Jesus nos mandou carregar nossa cruz, na verdade estava nos dando a maior de todas as oportunidades de nos parecer com Ele, pois ele também carregou uma rude cruz, com muito sangue, pro nosso cristianismo ter algum “glamour”.

“Adotemos os princípios de um ‘estilo de vida simples’, que nos liberta do consumismo ou da busca de símbolos de status”, John Stott. Continue lendo →

Não nos envergonhamos de Jesus Cristo, que é o centro e o cerne do cristianismo.

 

Deus nos constituiu como seres humanos que pensam. Ele nos tratou como tais, comunicando-se conosco com palavras. Ele nos renovou em Cristo e nos deu a mente de Cristo. E nos considerará responsáveis pelo conhecimento que temos.

 

A nossa desunião continua sendo um grande empecilho para o nosso evangelismo.

 

A perspectiva do discípulo radical é ver a morte não como o término da vida, mas como a entrada para ela.

em O Discípulo Radical

 

 

 

Em 2012 Crer é Também Pensar completou 40 anos desde a sua publicação na Inglaterra. Para celebrar esta data a Editora ABU, com o apoio da Editora Ultimato, lançaram uma edição comemorativa, com nova tradução a partir da edição norte-americana de 2006, nova capa e formato e de acordo com a nova norma ortográfica da Língua Portuguesa.

Em meio a uma sociedade e igrejas saturadas pelo emocionalismo e pela autoajuda, Crer É Também Pensar mostra, à luz das Escrituras, como relacionar a adoração, a evangelização, o serviço — enfim, a vida cristã — com a capacidade de pensar. Apresentamos os prefácios escritos pelos editores à primeira edição do livro e por Ziel Machado à edição brasileira. Boa leitura! Continue lendo →