JS_22_06_16_relacionamentoEm 1 Timóteo 5.1-2 está claro que Timóteo era responsável por uma congregação mista, em se tratando de sexo, pois havia homens e mulheres, incluindo idosos e jovens. Portanto, a idade e o sexo das pessoas deveriam determinar a atitude de Timóteo para com elas. Falemos sobre as pessoas mais velhas primeiro. Timóteo talvez tivesse de admoestar pessoas muito mais velhas que ele. Nesse caso, ele deveria fazer isso como uma exortação e não como uma repreensão. “Não repreenda asperamente o homem idoso, mas exorte-o como se ele fosse seu pai.” Os membros seniores deveriam receber respeito por causa da idade e o afeto devido aos pais. Em outras palavras, ele deveria tratar os homens mais velhos como a pais e as mulheres mais velhas, como a mães.

Muitas vezes sou chamado de “tio John”, e há uma boa razão teológica para isto. Esta é minha autorização bíblica. Sinceramente, acredito que devemos reconhecer a lacuna de gerações na comunidade cristã. Às vezes, os estudantes em Londres se aproximam de mim e me chamam de “John”, mesmo quando não sei quem são e mesmo sendo mais velho que o pai deles ou, em alguns casos, o avô deles! Para mim, isto não é natural. É claro que reconheço que há um elemento cultural aqui, mas, nas culturas africanas e asiáticas, um jovem jamais sonharia em chamar uma pessoa mais velha pelo seu próprio nome, e os jovens sempre chamam os mais velhos de “tio”.

Usemos a própria geração de Timóteo. Ele deveria tratar os mais jovens como a irmãos, ou seja, amando-os e não os menosprezando, e deveria tratar as mulheres mais jovens como a irmãs, amando-as também, mas com absoluta pureza, e tomando as devidas precauções para evitar a imoralidade.

Portanto, a igreja local é uma família. Na igreja local há pais e mães, irmãos e irmãs. Os líderes cristãos jovens devem ser sensíveis a essas diferenças e não tratar a todos de igual modo, mas tratando os idosos com respeito, sua própria geração com igualdade, o sexo oposto com prudência e compaixão e todas as idades de ambos os sexos com o amor que une a família cristã.

Nota:
Trecho do livro Desafios da Liderança Cristã, de John Stott.

JS_15_06_16_lider-jovem-exemplo-peqComo os líderes jovens devem reagir se seu ministério estiver sendo rejeitado ou ofendido? Não com raiva ou ressentimento. Não se tornando agressivo ou se sobrecarregando. Mas, e esta é uma forte conjunção adversativa no grego, Paulo explica outra alternativa. J. B. Phillips coloca muito bem a questão: “Não deixe que as pessoas o desprezem por ser jovem; cuide para que elas o respeitem por ser um exemplo para elas em seu modo de falar e em sua conduta, em seu amor, fé e sinceridade”.

Cuidado com seu exemplo

Paulo dá a Timóteo seis conselhos. Primeiro, cuidado com seu exemplo. O versículo 12 diz: “Seja um exemplo”. Se quisesse que sua liderança fosse aceita, Timóteo tinha de dar um bom exemplo. Não desprezariam sua juventude se pudessem admirar sua vida. Dar o exemplo é o novo estilo de liderança que Jesus apresentou ao mundo. É a liderança pelo exemplo, não pela autocracia. Quando nossa autoridade é questionada, ameaçada ou resistida, nossa grande tentação é insistir mais fortemente, mas temos de resistir a essa tentação.

Observem como o exemplo e o modelo de Timóteo devem ser amplos: nas palavras e na vida, no amor, na fé e na pureza. Talvez estas sejam as mais difíceis: fé em Deus e domínio próprio. Seria difícil exagerar as consequências desastrosas de um mau exemplo ou as influências benéficas de um bom exemplo. Por isso, o primeiro conselho a um líder jovem é: cuidado com seu exemplo.

Trecho do livro Desafios da Liderança Cristã, de John Stott.

 

Porque, sempre que comerem deste pão e beberem deste cálice,
vocês anunciam a morte do Senhor até que ele venha. (1 Coríntios 11.26)

JS_25_05_16_Ceia

Martin BOULANGER/ Freeimages.com

Durante a refeição no Cenáculo, Jesus tomou o pão e, partindo-o, deu-o aos discípulos, dizendo-lhes: “Isto é o meu corpo dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim” (Lc 22.19). Após a refeição, tomou o cálice de vinho e o deu a eles, dizendo: “Este cálice é a nova aliança no meu sangue, derramado em favor de vocês” (Lc 22.20). Tais palavras e atos são plenos de significado, pois nos mostram a própria visão de Jesus em relação à sua morte.

Três verdades se destacam.

1.
A primeira é a centralidade de sua morte. Jesus estava dando instruções para o seu próprio culto memorial — eles deveriam comer pão e beber vinho “em sua memória”. Além do mais, o pão representaria não somente o corpo vivo de Jesus, como também o corpo dado em favor deles, enquanto o vinho representava o seu sangue derramado. Em outras palavras, ambos os elementos apontavam para a morte de Jesus. Era pela morte que ele desejava ser lembrado.

2.
A segunda verdade que aprendemos com a Ceia do Senhor diz respeito ao propósito da morte de Jesus. Conforme Mateus, o cálice representava “meu sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos, para perdão de pecados” (Mt 26.28). Esta é a declaração verdadeiramente maravilhosa de que, através do sangue de Jesus, derramado em sua morte, Deus estabeleceria uma nova aliança (Jr 31), cuja maior das promessas era o perdão dos pecados.

3.
A terceira verdade ensinada pela Ceia do Senhor é concernente à nossa necessidade de nos apropriarmos de forma pessoal dos benefícios da morte de Jesus. No drama do cenáculo os discípulos não eram apenas espectadores, mas participantes. Jesus não somente partiu o pão, mas deu-lhes para que o comessem. Não somente derramou o vinho no cálice, como também o deu para que eles o bebessem. Da mesma forma, não bastou que Cristo morresse — temos de nos apossar das bênçãos de sua morte. O ato de “comer o pão e beber o vinho” foi, e ainda é, uma parábola viva do receber a Cristo como nosso Salvador crucificado e de nos alimentarmos dele em nosso coração mediante a fé.

A Santa Ceia, conforme instituída por Jesus, não foi uma declaração sentimental do tipo “não me esqueçam”. Antes, foi um drama com grande riqueza de significado espiritual.

Leia também: Jeremias 31.31-34

-Texto retirado de A Bíblia Toda, O Ano Todo, de John Stott.