Estamos todos conscientes de que, durante os últimos anos, especialmente a partir da Quarta Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, em Uppsala, em 1968, as relações entre cristãos evangélicos e ecumênicos (se posso usar esses termos como uma abreviação conveniente, pois reconheço que eles não são de forma alguma mutuamente excludentes) têm evoluído para algo […]

Continue lendo →